[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Uma breve história dos combatentes movidos a drogas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A relação entre combatentes e drogas psicoativas é antiga e parece que vai continuar

Por Colin Davidson*

Meu amigo Luke costumava beber um litro de cerveja antes de uma partida de rúgbi. Não sei se ele achava que isso poderia reduzir a dor ou melhorar o desempenho, mas a ideia de tomar drogas antes de “ir para a batalha” remonta ao início dos tempos.

De fato, encontramos menções frequentes ao consumo de hidromel pelos guerreiros de Edimburgo no poema épico do século VII, The Goddodin. Esses guerreiros se banquetearam e beberam hidromel durante um ano antes de cavalgarem para a morte certa em uma batalha irremediavelmente unilateral em Yorkshire.

Esses guerreiros antigos provavelmente usavam álcool para reduzir a ansiedade e atenuar os horrores que enfrentariam no campo de batalha.

Outras culturas antigas recorriam a substâncias psicoativas antes da batalha. Os berserkers eram um grupo de guerreiros vikings famosos por irem para a batalha em um estado frenético, quase lutando contra amigos e inimigos indiscriminadamente. Acredita-se que eles usavam cogumelos alucinógenos para atingir esse estado. Provavelmente o Amanita muscaria de capa vermelha ou possivelmente uma planta chamada Hyoscyamus niger – um membro da família das beladonas. Embora, sem dúvida, também houvesse um elemento religioso ou espiritual em seu estado mental.

Uma peça de xadrez representando um berserker mordendo seu escudo.
Uma peça de xadrez representando um berserker mordendo seu escudo. National Museums Scotland/Wikimedia Commons, CC BY-SA

Talvez o próximo grande avanço em psicoativos para guerreiros tenha sido feito pelos alemães na Segunda Guerra Mundial. A Pervitin (metanfetamina) foi dada quase que livremente a todos os braços da máquina de guerra alemã.

Os nazistas da linha de frente os chamavam de Panzerschokolade (chocolate para tanques), devido à sensação de incrível força e invencibilidade que as pílulas lhes proporcionavam. O médico de Hitler lhe dava injeções diárias de Eukodol, um estimulante que causava euforia e, claramente, um péssimo julgamento.

Da mesma forma, o exército dos EUA na guerra do Vietnã (ou a “primeira guerra farmacológica”) tomou quantidades sem precedentes da anfetamina Dexedrine (pep pills). Havia instruções do exército para tomar 20 mg por 48 horas de prontidão para o combate, mas os veteranos relatam que tomavam a droga “como se fosse um doce”.

Avançando 60 anos, encontramos os combatentes no Oriente Médio continuando a usar anfetaminas, desta vez principalmente um estimulante chamado Captagon, cuja fabricação é responsável pela maior parte das divisas externas da Síria.

Efeitos comportamentais

Os tipos de drogas consumidas pelos guerreiros podem ser agrupados em três grandes categorias: depressoras, alucinógenas e estimulantes.

O álcool é um depressor que acalma os nervos ao reduzir a atividade cerebral. Os cogumelos psicodélicos, como o Amanita muscaria, contêm uma variedade de substâncias psicoativas. O Hyoscyamus niger também tem uma variedade de compostos ativos que causam alucinações e, principalmente, comportamento agressivo e combativo.

Amanita muscaria or
Acredita-se que os berserkers tenham comido cogumelos Amanita muscaria. ON-Photography Germany/Shutterstock

Seria importante que os combatentes tomassem a dose correta dessas drogas, apenas o suficiente para aliviar a tensão. O excesso pode deixar a pessoa estupefata. A palavra “groggy”, que significa atordoado e instável, veio dos marinheiros da marinha britânica que exibiam esse comportamento após sua ração diária de rum e água (grog). A intoxicação na marinha britânica dos séculos 18 e 19 era comum.

Metanfetamina, Pervitin, Dexedrine e Captagon são todos estimulantes psicomotores, ou seja, aumentam o estado de alerta e causam hiperatividade. Novamente, a dose certa de alguns desses medicamentos seria fundamental. Embora seja difícil tomar muita nicotina e cafeína, estimulantes leves que os soldados costumam tomar, seria muito fácil ter uma overdose de outros estimulantes.

A ingestão da dose correta de anfetaminas aumentaria a agressividade e a resistência, mas altas doses de anfetaminas poderiam levar à paranoia e a alucinações, o que dificilmente seria benéfico em uma batalha.

Por fim, os estimulantes, se tomados em doses muito altas, podem causar parada cardíaca ou derrame. Os estimulantes, especialmente a metanfetamina, também podem levar a uma perda de peso significativa, mesmo depois de apenas alguns dias de uso. O uso prolongado, como vimos com os nazistas, provavelmente levaria a soldados emaciados.

Drogas inteligentes

Já vimos que os soldados tomam drogas antes das batalhas para acalmar os nervos, lidar com os horrores, reduzir a dor, tolerar a falta de comida e de sono e melhorar o estado de alerta. O que os soldados do futuro tomarão? Provavelmente não álcool ou cogumelos, mas sim aprimoradores cognitivos – conhecidos como “drogas inteligentes” ou “nootrópicos”.

O uso de aprimoradores cognitivos por estudantes é bem conhecido e pode incluir estimulantes de baixa dosagem e nootrópicos.

Os estimulantes incluem drogas como misturas de sais de anfetamina, metilfenidato e modafinil, enquanto os nootrópicos incluem piracetam, cafeína, cobalamina (vitamina B12), guaraná, piridoxina (vitamina B6) e vinpocetina. Os efeitos farmacológicos dos nootrópicos são amplamente desconhecidos.

Acredita-se que a integração de humanos, tecnologia e máquinas seja o futuro da guerra e que as drogas que facilitam isso estejam, sem dúvida, sendo pesquisadas pelos militares.

Transtorno de estresse pós-traumático

Até agora, discutimos as drogas consumidas antes ou durante o combate, mas e depois?

Há um longo histórico de soldados que consomem álcool e outras drogas para lidar com os horrores do que viram ou com a decepção da vida depois de deixar o exército. Pense em Tom Cruise em “Nascido em 4 de julho”.

Mas está surgindo um novo grupo de ex-militares usuários de drogas. Esses veteranos estão tomando MDMA e psilocibina por ordem médica como parte do tratamento para TEPT.

Acredita-se que essas drogas ajudem os veteranos a se abrir sobre suas experiências e a formar uma aliança terapêutica mais forte com o médico, o que é fundamental para que a psicoterapia funcione.

A cetamina é útil para o tratamento da depressão e o LSD também está sendo testado para vários distúrbios psiquiátricos.

A relação entre combatentes e drogas psicoativas é antiga e parece que vai continuar.


*Colin Davidson é professor de neurofarmacologia na University of Central Lancashire


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares