[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU não têm impacto significativo, pesquisa alerta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Análise realizada por 62 pesquisadores avaliou mais de 3 mil estudos sobre os ODS e mostra que eles se infiltraram no discurso de políticos e empresários, mas quase nada mudou em suas ações, com registro de poucas novas políticas, instituições ou alocações orçamentárias destinadas a promover objetivos específicos

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU impressos em uma bandeira (Foto: ONU)

Por Frank Biermann*

Em setembro de 2015, líderes de 193 países se reuniram na Assembleia da ONU em Nova York para planejar nada menos que “transformar o nosso mundo”. Este foi o nascimento dos objetivos de desenvolvimento sustentável, que visavam “libertar a raça humana da tirania da pobreza e da necessidade e curar e proteger nosso planeta”.

Existem 17 objetivos de desenvolvimento sustentável, ou ODS, abrangendo 169 metas mais detalhadas e mais de 200 medidas de progresso. Não há quase nada que a ONU não procure melhorar com esses objetivos, desde reduzir a pobreza e a fome até garantir melhor saúde, educação, igualdade de gênero, saneamento, energia, crescimento econômico e infraestrutura, ao mesmo tempo reduzir a desigualdade social, assegurar o consumo sustentável, proteger o clima, oceano, biodiversidade e florestas, e promover a paz e a justiça.

Para dar apenas alguns exemplos das 169 metas sob esses objetivos abrangentes, os governos concordaram em reduzir pela metade, até 2030, a proporção de pessoas em situação de pobreza, acabar com a fome, garantir que todas as crianças concluam gratuitamente uma educação de qualidade, aumentar a renda dos 40% mais pobres da população de cada país a uma taxa acima da média nacional e aumentar significativamente o financiamento para conservar e usar de forma sustentável a biodiversidade e os ecossistemas. A lista continua.

‘Os objetivos de desenvolvimento sustentável são encontrados onde quer que burocratas da ONU e diplomatas internacionais se encontrem. Se você revirar uma pedra, poderá encontrar um ODS.’

Os objetivos de desenvolvimento sustentável são encontrados onde quer que burocratas da ONU e diplomatas internacionais se encontrem. Você verá as 17 bandeiras dos ODS nos jardins exuberantes da sede da ONU em Nova York. Cartazes listando os ODS estão pendurados em escritórios governamentais em todo o mundo. Dezenas de reuniões internacionais são realizadas para discuti-los a cada ano. A ONU chegou a anunciar uma década internacional de ação para atingir as metas. Na Holanda, onde moro, o governo nomeou um coordenador dos ODS que uma vez vi em um carro elétrico pintado com os símbolos dos ODS e um terno com os ODS impressos no forro interno. Em suma, se você revirar uma pedra, poderá encontrar um ODS.

E, no entanto, é justo perguntar: essas metas globais realmente mudam alguma coisa? Elas influenciam de forma tangível as ações de governos, líderes empresariais, prefeitos, burocratas da ONU e reitores de universidades? Nos últimos anos, uma comunidade crescente de cientistas sociais considerou essa questão. Com 61 colegas de todo o mundo, analisamos mais de 3 mil estudos acadêmicos que analisaram aspectos dos ODS. Nossas descobertas foram publicadas na revista Nature Sustainability, e uma avaliação mais detalhada será publicada em breve como um livro. Por acreditarmos ser importante compartilhar o que encontramos com todos, ambas as publicações serão gratuitas para baixar e ler.

Muita conversa, pouca ação

Infelizmente, nossas descobertas são desanimadoras. Os ODS se infiltraram nas coisas que as pessoas dizem, pensam e escrevem sobre os desafios globais de sustentabilidade. Os governos mencionam os ODS em seus relatórios nacionais para a ONU, e alguns criaram unidades de coordenação para implementá-los. As empresas multinacionais também gostam de se referir aos ODS – especialmente aqueles objetivos que são menos perturbadores para suas atividades comerciais, como o ODS 8, que pede aos governos que “sustentem o crescimento econômico per capita de acordo com as circunstâncias nacionais”. E, sem surpresa, as organizações da ONU apoiam formalmente os ODS.

‘Os ODS se infiltraram nas coisas que as pessoas dizem, pensam e escrevem sobre os desafios globais de sustentabilidade. Mas nada mudou onde importa’

Mas nada mudou onde importa. Encontramos poucas novas políticas, instituições ou alocações orçamentárias destinadas a promover objetivos específicos. Algum governo mudou suas leis para alcançar as muitas transformações previstas pelos ODS? Algum ministério desses governos criou novos programas para implementar os ODS? Se sim, há pouca evidência disso. O que encontramos em vez disso são mudanças no discurso. Os que estão no poder agora se referem aos ODS com frequência. No entanto, a forma como eles governam não mudou.

O que devemos fazer com isso? Os otimistas apontam para o cronograma dos ODS: os ODS só foram acordados em 2015 e devem ser alcançados até 2030. A análise que publicamos usa em grande parte pesquisas anteriores a 2021. Ou seja, temos mais oito anos pela frente. O fato de governos e empresas falarem de forma diferente sobre sustentabilidade e se referirem aos ODS com mais frequência hoje pode ser visto como um sinal de esperança de que essa conversa seja seguida de ação.

E, no entanto, a mera conversa pode sair pela culatra ao conferir legitimidade ao comportamento insustentável, permitindo que os líderes de empresas acenem bandeiras coloridas dos ODS enquanto valorizam os lucros acima de tudo. Apenas falar sobre ODS pode desmobilizar a sociedade civil criando uma falsa impressão de ação. Mesmo como prometido, as transformações permanecem elusivas. A conversa fiada funciona como uma cortina de fumaça, escondendo a realidade de atraso e estagnação.

‘Apenas falar sobre ODS pode desmobilizar a sociedade civil criando uma falsa impressão de ação’

Não quero menosprezar a importância de ter os ODS. Nosso estudo fornece apenas um instantâneo do estado atual de sua implementação. Os ODS refletem algumas maravilhosamente nobres ambições globais, principalmente focando nas desigualdades globais (ODS 10), melhorias necessárias para instituições nacionais e globais (ODS 16) e a redução de padrões de consumo prejudiciais em países ricos (ODS 12).

Mas temos que fazer com que os objetivos realmente funcionem. A sociedade civil e os movimentos sociais precisam estourar a bolha da conversa sobre os ODS. Líderes governamentais e chefes da indústria não devem se esconder atrás de bandeiras dos ODS em seus escritórios, botões ODS em suas lapelas e logotipos ODS em seus panfletos brilhantes. Os ODS não podem continuar sendo uma grande inspiração. Devemos converter sua promessa em ação.


*Frank Biermann é professor de governança de sustentabilidade global na Utrecht University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Uma resposta

  1. O pior é que é verdade. ODSs precisam deixar de ser instrumento de vitrine para algo com o real interesse entre os stakeholders. Eis o desafio! Bem apontado! Parabéns a ti e aos seus colegas pela pesquisa publicada na Nature Sustainability! Fundamental!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares