[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Notas de interesse de 20 de junho de 2022 – Eleições na Colômbia, imagem internacional do Brasil, risco democrático e mais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Uma seleção das principais notícias que interessam ao posicionamento internacional do Brasil na imprensa nacional e na mídia estrangeira

O presidente eleito da Colômbia, Gustavo Petro

Eleições na Colômbia – Lideranças mundiais parabenizaram neste domingo o ex-guerrilheiro Gustavo Petro por sua eleição para a Presidência da Colômbia. Os presidentes do Chile, Gabriel Boric, da Argentina, Alberto Fernández, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram rápidos em seus cumprimentos ao primeiro político esquerdista a chegar ao Palácio de Nariño. O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, não se pronunciou até o momento (O Globo).

Eleições na Colômbia 2 – Eleição de Petro fortalece frente de esquerda na América Latina. Expectativa a partir de agora será pela eleição presidencial brasileira, na qual o novo presidente da Colômbia apoia abertamente Luiz Inácio Lula da Silva (O Globo).

Eleições na Colômbia 3 – Mathias Alencastro: O desfecho eleitoral na Colômbia, terceira economia do continente, membro da OCDE e aliado da Otan, vai mudar o destino da América Latina. A eleição de Petro acelera a renovação programática da esquerda no continente, no esteio da vitória de Gabriel Boric no Chile. É com ele e Petro que o futuro governo brasileiro terá de reinventar a integração regional, criar uma estratégia de combate ao aquecimento global que reflita as prioridades do Sul e negociar em uníssono a cooperação industrial e energética com a China (Folha).

Eleições na Colômbia 4 – Maurício Moura: A vitória de Gustavo Petro na Colômbia é histórica por inúmeros aspectos. Será, por exemplo, o primeiro presidente eleito de esquerda e ainda terá a primeira mulher negra como vice-presidente. Nada trivial para o histórico do país. Todavia, a mensagem da opinião pública colombiana corrobora uma tendência consistente na América Latina moderna: está cada vez mais duro ser governo (Exame).

Eleições na Colômbia 5 – Oliver Stuenkel: Eleições, em princípio, representam o ápice de qualquer sistema democrático. Afinal, é justamente o poder do cidadão de definir quem governará seu país ao longo do próximo ciclo eleitoral que distingue regimes democráticos de sistemas autoritários, nos quais a elite política é escolhida e sustentada por grupos restritos. Entretanto, em vez de reafirmar o espírito democrático e promover um rico debate público sobre como lidar com os principais desafios da sociedade, eleições gerais na América Latina, ao longo dos últimos anos, têm representado, muitas vezes, a expressão do descontentamento público e uma polarização destrutiva (Estadão).

Imagem do país – Diplomatas de carreira afirmam que o assassinato do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira é o episódio com maior potencial de dano à imagem brasileira dos últimos anos. Mais do que envolver a morte de um cidadão estrangeiro em território brasileiro, coroa de forma trágica pontos do discurso do presidente Jair Bolsonaro (PL) cujos efeitos o Itamaraty se esforça para minimizar: ataque à imprensa, descaso com os indígenas e a entrega da Amazônia a interesses econômicos (Folha).

Crimes transnacionais – Ministros das áreas de segurança pública da América do Sul terão o primeiro encontro para debater o combate ao crime transnacional no continente, em Brasília, na próxima semana, nos dias 23 e 24 de junho. O objetivo é discutir o controle do crime organizado nas fronteiras e indicadores do Brasil (Folha).

Ameaças à democracia e o mundo – O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse neste sábado (18.jun.2022) que, se toma medida “drástica” contra o STF (Supremo Tribunal Federal) seria herói só “por 2 ou 3 dias”. Ele citou possíveis represálias internacionais e negou querer dar golpe. “Qualquer medida minha drástica, eu posso ser herói por 2 ou 3 dias. Como é que ficaria outros países no tocante a barreiras econômicas em relação ao Brasil? Três, 4 dias começaria a faltar coisa pelo Brasil, o Brasil num caos. É o que eles queriam.” (Poder360).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares