[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

irice

O Lugar da França no Mundo

            O presidente Emmanuel Macron, depois de dois anos de interrupção em consequência da COVID, reuniu-se, como faz todos os anos, com os diplomatas do Quai Orsay (o Itamaraty francês) para discutir o futuro da carreira diplomática e da política externa, em um mundo em transformação, em especial, depois da guerra da Rússia na Ucrânia. O clima do encontro presidencial foi tenso em vista da reação negativa dos funcionários diplomáticos franceses às mudanças na “carriere”, aprovadas a toque de caixa por Macron, antes das eleições, para responder às críticas de elitismo.  A reforma dos altos cargos da administração pública cria um corpo de administradores do Estado e prevê que os altos funcionários não sejam vinculados a uma carreira específica, mas possam mudar de ministérios regularmente ao logo da carreira. No serviço exterior, o cargo de embaixador poderá ser preenchido por funcionários de outros órgãos, os chamados Administradores do Estado. A Instituição reagiu com uma greve raríssima, mostrou as dificuldades para implementar a decisão pelo caráter específico do trabalho diplomático e enfatizou a inevitável politização das nomeações para os postos mais cobiçados. O Senado suspendeu a execução do decreto e reluta em aprovar a reforma.

            Como não poderia deixar de ser, a guerra na Ucrânia teve um papel de relevo na apresentação de Macron. Criticado por ter tentado evitar as operações bélicas em conversas com Putin, o presidente francês reforçou suas críticas contra o líder russo e afirmou que a guerra deverá será longa e que a França deve estar preparada para essa possibilidade. Nessa linha, manifestou-se contra gestionar junto ao presidente da Ucrânia para a cessação das hostilidades e a busca de um entendimento para a negociação da paz, pois, nenhum ucraniano aceitará que sejam feitas concessões, especialmente territoriais. As relações da França com Putin e com a Rússia, no campo diplomático, estão em seu nível mais baixo, pelas sanções aplicadas por Paris e pelos gestos positivos em relação a Zelinsky. Em vista disso, Macron apesar de não se qualificar para tentar mediar uma solução pacífica para o conflito, observou que continuará a conversar com Putin para não deixar a Turquia sozinha no papel de interlocutora privilegiada para resolver problemas com a Rússia, como o escoamento da safra de grãos ucranianos, bloqueados por Moscou. Apesar da retaliação de Putin ao suspender o fornecimento de gás para os países da OTAN, Macron insistiu na necessidade da Europa manter-se unida, observando que a divisão no Continente é um dos objetivos russos da guerra. A fim de tranquilizar os parceiros europeus, a França e a Alemanha circularam documento que favorece a reorientação da política europeia a fim de prevenir outros atos de agressão e para que a guerra se converta em um fracasso estratégico para a Rússia.

O terceiro tema abordado por Macron foi o relacionamento com a China e as tensões em torno de Taiwan. Sem se preocupar com as possíveis reações de Washington, Macron afirmou que a França não tem intenção de entrar em uma lógica de confrontação com Beijing no mar do sul da China, nem estender alianças militares, como a OTAN, criadas para fins específicos na Europa, para o espaço Indo-Pacífico. Nessa questão, Macron se opõe claramente aos EUA que pretende, ao contrário da política da França e da Alemanha, colocar o Tratado do Atlântico Norte ativo também nas ações contra a China. Em um gesto que deve ter sido classificado de terceiro-mundista pelos formuladores de política em Washington, Macron afirmou de forma clara que “nós jamais fomos alinhados automáticos, nem vassalos de qualquer potência” Segundo o presidente francês, a França e a Europa devem construir uma “independência geopolítica” em relação a polarização EUA-China. “Não temos por que ser obrigados a escolher e devemos sempre manter esta liberdade de ação, disse apropriadamente Macron.

Foi anunciado também que o ministério do exterior francês vai criar uma secretaria estratégica na área de imprensa para lidar com a crescente guerra de informação. No contexto da radicalização das relações internacionais, o novo órgão vai acompanhar a mídia social e os sites da internet, mas também ser dotado de uma capacidade de reação às mensagens agressivas difundidas por regimes autoritários e pela mídia controlada por eles.

O governo francês tem a prática saudável de reunir anualmente o presidente da República com os diplomatas franceses do Quai D’Orsay para discutir temas de interesse da carreira diplomática e os principais aspectos da política externa francesa. Essa prática não existe no Brasil, mas o futuro governo deveria institucionalizar reuniões desse tipo com os funcionários diplomáticos do Itamaraty. A diplomacia e a política externa são vistas como não prioritárias pelos governos de turno e pelo Congresso Nacional. Por isso são praticamente ignoradas nas formulações de grandes políticas, a não ser, como agora, em que se busca aprovar legislação que permite a nomeação de parlamentares, sem perda de mandato, para a chefia de embaixadas no exterior, com o lamentável risco, como apontado para a França, de politizar o serviço exterior brasileiro.

Rubens Barbosa, presidente do IRICE e membro da Academia Paulista de Letras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Estamos nas Redes

Populares

Centro de Lançamento de Alcântara

Depois de mais de vinte anos do início da negociação, o Brasil, em 2019, assinou com os EUA, o acordo de salvaguarda tecnológica, aprovado em

O gradual esvaziamento do Itamaraty

A política externa, nos últimos 200 anos do Brasil independente, sempre teve um papel muito relevante na defesa do desenvolvimento econômico, dos interesses concretos do

Veja mais

Confira as demais postagens do IRICE