[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

O presidente da COP-28 está errado: a ciência mostra claramente que os combustíveis fósseis precisam acabar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Sultan Al Jaber disse que não há ‘nenhuma ciência’ que indique que a eliminação gradual dos combustíveis fósseis seja necessária para restringir o aquecimento global a 1,5°C. Ele está errado. Há uma grande quantidade de evidências científicas que demonstram que a eliminação gradual dos combustíveis fósseis será essencial para controlar as emissões de gases de efeito estufa que provocam as mudanças climáticas

Os países produtores de petróleo deveriam se mover em direção a uma eliminação gradual dos combustíveis fósseis, mas relatório da ONU estimou que, em termos de CO₂, a produção planejada em 2030 deverá ser 110% maior do que a trajetória de eliminação gradual necessária para atingir 1,5°C. John Hanson Pye/Shutterstock

Por Steve Pye*

De acordo com o presidente da COP28 – a última rodada de negociações climáticas da ONU nos Emirados Árabes Unidos – , não há “nenhuma ciência” que indique que a eliminação gradual dos combustíveis fósseis seja necessária para restringir o aquecimento global a 1,5°C.

O presidente Sultan Al Jaber está errado. Há uma grande quantidade de evidências científicas que demonstram que a eliminação gradual dos combustíveis fósseis será essencial para controlar as emissões de gases de efeito estufa que provocam as mudanças climáticas. Eu sei disso porque publiquei algumas delas.

Em 2021, pouco antes da cúpula climática da COP26 em Glasgow, meus colegas e eu publicamos um artigo na Nature intitulado Unextractable fossil fuels in a 1.5°C world (Combustíveis fósseis não extraíveis em um mundo de 1,5°C). Ele argumentava que 90% do carvão mundial e cerca de 60% de seu petróleo e gás precisavam permanecer no subsolo para que a humanidade tivesse alguma chance de cumprir as metas de temperatura do Acordo de Paris.

Crucialmente, nossa pesquisa também destacou que a produção de petróleo e gás precisava começar a diminuir imediatamente (a partir de 2020), em torno de 3% ao ano até 2050.

Essa avaliação foi baseada em um entendimento claro de que a produção e o uso de combustíveis fósseis, como a principal causa das emissões de CO₂ (90%), precisam ser reduzidos para impedir um aquecimento ainda maior. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) afirma que as emissões líquidas zero de CO₂ só serão alcançadas globalmente no início da década de 2050, e o aquecimento será estabilizado em 1,5°C, se uma mudança dos combustíveis fósseis para fontes de energia de baixo carbono começar imediatamente.

Mãos colocando painéis solares no lugar em um telhado.
A humanidade descobriu como capturar e usar a energia do Sol de forma barata. Tsetso Photo/Shutterstock

Se as emissões globais e a queima de combustíveis fósseis continuarem em suas taxas atuais, esse nível de aquecimento será ultrapassado até 2030.

Desde a publicação de nosso artigo na Nature, os cientistas modelaram centenas de cenários para explorar as opções do mundo para limitar o aquecimento a 1,5°C. Muitos deles constam do último relatório do IPCC. Veja a seguir o que eles nos dizem sobre a escala necessária para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis.

O uso de combustíveis fósseis deve cair rapidamente

Um artigo recente, liderado pelo cientista atmosférico Ploy Achakulwisut, analisou detalhadamente os cenários existentes para limitar o aquecimento a 1,5°C. Para caminhos consistentes com 1,5°C, o fornecimento de carvão, petróleo e gás deve diminuir em 95%, 62% e 42%, respectivamente, entre 2020 e 2050.

No entanto, muitos desses caminhos pressupõem taxas de captura e armazenamento de carbono e remoção de dióxido de carbono que provavelmente serão maiores do que as que poderiam ser alcançadas de forma viável. A filtragem desses cenários mostra que o gás, na verdade, precisa ser eliminado duas vezes mais rápido, diminuindo 84% em 2050 em relação aos níveis de 2020. O carvão e o petróleo também sofreriam reduções maiores: 99% e 70%, respectivamente.

De fato, o petróleo e o gás talvez precisem ser eliminados ainda mais rapidamente do que isso. Um estudo realizado pelo economista de energia Greg Muttitt mostrou que muitos dos caminhos usados no relatório mais recente do IPCC pressupõem que o carvão pode ser eliminado nos países em desenvolvimento mais rapidamente do que é realista, considerando a velocidade das transições de energia mais rápidas da história. Um cenário mais viável obrigaria os países desenvolvidos, em especial, a abandonar o petróleo e o gás mais rapidamente.

Uma transição justa e ordenada

A Agência Internacional de Energia (AIE) aumentou as evidências a favor da eliminação gradual dos combustíveis fósseis ao concluir que não há necessidade de licenciar e explorar novos campos de petróleo e gás, primeiro em um relatório de 2021 e novamente este ano.

Essa última análise da AIE também estima que os campos de petróleo e gás existentes precisariam reduzir sua produção em 2,5% ao ano, em média, até 2030, acelerando para 5% ao ano a partir de 2030 (e 7,5% para o gás entre 2030-40).

Uma análise separada dos cenários do IPCC para manter o aquecimento global em 1,5°C chegou à mesma conclusão. Como não há necessidade de desenvolver novos campos, a produção global de petróleo e gás deve estar caindo.

Essa mensagem foi reforçada pelo recente relatório da ONU sobre a lacuna de produção, que concluiu que os países produtores, incluindo os Emirados Árabes Unidos, precisam se mover em direção a uma rápida eliminação gradual dos combustíveis fósseis, e não expandir a produção. Em vez disso, o relatório estimou que, em termos de CO₂, a produção planejada de combustíveis fósseis em 2030 deverá ser 110% maior do que a trajetória de eliminação gradual necessária para atingir 1,5°C.

As evidências para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis são claras. O debate agora deve se voltar para a sua execução.

Uma transição justa e ordenada dos combustíveis fósseis deve reconhecer as diferentes capacidades dos países: os países em desenvolvimento são mais dependentes economicamente dos combustíveis fósseis e têm menos dinheiro para mudar para tecnologias mais limpas. Será necessário algum investimento em petróleo e gás para a infraestrutura existente. Isso manteria o nível mínimo de produção necessário para uma transição cuidadosamente gerenciada. No entanto, de modo geral, os combustíveis fósseis devem estar em rápido declínio.

Os países ricos precisam eliminar gradualmente os combustíveis fósseis agora e levantar fundos para ajudar os países em desenvolvimento a fazer a transição.


*Steve Pye é professor de sistemas energéticos na UCL


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares