20 julho 2022

A população da China está prestes a encolher pela primeira vez desde que a grande fome atingiu 60 anos atrás. O que isso significa para o mundo?

Após atingir seu pico populacional, o número de chineses deve começar a se reduzir e pode chegar a 587 milhões em 2100, menos da metade do que é hoje. Apesar da previsão que este será o ‘século chinês’, essas projeções populacionais sugerem que a influência pode se deslocar para outros países

Após atingir seu pico populacional, o número de chineses deve começar a se reduzir e pode chegar a 587 milhões em 2100, menos da metade do que é hoje. Apesar da previsão que este será o ‘século chinês’, essas projeções populacionais sugerem que a influência pode se deslocar para outros países

Multidão em área turística de Pequim, na China (Shreyans Bhansali/CC)

Por Xiujian Peng*

A maior nação do mundo está prestes a encolher.

A China representa mais de um sexto da população mundial.

No entanto, após quatro décadas extraordinárias em que a população da China aumentou de 660 milhões para 1,4 bilhão, sua população está prestes a diminuir neste ano, pela primeira vez desde a grande fome de 1959-1961.

De acordo com os números mais recentes do Departamento Nacional de Estatísticas da China, a população do país cresceu de 1,41212 bilhão para apenas 1,41260 bilhão em 2021 –um baixo aumento recorde de apenas 480 mil, uma mera fração do crescimento anual de oito milhões ou mais comum há uma década.

Embora a relutância em ter filhos diante das rígidas medidas anti-Covid-19 possa ter contribuído para a desaceleração dos nascimentos, ela vem ocorrendo há anos.

A taxa de fecundidade total da China (nascimentos por mulher) era de 2,6 no final da década de 1980 –bem acima dos 2,1 necessários para substituir as mortes. Está entre 1,6 e 1,7 desde 1994 e caiu para 1,3 em 2020 e apenas 1,15 em 2021.

A título de comparação, na Austrália e nos Estados Unidos a taxa de fecundidade total é de 1,6 nascimentos por mulher. No Japão envelhecido é 1,3.

Isso aconteceu apesar de a China abandonar sua política de filho único em 2016 e introduzir uma política de três filhos, apoiada por impostos e outros incentivos, no ano passado.

As teorias divergem sobre por que as mulheres chinesas continuam relutantes em ter filhos diante dos incentivos do Estado. Uma envolve ter se acostumado com famílias pequenas, outra envolve o aumento do custo de vida, outra o aumento da idade do casamento, o que atrasa os nascimentos e diminui o desejo de ter filhos.

Além disso, a China tem menos mulheres em idade fértil do que se poderia esperar. Limitados a ter apenas um filho desde 1980, muitos casais optaram por um menino, elevando a proporção de sexo ao nascer de 106 meninos para cada 100 meninas (a proporção na maior parte do resto do mundo) para 120, e em algumas províncias para 130.

Encolhimento, em suposições razoáveis

A população total da China cresceu a uma taxa tão baixa quanto após a grande fome, de apenas 0,34 em 1.000, no ano passado.

Projeções preparadas por uma equipe da Academia de Ciências Sociais de Xangai mostram uma queda neste ano –pela primeira vez após a fome– de 0,49 em mil.

O ponto de virada chegou uma década mais cedo do que o esperado.

Em 2019, a Academia Chinesa de Ciências Sociais esperava que a população chegasse ao pico em 2029, com 1,44 bilhão.

O relatório de Perspectivas Populacionais das Nações Unidas de 2019 esperava o pico ainda mais tarde, em 2031-32, em 1,46 bilhão.

A equipe da Academia de Ciências Sociais de Xangai prevê um declínio médio anual de 1,1% após 2021, empurrando a população da China para 587 milhões em 2100, menos da metade do que é hoje.

As suposições razoáveis ​​por trás dessa previsão são que a taxa de fertilidade total da China caia de 1,15 para 1,1 entre agora e 2030, e permaneça nisso até 2100.


https://datawrapper.dwcdn.net/R23WL/7/

O rápido declínio terá um impacto profundo na economia da China.

A população em idade ativa da China atingiu o pico em 2014 e deve encolher para menos de um terço desse pico até 2100.

Espera-se que a população idosa da China (com 65 anos ou mais) continue a aumentar na maior parte desse tempo, ultrapassando a população em idade ativa da China perto de 2080.

Mais velha e muito menos jovem

Isso significa que, embora existam atualmente 100 pessoas em idade ativa disponíveis para apoiar cada 20 idosos, em 2100, 100 chineses em idade ativa terão que apoiar até 120 chineses idosos.

O declínio médio anual de 1,73% na população em idade ativa da China prepara o cenário para um crescimento econômico muito menor, a menos que a produtividade avance rapidamente.

Os custos trabalhistas mais altos, impulsionados pela força de trabalho em rápida redução, devem empurrar a manufatura de baixa margem e mão-de-obra intensiva da China para países com abundância de mão de obra, como Vietnã, Bangladesh e Índia.

Os custos de mão-de-obra de fabricação na China já são duas vezes maiores do que no Vietnã.

Mais cuidado, menos manufatura

Ao mesmo tempo, a China será obrigada a direcionar mais recursos produtivos para a prestação de serviços de saúde, médicos e assistência a idosos para atender às demandas de uma população cada vez mais velha.

A modelagem do Centro de Estudos de Políticas da Universidade de Victoria sugere que, sem mudanças no sistema previdenciário da China, seus pagamentos de pensões crescerão cinco vezes, de 4% do PIB em 2020 para 20% do PIB em 2100.

Para nações exportadoras de recursos como a Austrália, essas mudanças provavelmente exigirão uma reorientação das exportações para fabricantes fora da China.

Para os importadores de mercadorias, incluindo os Estados Unidos, a origem das mercadorias deve mudar gradualmente para centros de manufatura novos e emergentes.

Apesar da previsão que este será o “século chinês”, essas projeções populacionais sugerem que a influência pode se deslocar para outros lugares –inclusive para a vizinha Índia, cuja população deverá ultrapassar a China na próxima década.


Xiujian Peng é pesquisadora sênior na Victoria University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter