[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Relações com a Venezuela, pedido de fertilizantes, falta de chips e mais notas de interesse de 19 de abril de 2022

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Uma seleção das principais notícias que interessam ao posicionamento internacional do Brasil na imprensa nacional e na mídia estrangeira

Fronteira entre Brasil e Venezuela (Foto: Paolo Costa Baldi)

Venezuela e eleições – A relação com a Venezuela se tornou uma questão chave para as eleições presidenciais. Trata-se de um ponto que incômoda tanto Bolsonaro quanto o ex-presidente Lula. As pressões internas para que o Brasil inicie um processo de recomposição com o país vizinho vêm se intensificando, criando uma saia justa para o Palácio do Planalto. Já Lula tem sido cobrado por ser leniente com regimes autoritários de esquerda, sem condenar violações a direitos humanos em países ideologicamente próximos (O Globo).

Fertilizantes – O presidente Jair Bolsonaro (PL) pediu à diretora-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), Ngozi Okonjo-Iweala, que lidere uma iniciativa para que o Brasil continue a importar fertilizantes de países que estão sob sanções em decorrência da guerra na Ucrânia (Folha).

Suprimentos – Por falta de chips, problema que se arrasta globalmente desde o fim de 2020, a Volkswagen suspendeu toda a produção da fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), onde são produzidos os modelos Polo, Virtus, Nivus e Saveiro (Estadão).

Menos crescimento – O Banco Mundial reduziu a previsão de crescimento econômico global de 4,1% para 3,2% em 2022. O principal motivo para a queda é a guerra entre Rússia e Ucrânia no leste europeu (Poder360).

Orçamento – A captura do dinheiro público por emendas parlamentares no Brasil não encontra paralelo na comparação com outros países. Deputados e senadores brasileiros interferem até 20 vezes mais no Orçamento do que congressistas de nações integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo do qual o País quer fazer parte (Estadão).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares