04 fevereiro 2023

Como Edgar Allan Poe se tornou o queridinho dos caluniados e incompreendidos

Tentativa de destruir a reputação do escritor após a sua morte acabou criando um novo personagem que desde então representa intelectuais desvalorizados pelo mundo em que vivem. Mais de 200 anos após seu nascimento, Poe é foco de ampla atenção da indústria cultural

Tentativa de destruir a reputação do escritor após a sua morte acabou criando um novo personagem que desde então representa intelectuais desvalorizados pelo mundo em que vivem. Mais de 200 anos após seu nascimento, Poe é foco de ampla atenção da indústria cultural

Caricatura da imagem de Edgar Allan Poe (Foto: Nick Lehr/The Conversation via DALL-E 2, CC BY-SA)

Por Scott Peeples*

Edgar Allan Poe, que completaria 214 anos em 19 de janeiro de 2023, continua sendo uma das figuras literárias mais reconhecidas e populares do mundo.

Seu rosto – de olhos fundos, testa enorme e cabelos pretos desgrenhados – adorna sacolas, canecas de café, camisetas e lancheiras. Ele aparece como um meme, usando uma gola alta e óculos de aviador como Edgar Allan Bro, ou riffs de Bohemian Rhapsody murmurando: “I’m just Poe boy, nobody loves me”, enquanto um corvo em seu ombro acrescenta: “He’s just a Poe boy from a Poe family”.

A Netflix procurou capitalizar a popularidade do escritor, lançando recentemente o thriller de mistério O Pálido Olho Azul, que apresenta Poe como um cadete de West Point, onde passou menos de um ano antes de ser levado à corte marcial. A Netflix também tem uma minissérie inspirada em Poe, A Queda da Casa de Usher, com lançamento previsto para 2023.

Mas, como estudioso de Poe, às vezes me pergunto se o apelo de Poe é menos sobre o poder e a complexidade de sua prosa e mais sobre uma atração pela ideia de Poe.

Afinal, as criações literárias mais famosas de Poe tendem a ser vilões antipáticos. Existem psicopatas que perpetuam assassinatos aparentemente sem motivo em O Gato Negro e O Coração Denunciador; protagonistas que abusam de mulheres em Ligeia e A Queda da Casa de Usher”; e personagens que exercem vingança cruel e fatal contra vítimas involuntárias em O Barril de Amontillado e Hop-Frog.

Os personagens degenerados cujas perspectivas Poe convidam os leitores a habitar não se alinham exatamente com um momento cultural caracterizado pelo movimento #MeToo, espaços seguros e alertas de gatilho.

Ao mesmo tempo, a concepção de Poe como escritor parece explorar uma afeição cultural por forasteiros, inconformistas e oprimidos que acabam provando seu valor.

Uma destruição de caráter que falha

A ideia de Poe, o oprimido, começou com sua morte em 1849, que foi saudada por um aviso cruel no New York Tribune: “Este anúncio vai assustar muitos, mas poucos ficarão tristes com isso.”

O escritor do obituário, que acabou por ser amigo e rival de Poe Rufus W. Griswold, afirmou que o falecido tinha “poucos ou nenhum amigo” e procedeu com um assassinato de caráter geral baseado em exageros e meias-verdades.

Por mais estranho que pareça, Griswold também foi o executor literário de Poe, e ele expandiu o obituário em um ensaio biográfico que acompanhava as obras completas de Poe. Se foi uma jogada de marketing, funcionou. Os amigos que Griswold alegou que faltavam a Poe saíram em sua defesa, e os jornalistas passaram décadas debatendo quem realmente era o homem.

Durante a vida de Poe, a maioria dos leitores encontrava seu trabalho por meio de revistas, e ele raramente era bem pago. Mas a edição de Griswold passou por 19 edições nos 15 anos após a morte de Poe, e suas histórias e poemas foram infinitamente reimpressos e traduzidos desde então.

O perfil difamatório de Griswold, junto com o assunto sombrio das histórias e poemas de Poe, ainda influencia a maneira como os leitores o percebem. Mas também produziu uma reação sustentada ou uma contra-imagem de Poe como um herói trágico, um artista torturado e incompreendido que era bom demais – ou, pelo menos, legal demais – para seu mundo.

Ao traduzir as obras de Poe para o francês nas décadas de 1850 e 1860, o poeta francês Charles Baudelaire promoveu seu herói como uma espécie de visionário contracultural, fora de sintonia com uma América moralista e materialista. O Poe de Baudelaire valorizou a beleza sobre a verdade em sua poesia e, em sua ficção, viu através das devoções de auto-aperfeiçoamento que eram populares na época para revelar “a maldade natural do homem”. Poe tocou um acorde com os escritores europeus e, à medida que sua estatura internacional aumentava no final do século XIX, os críticos literários nos Estados Unidos torciam as mãos por sua falta de apreciação “em casa”.

A história de azarão de Poe decola

Na virada do século XX, o palco estava montado para Poe ser abraçado como o eterno azarão. E Poe frequentemente aparecia no palco nessa época, como tema de vários melodramas biográficos que o retratavam como uma figura trágica cuja falta de sucesso tinha mais a ver com um ambiente cultural e editorial hostil do que com suas próprias falhas.

Essa imagem apareceu na tela prateada já em 1909 em D.W. O curta-metragem de Griffith, Edgar Allen Poe. Com a esposa de Poe, Virginia, definhando em uma cama doente, o poeta se aventura a vender O Corvo. Depois de encontrar rejeição e desprezo, ele consegue vender seu manuscrito e volta para casa com provisões para sua esposa doente, apenas para descobrir que ela morreu.

Filmes posteriores também retratam Poe como sendo incompreendido ou subestimado em sua vida. Um filme biográfico extremamente impreciso, Os Amores de Edgar Allan Poe, lançado em 1942, termina com uma narração comentando: “… pouco sabia [o público] que o manuscrito de O Corvo, que ele tentou em vão vender por US$ 25, anos depois alcançaria o preço de US$ 17.000 de um colecionador”.

Na vida real, enquanto um rascunho inicial de O Corvo foi recusado por um editor, Poe não teve problemas para vender o poema, e foi uma sensação imediata.

Mas aqui O Corvo se torna um substituto para o próprio Poe, algo sombrio e misterioso que, segundo a lenda, as pessoas na época de Poe não conseguiram apreciar.

Poe é um escritor obscuro e detetive amador no filme de 1951 O Homem das Sombras, que termina com um taberneiro permitindo que a chuva lave a tinta de um documento que Poe lhe deu. No verso da nota está um manuscrito do poema Annabel Lee, como declara seu portador: “Esse nome nunca valerá nada. Nem em cem anos.”

Claro, o público que assistiu a este filme quase exatamente cem anos após a morte de Poe sabia a verdade.

As plantas mais interessantes crescem na sombra

O que nos leva a O Pálido Olho Azul, no qual Henry Melling interpreta o cadete Poe, um pária com o intelecto de um aguçado solucionador de crimes. Em uma mudança revigorante, esse jovem Poe não é um artista torturado ou uma figura assombrada e taciturna. Ele é, no entanto, perseguido por seus colegas e subestimado por seus superiores — mais uma vez, um azarão pelo qual os espectadores querem torcer.

Nesse sentido, o Poe em O Pálido Olho Azul se encaixa bem com sua imagem contemporânea, que também permeia os primeiros episódios de Wandinha, spin-off da Família Addams da Netflix ambientado na Nevermore Academy que está repleto de referências a Poe.

A diretora da Nevermore Academy – uma escola semelhante a Hogwarts para párias – refere-se a Poe como “nosso ex-aluno mais famoso”, o que explica por que a corrida anual de barcos da escola é a Poe Cup e por que há uma estátua de Poe guardando uma passagem secreta.

A protagonista deliciosamente antissocial, Wandinha, interpretada por Jenna Ortega, é uma pária entre os párias – a figura de Poe em uma escola cujo nome evoca Poe. Em uma cena, uma simpática professora a incentiva a não perder “a capacidade de não deixar que os outros definam você. É um presente”. Ela acrescenta: “As plantas mais interessantes crescem na sombra”.

Quando John Lennon cantou “Cara, você deveria ter visto eles chutando Edgar Allan Poe” em I Am the Walrus, ele não precisou dizer quem o estava chutando ou por quê. A questão era que Poe merecia coisa melhor; as plantas mais interessantes crescem na sombra, desagradáveis e não amadas.

E é exatamente por isso que tantas pessoas – aspirantes a escritores e artistas, mas também todos quando estão sozinhos e incompreendidos – veem um pouco de si mesmos na imagem cansada, mas sábia, de Poe.


*Scott Peeples é professor de inglês no College of Charleston


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter