08 maio 2022

Eleição no Reino Unido deve aumentar pressão sobre Boris Johnson

A situação econômica, a saída da União Europeia e o desempenho do primeiro-ministro Boris Johnson pesaram na decisão dos eleitores que fizeram com que o Partido Trabalhista ganhasse mais de 400 postos e o Conservador perdesse mais de 250

Situação econômica, saída da União Europeia e desempenho do primeiro-ministro pesaram na decisão dos eleitores que fizeram com que o Partido Trabalhista ganhasse mais de 400 postos e o Conservador perdesse mais de 250

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

Por Rubens Barbosa*

O resultado das eleições para os conselhos municipais da última quinta feira, dia 5, no Reino Unido trouxe resultados importantes para o futuro político do pais. O Partido Trabalhista conseguiu cerca de 35% dos votos, o Conservador, 30%, o Liberal com um bom desempenho, 19% e o Partido Verde também melhorando sua performance. 

A derrota do Partido Conservador nessas eleições é simbólica, visto que os milhares de assentos nos conselhos municipais e distritais não tem impacto direto na politica nacional. Apesar disso, a  pressão sobre o primeiro-ministro Boris Johnson deve aumentar e em seu partido já há movimento para contestar sua liderança.

A situação econômica, a saída da União Europeia e o desempenho do primeiro-ministro pesaram na decisão dos eleitores que fizeram com que o Partido Trabalhista ganhasse mais de 400 postos e o Conservador perdesse mais de 250. O Reino Unido, de forma quase paradoxal, sai dividido politicamente, com o Norte, reduto da classe trabalhadora, menos afluente, com forte influência conservadora, e a região de Londres, mais rica, votando com o Partido Trabalhista.

Os resultados mais importante foram os da Escócia e da Irlanda do Norte. O Partido Nacionalista escocês conseguiu maioria confortável e o Sinn Fein, católico, obteve, pela primeira vez, vitória sobre o Partido Democrático Unionista, protestante. Esse resultado histórico resultará no aumento da pressão sobre o governo em Londres para a realização de referendo sobre a independência da Escócia e a unificação da Irlanda.

A situação na Irlanda do Norte é mais complexa pela resistência dos protestantes `a unificação do Norte com a Irlanda, católica. Não é de se descartar uma forte reação dos protestantes e uma crise de grandes proporções nessa região. O referendo previsto no Acordo de Belfast, que selou a paz na região como condição para a unificação, passou a ser incluído na agenda política.

Na Escócia, o caminho é menos complicado porque o governo de Edimburgo tem interesse em continuar na União Europeia, de onde saiu em função do Brexit com a saída do Reino Unido da União Europeia. O Reino Unido, como entidade politica, está ameaçado e, a médio prazo, poderá ficar reduzido apenas ao Pais de Gales, que também questiona sua união com Londres.

Não há dúvida de que as eleições da semana passada mostram que o Reino Unido está dividido e que o Partido Trabalhista, em uma eleição geral, tem chances de recuperar a liderança politica no Reino Unido.


*Rubens Barbosa foi embaixador do Brasil em Londres, é diplomata, presidente do Instituto Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e coordenador editorial da Interesse Nacional.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Rubens Barbosa escreve os editoriais do portal Interesse Nacional. Ele é diplomata, foi embaixador do Brasil em Londres e em Washington, DC, é presidente do Instituto Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e coordenador editorial da Interesse Nacional. Mestre pela London School of Economics and Political Science, escreve regularmente no Estado de São Paulo e é autor de livros como 'Panorama visto de Londres', 'Integração econômica da América Latina', 'O dissenso de Washington', 'Diplomacia ambiental' e organizador do livro 'O Brasil voltou?'.

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter