[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Com imagem desgastada, Brasil vai à Cúpula das Américas para tentar avançar agendas regional e global

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Para Renata Amaral, os EUA precisavam da presença do Brasil na reunião, e o país pode se aproveitar do encontro para melhorar as relações bilaterais e evitar criar problemas econômicos com parceiros importantes em meio à polarização entre Ocidente, Rússia e China

Por Daniel Buarque

O encontro entre os presidentes Jair Bolsonaro e Joe Biden, marcado para esta semana durante a Cúpula das Américas, em Los Angeles, pode ser uma oportunidade para tentar melhorar as relações entre o Brasil e os Estados Unidos. Trata-se de um passo importante no projeto brasileiro de manter relações amistosas (especialmente do ponto de vista comercial) em meio à crescente polarização global entre o Ocidente e a parceria entre Rússia e China, exacerbada pela guerra na Ucrânia. 

“Para o Brasil, que está com a imagem muito desgastada nos EUA e em muitos outros parceiros políticos econômicos relevantes, o encontro pode gerar frutos positivos com foco no encaminhamento de agendas conjuntas”, avaliou Renata Amaral, doutora em direito pela Universidade de Maastricht (Holanda), em entrevista à Interesse Nacional.

Para ela, que está em Los Angeles para acompanhar a Cúpula, apesar de ter manobrado para conseguir um encontro bilateral com Biden, não faz sentido dizer que Bolsonaro chega fortalecido à Cúpula. A importância do Brasil na reunião regional se dá por ela focar temas que o país tem papel de liderança, como sustentabilidade, saúde, resposta à pandemia e segurança alimentar. 

Amaral é advogada especializada em comércio internacional, com atuação na Organização Mundial do Comércio. Além disso, é professora na American University Washington College of Law. Na entrevista, ela falou ainda sobre o pessimismo global com a economia e as oportunidades que o Brasil pode aproveitar para deixar de lado suas vulnerabilidades e “se tornar uma superpotência energética, vender mais alimentos para o mundo e, de quebra, utilizar sua agricultura como parte da solução para a crise climática global.”

Leia a entrevista completa abaixo

Daniel Buarque – O presidente brasileiro ameaçou não ir à Cúpula das Américas e conseguiu manobrar para conseguir reuniões bilaterais com Joe Biden. Acha que o país chega fortalecido ao encontro? O que o Brasil pode conseguir de vantagens a partir de uma possível aproximação com os Estados Unidos nesse momento tenso da política global?

Renata Amaral – Não acredito que o Brasil chegue necessariamente fortalecido, mas os Estados Unidos precisavam da presença do Brasil na Cúpula, e por isso fizeram um esforço de convencimento para que o presidente Bolsonaro estivesse presente em Los Angeles.

Sem dúvida o encontro dos dois presidentes, que deve acontecer no dia 9, é um momento muito aguardado, sobretudo pela diplomacia brasileira. O presidente Bolsonaro é visto aqui nos EUA como um aliado declarado do ex-presidente [Donald] Trump, e não fez questão da aproximação com a atual administração norte-americana.

A Cúpula das Américas neste ano foca em temas que o Brasil tem, by default, um papel de liderança como sustentabilidade, saúde, resposta à pandemia, (in)segurança alimentar. Uma declaração conjunta acertada entre os dois presidentes pode ser muito produtiva para a região e fortalecer compromissos regionais. Para o Brasil, que está com a imagem muito desgastada nos EUA e em muitos outros parceiros políticos econômicos relevantes, o encontro pode gerar frutos positivos com foco no encaminhamento de agendas conjuntas.

Daniel Buarque – O Brasil evitou condenar a Rússia pela invasão da Ucrânia, e tem tentado manter boas relações com o país (de quem compra fertilizantes), bem como com a China (aliada da Rússia) e com o Ocidente, que tem pressionado o governo brasileiro por uma postura mais dura em relação à Guerra. O que acha deste posicionamento do Brasil? Essa postura pode ter alguma influência sobre o comércio exterior do país? É possível continuar com uma posição neutra em uma crescente tensão global?

Renata Amaral – A questão dos fertilizantes é um tema de importância concreta para o agronegócio brasileiro. E a crise em relação ao produto já havia começado no pré-guerra, quando o Brasil já buscava alternativas. Com a guerra, a crise recrudesceu, e todos os países importadores foram buscar alternativas para o abastecimento de fertilizantes, como o Canadá. Consequentemente, os preços subiram. De acordo com o setor, os fertilizantes estão chegando no Brasil, ainda que por rotas alternativas. O preço subiu e o efeito é sentido em toda cadeia de produção.

‘Entre Rússia, China e EUA, o ideal (economicamente) seria o Brasil manter relações amistosas para evitar disrupções ainda mais sérias nas cadeias de produção’

A verdade é que entre Rússia, China e EUA, o ideal (economicamente) seria o Brasil manter relações amistosas para evitar disrupções ainda mais sérias nas cadeias de produção. Politicamente e diplomaticamente, a não condenação da Rússia pelo Brasil isola o país ainda mais no cenário global. 

O conflito iniciado pela Rússia pôs em destaque a polarização crescente entre EUA e China, ambos parceiros comerciais extremamente relevantes para o Brasil. O ideal é manter relações com as duas potências, mas navegar nessas águas nos próximos anos de profundas mudanças geopolíticas no poder global exigirá habilidade e competência da diplomacia e da Presidência brasileiras.

Daniel Buarque – O Fórum Econômico Mundial ocorreu no mês passado com um clima tenso sobre os efeitos da guerra na Ucrânia e a continuação da pandemia, especialmente na China. Em meio ao Fórum de Davos, o chefe do Banco Mundial David Malpass alertou que a invasão da Ucrânia e a inflação de alimentos, energia e fertilizantes podem levar a uma recessão global. Como vê a situação atual da economia mundial? Há espaço para alguma forma de otimismo, ou vivemos tempos realmente problemáticos?

Renata Amaral – O Fórum deste ano teve realmente um tom e um desfecho mais negativo do que em anos anteriores. Já vínhamos de um cenário complicadíssimo na economia global em resposta à crise da Covid-19, e a guerra tem piorado o cenário a passos largos. A disparada nos preços dos combustíveis e dos alimentos tem levado a uma onda inflacionária no planeta inteiro, e a previsão é que as economias desacelerem ainda mais. O cenário é realmente problemático, e para além dos riscos econômicos há um problema humanitário (mais um) claro no horizonte: a fome. Insegurança alimentar é realmente um tema para o qual o mundo precisa olhar e se preparar. O momento não é bom, mas reforça a minha crença de que para problemas desta grandeza precisamos de cooperação internacional e soluções multilaterais. Nenhum país sairá sozinho desta crise global enorme.

Daniel Buarque – A situação de aumento da inflação e risco de recessão global gera riscos para economias emergentes, como o Brasil, que já vê inflação crescente. Como fica a situação do Brasil nesse contexto global?

Renata Amaral – O Brasil é um dos países que, de fato, têm ferramentas para transformar essa tristeza da atual crise global em oportunidade para se tornar uma superpotência energética, vender mais alimentos para o mundo e, de quebra, utilizar sua agricultura como parte da solução para a crise climática global. As ferramentas estão aí, o Brasil tem tudo para ter liderança na agenda de ESG global e ser um ator relevante para a crise econômica e humanitária que deve se estender pelos próximos meses/anos.

‘Brasil tem tudo para ter liderança na agenda de ESG global e ser um ator relevante para a crise econômica e humanitária’

Daniel Buarque – Apesar da pressão externa, sabemos que o Brasil também tem problemas internos que pressionam a economia. O que acha que deveria ser feito para tentar reduzir as vulnerabilidades da economia brasileira?

Renata Amaral – Apesar de trabalhar sempre com temas econômicos, não sou economista, então vou arriscar na resposta. Sempre tive o olhar para o cenário global e a partir desta perspectiva entendo que política e economia não devem andar separadas. Desde janeiro de 2019 moro em Washington, DC., e uma das questões claras para mim assistindo aos movimentos do Brasil a partir daqui é que a deterioração crescente da imagem do país no exterior é também um fator de vulnerabilidade para a nossa economia. O risco Brasil está alto, investidores sentem insegurança de investir num país com uma administração que demonstra desprezo pela democracia e que está isolado no cenário global. Esse talvez seria o lado externo do problema que é responsabilidade do governo. 

‘Deterioração crescente da imagem do país no exterior é um fator de vulnerabilidade para a nossa economia. O risco Brasil está alto, investidores sentem insegurança de investir no país’ 

Além disso, a pandemia e as restrições por ela causadas na atividade econômica no Brasil e no mundo resultaram em uma queda abrupta na demanda externa e interna, limitações de oferta, e incertezas para a estrutura de política macroeconômica, especialmente na área fiscal.  Desde o início, o atual governo montou uma equipe econômica muito competente, com servidores de carreira e indicações políticas para as lideranças. No entanto, todas as iniciativas positivas – por exemplo, o Brasil foi um dos primeiros países a zerar a alíquota do imposto de importação para produtos essenciais ao combate da Covid – são diluídas por declarações infelizes do alto escalão, que parece até hoje não ter conexão com a realidade do Brasil e com as necessidades da população. Talvez um olhar honesto para os problemas do país já seria um grande passo na direção de redução das vulnerabilidades da nossa economia.

Daniel Buarque – Uma das questões fundamentais no caso do Brasil é a influência de decisões políticas sobre a economia, com o furo do teto de gastos, por exemplo, e aumento do endividamento. Como vê a relação entre economia e política no Brasil atualmente?

Renata Amaral – Boas decisões econômicas que foram tomadas ao longo destes três anos e meio de governo foram suplantadas por declarações políticas infelizes e, em diversas oportunidades, por uma absoluta falta de habilidade na condução das relações entre Ministério da Economia com o Congresso Nacional. Economia e política não andam separadas, e em administrações bem sucedidas, o respeito ao bom funcionamento da engrenagem entre essas duas disciplinas é um dos pilares para o sucesso. 

‘Para o azar do Brasil, todas as grandes decisões econômicas daqui para outubro terão esta prioridade e estarão contaminadas pelos interesses eleitorais’

Atualmente, o foco da atual administração é a campanha para a reeleição do Presidente Bolsonaro, e política está acima de tudo. Para o azar do Brasil, todas as grandes decisões econômicas daqui para outubro terão esta prioridade e estarão contaminadas pelos interesses eleitorais. O Brasil fica em segundo plano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares