[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

Daniel Buarque: Contraste com Bolsonaro pode ajudar Lula a abrir portas para o Brasil no mundo

Apesar do impacto negativo do ex-presidente na imagem do Brasil e na sua projeção internacional, a comparação entre ele e o novo governo pode gerar boa vontade entre potências ocidentais e ajudar o país a conseguir reconhecimento e um papel importante na política global. Para o pesquisador britânico Paul Beaumont, Bolsonaro pode até acabar gerando um saldo positivo para o prestígio do Brasil

Monica Herz:Após Bolsonaro, Brasil vai enfrentar crise de confiança internacional

Implementação de uma política externa conservadora mostrou que as tradições diplomáticas podem ser rompidas e que pode haver uma descontinuidade na posição do país perante o mundo. Para a professora de relações internacionais da PUC-Rio, isso vai afetar a confiança internacional no país, mas o Brasil ainda tem o potencial de exercer um papel de liderança global

Sean Burges: Com Lula, Brasil volta a usar política externa para avançar agenda doméstica

Novo governo assume após ‘hiato’ da diplomacia brasileira e vai enfrentar contexto global complicado por guerra na Europa e disputas entre EUA e China. Para o professor de relações internacionais na Universidade de Carleton, no Canadá, o Brasil pode voltar a trabalhar para assumir um papel de liderança do Sul Global para ganhar voz internacional e ajudar a promover o desenvolvimento interno

Benjamin Junge: Falta de diálogo em eleição polarizada é ruim para a democracia

Aumento da violência política no país reflete o avanço do discurso autoritário em uma sociedade contraditória e com sentimentos ambíguos em relação à política, explica antropólogo na State University of New York. Para ele, definição de um novo presidente dificilmente vai superar as divisões abertas pelas disputas dos últimos anos

Rubens Barbosa: Baixa credibilidade do governo reduz impacto de falas de Bolsonaro a embaixadores

Para o diplomata brasileiro, observadores externos conseguem separar as declarações do presidente das ações práticas do país na política e nas suas relações com o mundo, o que limita as consequências dos ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral. Barbosa vê o Itamaraty atuando para restaurar suas tradições, embora o presidente seja o responsável pela definição da política externa