[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

Populismo em Marcha?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Anthony W. Pereira é diretor do Centro Kimberly Green para a América Latina e Caribe da Universidade Internacional da Flórida. É editor do livro Right-Wing Populism Within and Beyond Latin America e foi diretor-fundador do Instituto Brasil no King’s College London de 2010 a 2020

A era atual tem sido chamada de era do populismo. Muitos desses movimentos, partidos, líderes e governos populistas – embora não todos – corroem a democracia. Debates sobre as causas e consequências do populismo, bem como sobre quais são as alternativas mais razoáveis a ele, são abundantes na literatura popular e acadêmica, e também são altamente carregados. Este artigo examina o tema, com foco especial em uma forma relativamente nova de populismo transnacionalista de direita, que teve um grande impacto no Brasil.

■ Populismos Antigos e Novos

É importante ver o populismo numa perspectiva histórica e global. Uma abordagem do populismo é defini-lo como uma forma de política de massas caracterizada por desempenhos políticos transgressivos que se opõem às “elites” em nome de um “povo autêntico” e dependem, pelo menos em parte, da comunicação não mediada entre um líder e seguidores. Por muito comuns que sejam estas características, muitas outras formas de política de massas, tais como movimentos e partidos baseados na classe e tecnocráticos, bem como uma variedade de partidos liberais, não são populistas. Dada a amplitude desta definição, o conteúdo ideológico e o impacto político do populismo podem variar muito.

O populismo de meados do século 20, o chamado populismo “clássico”, foi em grande parte uma invenção latino-americana, embora movimentos semelhantes pudessem ser encontrados no Oriente Médio, África Subsaariana e Ásia. Ao contrário de seus antecessores nos Estados Unidos e na Rússia, era urbano e uma resposta, pelo menos em parte, às demandas das crescentes classes média e trabalhadora. Os governos do presidente Juan Domingo Perón (1946-55; 1973-74), na Argentina, do presidente Getúlio Vargas (1951-54), no Brasil, e do presidente José María Velasco Ibarra (1944-47; 1952-56), no Equador, foram tentativas de apresentar um modelo alternativo à revolução bolchevique de 1917 e ao comunismo soviético, bem como ao liberalismo, socialismo e fascismo. Esses governos foram inclusivos na medida em que concederam direitos aos trabalhadores recém-urbanizados e aos profissionais de classe média. Eles incorporaram sindicatos e basearam-se em uma franquia expandida após períodos em que os sindicatos foram marginalizados e reprimidos e o voto foi estritamente limitado e controlado.

Estes governos combinaram elementos de ideologia tanto de esquerda como de direita. Condenaram “elites”, como inimigos do povo, e promoveram a reverência por um líder forte que supostamente encarnou e falou em nome da nação. No Brasil, por exemplo, Vargas foi retratado nas eleições de 1950 como o “pai dos pobres”, porque o seu governo anterior tinha promulgado a consolidação das leis do trabalho, em 1943, garantindo direitos aos trabalhadores. Finchelstein descreve estes governos de meados do século XX como “antiliberais (contra os modelos existentes de democracia constitucional)”, mas não “ditatoriais e racistas”. E acrescenta: “Por mais autoritários que os primeiros populistas fossem – no sentido de que se não estivesse com eles era considerado um inimigo do povo (do antipopular, não do povo) –, a sua definição de povo estava enraizada na noção que demos. Se quisesse apoiar o regime, podia rapidamente passar do antipovo para o povo… [O antipovo] sob o populismo são inimigos do povo que carecem de legitimidade, mas ainda lhes é permitido existir e perder eleições. Não são totalmente perseguidos ou proibidos, mesmo que sejam meramente tolerados”.

Uma segunda onda de populismo começou na América Latina nos anos 90, representada por presidentes como Carlos Menem (1989-1999), na Argentina, Alberto Fujimori (1990-2000), no Peru, Fernando Collor de Mello (1990-1992), no Brasil, e Abdala Bucaram (1996-97), no Equador. Ao contrário dos seus homólogos populistas clássicos, estes líderes não eram inclusivos, mas, sim, implementaram políticas neoliberais que expandiram o alcance dos mercados e enfraqueceram os sindicatos. Embora alguns analistas não os reconheçam como populistas, devido às suas diferenças com os seus antecessores clássicos, o seu uso de comunicação não mediada com os seus apoiadores e a sua (pelo menos retórica) oposição às “elites” e à autorrepresentação como outsiders qualificam-nos como populistas dentro da definição aqui oferecida.

Uma terceira onda de populismo tem vindo a ocorrer globalmente nas últimas décadas e foi acelerada pelo colapso financeiro de 2008-2009 e pela crescente ou persistente desigualdade de rendimentos em muitos países. Esta onda consiste em populismos que têm elementos ideológicos tanto de esquerda como de direita, ou mesmo uma misturas dos dois. (O seu conteúdo ideológico preciso pode ser menos importante do que o fato de serem populistas).

Embora seja difícil generalizar sobre estes movimentos políticos, uma vez que têm características nacionais distintas, a maioria deles partilha pelo menos cinco semelhanças importantes. Primeiro, eles têm uma abordagem gnóstica do conhecimento. Rejeitam as interpretações convencionais da política, seja da mídia tradicional ou de especialistas acadêmicos, e insistem nas suas próprias fontes de informação e interpretações dos acontecimentos. Estas fontes e interpretações são partilhadas nos meios de comunicação social em “bolhas” de informação distintas. A segunda característica é que apenas a parte autêntica da população conta como “o povo”. As elites são antipopulares e antinacionais e devem ser rejeitadas, pelo menos retoricamente. Terceiro, “o povo” não é uma agregação pluralista e heterogênea para ser representada de uma forma complexa: é uma unidade. Quarto, sendo uma unidade, “o povo” é encarnado por um líder forte e carismático que é ao mesmo tempo excepcionalmente dotado e vítima do estabelecimento e é geralmente um homem (com exceções como Giorgia Meloni, primeira-ministra de Itália e Marine Le Pen, antiga presidente do partido National Rally em França). Finalmente, a política é vista como uma guerra existencial entre amigos contra inimigos, em vez de uma competição pública em que os rivais tentam persuadir-se mutuamente da justeza das suas posições.  

■ Populismo de esquerda

Populismos de esquerda e de direita concordam que há algo de fundamentalmente errado com a ordem global e ambos têm uma antipatia para com as elites metropolitanas transnacionais altamente instruídas. Mas não estão de acordo quanto às soluções. Para os populistas de esquerda, o capitalismo deve ser refreado pelo Estado em defesa dos pobres; a globalização capitalista aumentou a desigualdade de rendimentos para níveis inaceitáveis e esvaziou os meios de subsistência e a segurança dos trabalhadores comuns. O populismo de esquerda está em grande parte a “dar murros para cima”, atacando tanto as elites socioeconômicas como as políticas. 

Embora alguns elementos identitários da ideologia de esquerda (tais como a chamada agenda “acordada” ou woke em inglês) sejam novos, a maioria das suas soluções – tais como o aumento dos impostos sobre a riqueza e o rendimento, a fim de melhorar a rede de segurança social e o fornecimento de bens públicos – são familiares. O perigo para a democracia do populismo de esquerda é quando os seus líderes ultrapassam os limites da socialdemocracia e criam um regime autoritário (como os da Venezuela e Nicarágua), ou parecem ameaçar tal desenvolvimento (como o do presidente Andrés Manuel López Obrador, no México).

O populismo contemporâneo de direita é mais recente do que o seu homólogo de esquerda. É, pelo menos em parte, uma reação à globalização pós-Guerra Fria que atingiu o seu auge nos anos 90 e 2000. É, principalmente, um “murro descendente”, atacando os forasteiros culturais ou étnicos, bem como as elites do establishment.  Ao contrário do conservadorismo tradicional, defende um ataque radical às principais instituições, que se diz estarem imbuídas de um ethos coletivista de “marxismo cultural”. Recorrendo a pensadores tradicionalistas como Olavo de Carvalho e Steve Bannon, algumas vertentes do populismo de direita condenam a ciência e todo o projeto do Iluminismo, remontando a uma era pré-moderna de uma sociedade rigidamente hierárquica, rejeitando a ideia de progresso e colocando os valores espirituais e culturais acima dos valores materiais.  

Elementos desta ideologia podem ser encontrados na “democracia iliberal”, de Viktor Orbán, na Hungria (2010-2023); na administração da Lei e da Justiça de Mateusz Morawiecki, na Polônia (2017-2023); no período de poder de Recep Tayyir Erdogan (2003-atual), na Turquia; no governo nacionalista hindu de Narendra Modi, na Índia (2014-2023); e na administração de Donald J. Trump (2017-2021), nos Estados Unidos. Mais perto de casa, estão ou estiveram presentes na administração de Jair Bolsonaro no Brasil (2019-2022), bem como os governos de Nayib Bukele (2019-2023), em El Salvador, e Rodrigo Chaves (2022-2023), na Costa Rica, bem como nas candidaturas presidenciais de Jose Antonio Kast, no Chile em 2021, e Rodolfo Hernandez, na Colômbia em 2022.

■ Para onde vai o populismo de direita?

Um consenso sobre as causas do populismo ainda não foi forjado, e muitas explicações diferentes coexistem. Uma perspectiva enfatiza as consequências perturbadoras da globalização, incluindo o aumento das desigualdades na riqueza e no rendimento e a perda de segurança econômica por parte de grandes camadas da população. Outra abordagem enfatiza a mudança cultural e as identidades inseguras, levando ao apelo de identidades nacionalistas, religiosas, étnicas e outras formas tradicionais de “nós” contra “eles”.  Explicações mais específicas para encaixar as provas de experiências nacionais particulares empregam variações sobre os temas acima ou argumentos completamente diferentes, refletindo a complexidade do fenômeno.

Ao contrário do populismo clássico, o populismo contemporâneo de direita é frequentemente autoritário e excludente, às vezes racista, xenófobo, misógino e homofóbico. Por vezes, vê os rivais como inimigos que devem ser expulsos do país ou, pelo menos, intimidados para o silêncio. Também rejeita políticas públicas baseadas em provas, bem como muitas das convenções da democracia liberal, incluindo a separação de poderes. Isto pode ser visto na resposta desastrosa à epidemia de Covid-19 pela administração de Jair Bolsonaro no Brasil, no desmantelamento pela mesma administração da política anterior em áreas como o meio ambiente, educação, política externa e segurança pública, bem como na recusa de Bolsonaro em aceitar o resultado das eleições de 2022.

Um exemplo do poder transnacional do populismo de direita pode ser visto em movimentos simultâneos contra a chamada “ideologia do gênero” no Brasil e nos Estados Unidos. No Brasil, legisladores de vários níveis de governo introduziram mais de 200 leis, desde 2014, que proíbem a “ideologia do gênero” ou “doutrinação” nas escolas públicas. Pelo menos 21 leis (uma no nível estatal, 20 no nível municipal) que proíbem a educação sexual e de gênero no Brasil estão em vigor. Legislação semelhante foi aprovada nos Estados Unidos a liderar o caminho. Na Flórida, o projeto de lei 999, atualmente em análise na assembleia legislativa, propõe a eliminação, entre outras coisas, de cursos sobre gênero nas universidades estaduais e o ensino da “teoria crítica da raça” (não definida no projeto). Estas iniciativas refletem o poder do autoritarismo de direita para invocar a “liberdade” como justificativa para proibir a livre investigação na educação e para descaracterizar a igualdade de gênero e de raça como uma ideologia que subverte a ordem moral da sociedade.

■ Conclusão

Num clima global de crescente polarização geopolítica e insegurança econômica, o populismo de direita – com a sua ênfase nas identidades raciais, étnicas, religiosas, nacionais e de gênero tradicionais – continuará a ter apelo em muitos países. Por se basear numa leitura errada da política mundial (a “civilização ocidental” não está ameaçada pelo “marxismo cultural”), continuará a fomentar conflitos divisionistas que não abordam os problemas reais com que se confrontam as sociedades contemporâneas.

As alternativas a tais abordagens radicais e destrutivas da política são várias mas não facilmente alcançáveis. O economista francês Thomas Piketty escreve sobre a necessidade de transformar o sistema econômico de modo a torná-lo “menos desigual, mais equitativo e mais sustentável”.  Os teóricos políticos norte-americanos Andrew Arato e Jean Cohen defendem “uma nova versão do estado de bem-estar que pode ser criada em nível nacional e internacional”. O cientista político norte-americano Francis Fukuyama quer a promoção de “identidades nacionais credíveis construídas em torno das ideias fundamentais da democracia liberal moderna” com o uso de “políticas públicas para assimilar deliberadamente os recém-chegados a essas identidades”.

A administração Lula no Brasil está lutando para cumprir tanto os elementos econômicos como identitários destas prescrições. No seu discurso após ser declarado presidente eleito em 30 de outubro de 2022, Lula defendeu mais inclusão social e oportunidades para todos, menos desigualdade e a erradicação da fome e da pobreza extrema. As políticas sociais, fiscais e habitacionais da sua administração irão tentar reduzir tanto a pobreza como a desigualdade, embora num ambiente muito menos favorável do que o que prevaleceu nos dois primeiros mandatos da presidência dele entre 2003 a 2010. Em termos de identidade, Lula defendeu o respeito pelas diferenças, a melhoria das divisões e a “normalidade democrática”.

Jair Bolsonaro não quer que o governo de Lula tenha sucesso em nenhum destes esforços. Como indicou no seu discurso na Conferência de Ação Política Conservadora (CAPAC) em National Harbor, Maryland, nos EUA. Em 4 de março de 2023, a sua missão “ainda não terminou” e parece sentir que, se Donald Trump (ou alguém como ele) conseguir retomar a Casa Branca em 2024, as suas hipóteses de reconquistar a presidência no Brasil também serão boas. O conflito sobre o destino do populismo de direita no Brasil – e no mundo – não vai acabar logo. 


1 David Collier and Ruth Berins Collier, Shaping the Political Arena (Princeton: Princeton University Press), p. 22.

2. Frederico Finchelstein, From Fascism to Populism in History (Oakland: University of California Press), p. xv.

3. Frederico Finchelstein, From Fascism to Populism in History (Oakland: University of California Press), pp. xvi-xvii.

4. Os gnósticos eram grupos heréticos nos primeiros anos de cristianismo que rejeitavam os ensinamentos ortodoxos e a sabedoria convencional e acreditavam na busca do conhecimento espiritual pessoal (gnose). Da Encyclopedia Britannica, “Gnosticism summary” at: https://www.britannica.com/summary/gnosticism#:~:text=In%20general%2C%20Gnostics%20taught%20cosmological,the%20divine%20spark%20in%20humans acessado no dia 5 de março de 2023.

5. As últimas quatro características da lógica populista são listados por Andrew Arato e Jean Cohen, “Civil society, populism and religion” in Carlos de la Torre, ed. Routledge Handbook of Global Populism (London: Routledge, 2019), pp. 98-112; a referência pode ser encontrado na página 103. 

6. Francisco Panizza e Yannis Stavrakakis, “The Political Construction of `The People’ in Pierre Ostiguy, Francisco Panizza, and Benjamin Mofffitt, eds. Populism in Global Perspective (New York: Routledge, 2021), pp. 21-46; a referência pode ser encontrada na página 28.

7. Francisco Panizza e Yannis Stavrakakis, “The Political Construction of `The People’” in Pierre Ostiguy, Francisco Panizza, and Benjamin Mofffitt, eds. Populism in Global Perspective (New York: Routledge, 2021), pp. 21-46; a referência pode ser encontrado na página 28.

8. Benjamin R. Teitelbaum, War for Eternity: The Return of Traditionalism and the Rise of the Populist Right (London: Allen Lane, 2020) pp. 8-14.

9. Para um exemplo da explicação econômica, veja Barry Eichengreen, The Populist Temptation (Oxford: Oxford University Press, 2018). Para um exemplo da explicação cultural, veja Pippa Norris e Ronald Inglehart, Cultural Backlash (Cambridge: Cambridge University Press, 2019).

10. Human Rights Watch, “Brazil: Attacks on Gender and Sexuality Education”, 12 May 2022: https://www.hrw.org/sites/default/files/media_2022/05/brazil_lgbt0522_web.pdf acessado no dia 5 de março de 2023.

11. Josh Moody, “De Santis Higher Ed Bill Heads for the Legislature” no History News Network, 27 February 2023, at: https://historynewsnetwork.org/article/185110 acessado no dia 5 de março de 2023.

12. Thomas Piketty, Capital and Ideology (Cambridge: Harvard University Press, 2020), p. 2.

13. Andrew Arato e Jean Cohen, “Civil society, populism and religion” in Carlos de la Torre, ed. Routledge Handbook of Global Populism (London: Routledge, 2019), pp. 98-112; a referência pode ser encontrada na página 110.

14. Frances Fukuyama, Identity (London: Profile Books, 2019), p. 166.

15. “Leia e veja a íntegra dos discursos de Lula após vitória nas eleições” na G1: https://g1.globo.com/politica/eleicoes/2022/noticia/2022/10/31/leia-e-veja-a-integra-dos-discursos-de-lula-apos-vitoria-nas-eleicoes.ghtml  acessado no dia 6 de Março de 2023.

16. Mariana Sanches, “Missão na Presidência ainda não acabou, diz Bolsonaro em evento conservador nos EUA” no BBC Brasil, 5 de março de 2023: https://www.bbc.com/portuguese/articles/cprv0l45gn7o acessado no dia 6 de março de 2023.

Artigos Relacionados

RELACIONADOS

O sociólogo Demétrio Magnoli lembra em seu artigo que o triunfo eleitoral de Donald Trump ativou alarmes globais ao sinalizar que “as democracias ocidentais enfrentavam o desafio da ascensão do populismo de direita”. A vitória de Jair Bolsonaro significou a inserção do Brasil nessa tendência. Embora o bolsonarismo articule-se politicamente com correntes internacionais da extrema-direita, suas raízes ideológicas não são similares às correntes internacionais: “O bolsonarismo não é mera expressão nacional das ideias que movem o populismo de direita nos EUA ou na Europa”, pondera.
Já o cientista político Bolívar Lamounier analisa em seu texto o papel do partido político na democracia representativa, o qual deveria ser dinâmico, balizador das ações públicas e elo entre o Estado e a Sociedade. “Dá-se que não temos partidos políticos ou, se preferem, ter 20 ou 30 e não ter nenhum dá mais ou menos na mesma coisa”, escreve. Para ele, se o conceito fosse levado sério, o partido seria capaz de atuar no processo legislativo com personalidade ideológica flexível, mas definida o suficiente para que diferentes parcelas da sociedade pudessem se orientar conforme seus desejos e valores. E mais, seria ainda capaz de impedir o retalhamento do Estado por “corpúsculos corporativistas”.
O processo de impeachment de Dilma Rousseff deixou marcas profundas para o filósofo Fernando L. Schüler. O fato de o PT ser bem estruturado tornou previsível a reação que veio: “Acertou a revista The Economist, que à época prognosticou que o processo de impeachment iria “envenenar” a política brasileira por muito tempo”, aponta. A partir da vitória de Bolsonaro, começou um estranho jogo. De um lado, a recusa permanente da legitimidade de quem venceu, tido como o “fascista”, o “inominável”, o “gado”. De outro, a tensão, o duplo sentido com o “nosso exército”, a “fraude nas urnas eletrônicas”, o “Artigo 142”. Tudo como avant premier do 08 de janeiro, acontecimento que manchou a direita e a democracia.
O economista Edmar Bacha e o cientista político Simon Schwartzman avaliam a militarização do governo estimulada por Jair Bolsonaro. Esse fato, mais a tentativa de envolver as forças armadas em um golpe militar e a passividade, senão conivência, de muitos de seus setores com estes movimentos, trouxeram para a ordem do dia a necessidade de se discutir o papel das forças armadas na sociedade brasileira: “Não se trata somente da questão mais imediata da ameaça que houve à democracia, mas dos temas mais amplos, de médio e longo prazos, do relacionamento entre o setor militar e a sociedade civil e do papel das forças armadas brasileiras no mundo atual para um país como o Brasil”.
O general Otávio do Rêgo Barros cita em seu artigo o pensador italiano Norberto Bobbio em suas ponderações sobre o futuro da democracia. Depreende dali que “somente o respeito ao ser difuso conhecido como democracia fará a sociedade avançar na autoproteção e consequente sobrevivência da tribo da qual cada indivíduo livre é parte”. Para ele, a estrutura política e social do Brasil foi abalada por um presumido enfrentamento dos estamentos militar e civil, cuja causa tangencia a origem militar do ex-presidente. Mas, acrescenta que, com o novo governo, “abre-se a possibilidade de retorno das águas ao curso normal do rio nas relações entre civis e militares”.
Ao mesmo tempo em que vê o presidente Lula diante do desafio de recolocar o Brasil no cenário internacional, após quatro anos de isolamento e de perda de liderança em temas essenciais para a agenda interna – de mudanças climáticas à saúde global, passando por direitos humanos –, o cientista político Guilherme Casarões, considera potenciais obstáculos: “Penso que a revitalização da nossa política externa pode ser um dos pontos de partida para que o novo governo cumpra sua promessa de reconciliação nacional. Afinal, não faltam exemplos mostrando que é possível que um presidente construa legitimidade política de fora para dentro – usando a diplomacia, em suas múltiplas manifestações, para viabilizar a consecução de seu programa governamental.”
As urnas eletrônicas foram objeto de grande controvérsia, antes das eleições de outubro de 2022, a partir de contestação pelo presidente Jair Bolsonaro. O diplomata Rubens Barbosa faz aqui um registro de seu envolvimento pessoal a chamado do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, em uma crise que, pela sua sensibilidade, não foi conhecida à época. Havia a possibilidade da falta de urnas em função da falta de semicondutores para a produção dos equipamentos nos prazos requeridos. A ação do TSE foi decisiva para que o problema fosse contornado. Barbosa fez gestões junto aos fornecedores, contribuindo para que a crise fosse superada e evitado potencial problema político diante do risco da não realização das eleições na data prevista.

newslatter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

últimas edições

Estamos nas Redes