17 setembro 2022

Dragões aterrorizantes fazem parte de muitas religiões há muito tempo, e há uma razão para seu apelo

Símbolo quase universal para muitas civilizações, sua existência duradoura é um testemunho de seu poder narrativo e mistério. A beleza, o terror e o poder do dragão evocam mistério e sugerem que nem todos os fenômenos são facilmente explicados ou compreendidos

Símbolo quase universal para muitas civilizações, sua existência duradoura é um testemunho de seu poder narrativo e mistério. A beleza, o terror e o poder do dragão evocam mistério e sugerem que nem todos os fenômenos são facilmente explicados ou compreendidos

Dragão em cena da série Game of Thrones (Divugação)

Por Emily Zarka*

A estreia recente da prequência da HBO para a série Game of Thrones, House of the Dragon, sem dúvida, trará mais atenção aos ferozes dragões. Bípedes ou sobre quatro patas, cuspidores de fogo ou metamorfos, escamados ou emplumados, os dragões fascinam as pessoas em todo o mundo com seu poder lendário. Isso não deveria ser surpreendente.

Muito antes de Harry Potter, Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis e outras interpretações modernas aumentarem a notoriedade do dragão no século XXI, artefatos de civilizações antigas indicavam sua importância em muitas religiões em todo o mundo.

Como estudiosa de monstros, descobri que os dragões são um símbolo quase universal para muitas civilizações. Os cientistas tentaram encontrar explicações para o mito dos dragões, mas sua existência duradoura é um testemunho de seu poder narrativo e mistério.

Dragões antigos, histórias antigas

Religiões e culturas em todo o mundo estão repletas de lendas sobre dragões. De fato, na grande maioria das religiões, há um tropo mítico que alguns estudiosos chamam de Chaoskampf, uma palavra alemã que se traduz como luta contra o caos. Este termo, usado por mitólogos, refere-se a um motivo generalizado envolvendo um personagem heróico que mata um “monstro” do caos primordial, muitas vezes com características serpentinas ou de dragão e um tamanho enorme que supera os humanos.

Um exemplo antigo é encontrado no Enuma Eliš, um texto da criação babilônica de cerca de 2.000 a 1.000 anos a.C..

No texto, Tiamat, a divindade primordial feminina da água salgada e matriarca dos deuses, dá à luz 11 tipos de monstros, incluindo o dragão. Embora a própria Tiamat nunca seja descrita como um “dragão”, alguns de seus filhos, ou “monstros”, incluem vários tipos diferentes de dragões com referências explícitas a seus filhos dragões. A iconografia evoluiu mais tarde para que sua aparência começasse a assumir características serpentinas, ligando sua imagem a outro famoso predador mitológico com garras, o dragão.

Dragões na cultura chinesa e em outras

A presença do dragão na China, onde é chamado de Long, também é antiga e parte integrante de várias tradições culturais, espirituais e sociais.

Os dragões são membros do zodíaco chinês, uma das criaturas sagradas guardiãs que compõem os Quatro Animais Benevolentes e justificam as dinastias imperiais. Diferentes tipos desses seres aquáticos, inteligentes e semidivinos formam uma hierarquia na antiga cosmologia chinesa e aparecem nos mitos da criação de várias tradições indígenas.

Quando os missionários jesuítas reintroduziram o cristianismo na China no século XVI, a existência do dragão não foi contestada. Em vez disso, eles se associaram a uma explicação mais ocidentalizada –o Diabo.

Hoje, os dragões são celebrados e reverenciados nas tradições budista, taoísta e confucionista como símbolos de força e iluminação.

Os dragões também aparecem nas religiões da Anatólia, nos mitos sumérios, nas sagas germânicas, nas crenças xintoístas e nas escrituras abraâmicas. A presença repetida e importante da criatura nas religiões e culturas globais levanta uma questão interessante: por que os dragões apareceram?

Poder simbólico

Uma teoria há muito proposta é que existem explicações naturais para os dragões. Isso não quer dizer que as bestas do mito existiam na vida real, mas sim que fósseis, animais vivos e características geológicas existentes no mundo natural inspiraram sua criação.

O escritor e cientista vencedor do Prêmio Pulitzer Carl Sagan escreveu um livro sobre o assunto, argumentando que os dragões evoluíram de uma necessidade humana de fundir a ciência com o mito, o racional com o irracional, como parte de uma resposta evolutiva a predadores reais. Seus pensamentos são uma expansão de ideias propostas a partir do século XIX ou antes, já que fósseis recém-descobertos estavam ligados a representações de dragões em todo o mundo.

Restos totais ou parciais de inúmeras espécies extintas podem explicar os atributos físicos dos dragões. Em 2020, duas estudiosas, DorothyBelle Poli e Lisa Stoneman, chegaram a propor que os restos fossilizados de Lepidodendron, uma planta com semelhança de escamas, podem estar por trás da presença global de dragões.

Encontros humanos com lagartos voadores, peixes-remo, crocodilos, víboras com chifres do Saara, grandes cobras e certas espécies de lagartos e pássaros também foram propostos como possíveis explicações para a tradição de dragões, dada sua semelhança física com diferentes dragões.

Estudiosos também citaram processos geológicos naturais como explicações para o folclore dos dragões – particularmente quando eles estão associados a desastres naturais. Dragões cuspidores de fogo, por exemplo, podem ser uma explicação para incêndios misteriosos que os observadores tentaram racionalizar como a chama de um dragão. Fontes de gás natural, metano produzido a partir de matéria em decomposição e outras fontes de depósitos subterrâneos de gás podem produzir um incêndio, se acidentalmente forem acesos. Antes que a mecânica da combustão fosse totalmente compreendida, tais eventos eram considerados indicadores da presença de um dragão, fornecendo uma causa para o aparentemente implausível.

Uma razão duradoura para os dragões continuarem a aparecer em nosso mundo pode ser porque eles representam o poder da natureza. Histórias sobre pessoas domando dragões podem ser vistas como histórias sobre a capacidade dos humanos de dominar forças que nem sempre podem ser controladas.

Ganhar controle sobre um dragão ressalta a ideia problemática de que os humanos são superiores a todos os outros animais da natureza. Os dragões desafiam o conceito de supremacia biológica humana, levantando questões sobre o que significaria se os humanos fossem forçados a se reposicionarem como membros menores da cadeia alimentar.

Mais importante, acredito, a beleza, o terror e o poder do dragão evocam mistério e sugerem que nem todos os fenômenos são facilmente explicados ou compreendidos.


*Emily Zarka é professora na Arizona State University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter