Sergio Abreu e Lima Florêncio

Sergio Abreu e Lima Florêncio

Sergio Abreu e Lima Florêncio é colunista da Interesse Nacional, economista, diplomata e professor de história da política externa brasileira no Instituto Rio Branco. Foi embaixador do Brasil no México, no Equador e membro da delegação brasileira permanente em Genebra.

Política industrial – Nova ou repetida?

Nova política industrial está pautada pelo anacronismo de reeditar erros do passado e pela pressão para produzir efeitos rápidos de curto prazo, sem a indispensável solidez técnica e o necessário distanciamento político

Rivalidade Israel x Irã: Da guerra por procuração à confrontação direta 

Os dois países cruzaram o Rubicão, e o mundo assiste inquieto ao desdobramento do conflito entre as duas maiores potências bélicas do Oriente Médio. Para embaixador, entretanto, nenhum dos atores tem interesse em uma guerra aberta

A crise política entre Equador e México e o paradoxo da tolerância

Invasão de embaixada tem origem e natureza políticas com base na crescente ingerência mexicana em assuntos internos equatorianos. Para embaixador, crise faz a integração regional exibir retrocesso que reflete um continente polarizado em torno de divergentes colorações ideológicas

A democracia liberal tem futuro?

Até os anos 1990, as democracias do mundo desenvolvido exibiam uma estabilidade sem paralelo, o que levou muitos analistas à ideia de ‘consolidação democrática’, mas esse mundo começou a perder solidez na década de 2010. Para embaixador, testemunhamos hoje a crise das democracias liberais, os sinais de declínio da hegemonia norte-americana, a crescente afirmação da China como superpotência rival e a expansão de regimes populistas autoritários

O país das oportunidades perdidas e dos erros esquecidos

Últimos 30 anos revelam padrão de promessas, equívocos e poucos avanços na economia, na política e nas relações internacionais. Para embaixador, avaliar com realismo o lugar do Brasil no mundo é condição necessária para um política externa destinada à defesa do interesse nacional e não à busca de protagonismo internacional

Os descaminhos da política externa brasileira 

Crise diplomática entre o Brasil e Israel pode reverter a boa vontade gerada internacionalmente pelo fim do governo de Jair Bolsonaro. Para embaixador, a declaração de Lula reflete personalismo, busca irresponsável de protagonismo e acentua os descaminhos de uma política externa com importante patrimônio de realizações

Equador é a mais recente vítima na América Latina, região mais violenta do mundo

Produção e comercialização de drogas nos Andes e seu contexto político ajudam a explicar crise equatoriana e servem de lição para o Brasil. Para embaixador, medidas políticas essenciais têm sido adidas, e loteamento de cargos técnicos aproxima o Brasil do mesmo drama

A guerra Hamas-Israel poderá gerar a Solução de Dois Estados?

Após mais de sete décadas de tentativas frustradas, a solução de dois Estados parece ter chances maiores que o retrocesso político e a insurgência armada. Para diplomata, assim poderá desaparecer o carma histórico da guerra parteira da paz e semente de conflito futuro

A dupla barbárie na guerra Hamas-Israel e a solução de dois Estados.

Embora de difícil concretização, o modelo de dois Estados é o único capaz de trazer paz duradoura para a dividida sociedade israelense e alívio prolongado para o sofrido povo palestino. Para embaixador, apesar dos obstáculos e enigmas, a solução ganha momento no plano internacional

A Guerra entre Israel e Irã

O conflito em Gaza tem resultado imponderável porque depende não só do combate no terreno, mas também da opinião pública norte-americana e do dilema iraniano. Para embaixador, assim como a Guerra do Vietnã, confronto atual pode ser decidido pela política em Washington e não pelas armas

A ‘questão militar’ invertida? Solução à vista? (parte 2)

Participação dos militares na política marcou momento emblemáticos da história do Brasil e permanece em debate por conta da ideia do ‘Poder Moderador’ das Forças Armadas. Para embaixador, desatar este nó e rever Artigo 142 ainda é uma longa estrada a ser pavimentada

A ‘questão militar’ invertida? Solução à vista? (parte 1)

Turbulenta relação entre civis e militares discutida atualmente reflete tensão nascida no Império e presente na história do país desde então. Em texto inspirado no historiador José Murilo de Carvalho, diplomata avalia que as respostas a esses desafios deverão moldar o destino do papel político das Forças Armadas e são a chance de superar a histórica República Tutelada

Origens da recessão democrática (parte 2)

Para pesquisadores, modelo econômico internacional gera desigualdade de renda, descontentamento social e questionamento da democracia liberal. Pois privilegia excessivamente o capital e despreza o destino da maior massa da população. Para embaixador, aí reside a principal origem do declínio das democracias

O Brics ampliado e a PEB – Ideias fora do lugar?

Expansão do bloco de países emergentes dilui a influência dos membros originais e consolida a China como hegemonia em crescente polarização com o Ocidente. Para embaixador, mudança traz riscos para o Brasil pelo anacronismo de ameaçar o não alinhamento com potências e pelo paradoxo doméstico entre democracia e autocracia

Turbulência no Equador – Tráfico, massacres de presos e impasse político

Fraturado em sua geografia e em sua sociedade, o país passou por um momento promissor no início do século, mas nos últimos anos caiu na instabilidade política com forte aumento da violência e da criminalidade. Para embaixador, eleições presidenciais podem levar ao aumento do autoritarismo como aconteceu no Brasil sob Bolsonaro

Origens da recessão democrática (parte 1)

Fracasso do Brexit e derrota de populistas como Donald Trump não representaram uma derrocada da extrema-direita no mundo. Para embaixador, a resiliência dos populismos continua a ameaçar as democracias nos dois lados do Atlântico

Sergio Amaral, grande amigo e diplomata esclarecido

Diplomata morto aos 79 anos foi um social-democrata voltado para a construção de uma economia moderna, competitiva e de uma sociedade mais inclusiva, menos desigual. Para embaixador e amigo, sua partida deixa um gigantesco vazio na construção de um Brasil melhor

Multipolaridade, não-alinhamento e a política externa brasileira

Guerra na Ucrânia criou uma fratura entre EUA-UE-Otan versus Rússia-China e abriu espaço para o Sul Global reeditar o modelo do não-alinhamento vigente na Guerra Fria. Para embaixador, postura do Brasil tem dupla desvantagem pela ambiguidade entre votações na ONU e declarações presidenciais e pelo distanciamento em relação aos países com perfil próximo ao seu que evitam escolher um lado no conflito

Sergio Abreu e Lima Florêncio: Morte das democracias, sobrevivência das autocracias?

Três estudos diferentes descrevem um cenário marcado por sombras para a democracia liberal em todo o mundo enquanto apontam para a resiliência de autoritarismo. Para embaixador, mesmo que a perspectiva não permita falar em zona de conforto, há esperança de mudança, e pessimismo não significa fatalismo

Sergio Abreu e Lima Florêncio: Declínio dos EUA? Três interpretações

Indícios de uma nova ordem internacional deverão levar ainda muitos anos para se transformarem em realidade. Para embaixador, nesse cenário, é arriscado e prematuro apostar todas as fichas no declínio dos EUA e na hegemonia da China, um diagnóstico que recomenda um reexame da atual política externa brasileira