24 junho 2022

O conflito Rússia-Ucrânia trará o renascimento dos Não-Alinhados?

Apesar da condenação ocidental à invasão da Ucrânia, muitos países do Sul Global hesitam a se colocar contra a Rússia, lembrando o movimento histórico de Estados que se recusaram a escolher um lado durante a Guerra Fria; divisão gerada pela reação ao conflito coloca em risco até mesmo o G20

Apesar da condenação ocidental à invasão da Ucrânia, muitos países do Sul Global hesitam a se colocar contra a Rússia, lembrando o movimento histórico de Estados que se recusaram a escolher um lado durante a Guerra Fria; divisão gerada pela reação ao conflito coloca em risco até mesmo o G20

Militar ucraniano dispara foguete durante a guerra contra a Rússia (Foto: Ministério da Defesa da Ucrânia)

Por Jean-Luc Maurer*

A guerra que a Rússia lançou em 24 de fevereiro contra a Ucrânia acaba de ultrapassar a marca de três meses e não parece perto de terminar. No entanto, apesar da unanimidade dos países do bloco ocidental, membros da UE ou da Otan, e dos tradicionais aliados dos Estados Unidos na Ásia Oriental ou na Oceania na condenação desta brutal invasão e dos crimes de guerra e contra a humanidade a que já deu origem, a comunidade internacional continua muito dividida quanto à posição a adoptar neste caso.

De fato, muitos países membros da ONU, em sua maioria pertencentes ao histórico grupo dos 77, criado em 1964 para promover o desenvolvimento dos chamados países do “Sul”, permanecem céticos, hesitam em condenar a Rússia e preferem acampar em uma neutralidade a princípio problemática e difícil de entender.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/guerra-mudou-o-mundo-e-o-brasil-tera-que-escolher-um-lado-na-nova-polarizacao-global/

Uma divisão Norte-Sul na condenação à Rússia

A princípio, o espanto causado por esse ataque suscitou certa unanimidade na condenação. Assim, a Assembleia Geral da ONU votou em 2 de março uma primeira resolução pedindo à Rússia que “retire imediata, completa e incondicionalmente todas as suas forças militares”, por uma esmagadora maioria de 141 votos a favor, enfrentando apenas 5 oposição e 35 abstenções.

Os cinco países que votaram contra esta resolução são, sem surpresa, a própria Rússia, sua vassala Belarus, os regimes ditatoriais pestíferos dela dependentes, como a Síria e a Eritreia, bem como a sinistra Coreia do Norte.

No entanto, entre os 35 países que se abstiveram, já havia vários atores importantes na comunidade internacional, incluindo China e Índia, mas também Paquistão, Irã, África do Sul e Argélia.

Em 7 de abril, durante a votação de uma segunda resolução da Assembleia Geral propondo a exclusão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos, apenas 93 países votaram a favor, 24 contra e 58 optaram pela abstenção.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/enquanto-isso-em-moscou/

Entre os 24 países que votaram contra, encontramos os quatro que já haviam apoiado a Rússia anteriormente, mas este último desta vez uniu muitos países asiáticos à sua causa, começando pela China, seguida pelos irmãos comunistas do Vietnã e do Laos assim como todas as ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central, os aliados naturais da América do Sul, como Cuba e Nicarágua, e países africanos como Argélia, Mali, Congo e Etiópia.

No entanto, é o número de países que se abstiveram que é mais revelador. Inclui a maioria dos pesos pesados ​​demográficos e políticos do mundo não ocidental: Índia, Indonésia, Paquistão, Bangladesh, Tailândia, Brasil, México, Egito, África do Sul, Nigéria, Angola, Moçambique, Arábia Saudita, Qatar e Omã em particular. Seis deles (Índia, Indonésia, Brasil, México, África do Sul e Arábia Saudita) são até membros do G20, que está mais dividido do que nunca nesta questão, já que a Rússia conta com o apoio da China.

‘Os países que se recusam a condenar firmemente a Rússia representam dois terços da humanidade’

Desde então, esta nova divisão Norte-Sul não foi negada: os países que se recusam a condenar firmemente a Rússia representam, portanto, dois terços da humanidade. Várias razões complementares ajudam a explicar e compreender esta situação.

A memória da guerra fria

Em primeiro lugar, para muitos países do Sul, o conflito entre Rússia e Ucrânia é confuso e decorre das consequências da implosão da URSS. Não estão longe de considerar que se trata de um assunto interno da “Grande Rússia” em que não querem tomar partido em nome de um princípio de não-interferência, neste caso interpretado de forma muito questionável.

Em segundo lugar, os objetivos do Ocidente, dos Estados Unidos e da Otan lhe parecem justamente. Depois de ter começado a virar as costas para a Europa desde a presidência de Obama para se concentrar em sua crescente rivalidade com a China na região do Indo-Pacífico, os Estados Unidos de fato parecem ter redescoberto sua velha inimiga Rússia e querer liderar contra ela, através de Ucrânia, uma nova guerra em nome da “luta da democracia contra o totalitarismo”.

No entanto, muitos países do Sul suportaram o peso da Guerra Fria e das guerras quentes travadas em seu território pelas duas potências dominantes da época. Seria tedioso enumerar aqui todos os conflitos sangrentos dessa natureza que marcaram a história da segunda metade do século XX, desde a capitulação da Alemanha nazista em maio de 1945 até a queda do Muro de Berlim em novembro de 1989. Não se pode ignorar a Guerra da Coréia de 1950 a 1953, as intervenções armadas dos Estados Unidos em seu quintal latino-americano na Guatemala em 1954 e 1960, em Cuba em 1959-1960, em El Salvador e Nicarágua em 1980, em Granada em 1983 e no Panamá em 1989 e sobretudo a Guerra do Vietnã que estendeu-se ao Camboja e ao Laos de 1961 a 1975.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/entender-ideologia-e-importante-para-desvendar-a-invasao-da-ucrania-pela-russia/

E tudo isso sem falar dos incontáveis ​​golpes militares sangrentos organizados com o apoio da CIA americana e seus aliados ao redor do mundo, do Brasil e Congo em 1964 à Indonésia em 1965 e Chile em 1973.

É verdade que a URSS se comportou de maneira não menos brutal para suprimir as inclinações democráticas dentro do bloco socialista, de Budapeste em 1956 a Praga em 1968, para não falar da guerra no Afeganistão (1979-1988).

Seja como for, uma coisa é certa: muitos países do Sul pagaram o alto preço da Guerra Fria e não querem se ver mais uma vez presos entre o martelo e a bigorna.

‘Muitos países do Sul pagaram o alto preço da Guerra Fria e não querem se ver mais uma vez presos entre o martelo e a bigorna’

Dois pesos, duas medidas?

Além disso, o comportamento mais recente do Ocidente no cenário internacional não o coloca em boa posição para condenar países que violam a soberania de outras nações e lhes dar lições de moral.

De fato, a cruzada global destinada a impor a democracia no mundo pela força armada, lançada por George W. Bush e sua comitiva neoconservadora após os ataques de 11 de Setembro, e que culminou na invasão do Iraque e do Afeganistão, deslegitimou amplamente, em muitos países do mundo, qualquer pretensão ocidental à exemplaridade.

A intervenção liderada pelos americanos e seus aliados servis no Iraque, principalmente o Reino Unido, foi acompanhada por crimes de guerra e crimes contra a humanidade, bem como graves violações dos direitos humanos e da dignidade humana nos centros de detenção de Abu Ghraib e Guantánamo, onde a tortura era sistemática. Soma-se a isso a ação da França e da Otan na Líbia (2011) que deu origem notavelmente ao sórdido assassinato de Kadafi e, claro, o constante apoio de Washington a Israel no conflito israelo-palestino, materializado em particular pelos numerosos vetos que os Estados Unidos se opuseram à resolução da ONU condenando o lado israelense.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/paises-ocidentais-exigem-que-a-russia-siga-a-lei-internacional-entao-por-que-eles-nao-seguem/

Os países do Sul que hoje se abstêm de condenar a Rússia por sua invasão da Ucrânia têm tudo isso em mente e, portanto, é compreensível que muitos deles sejam céticos em relação aos apelos dos Estados Unidos e do Ocidente para se juntarem à sua cruzada contra Moscou em face de um conflito complexo do qual não entendem todos os riscos e que não lhes parece pior do que os do Iraque, da Líbia ou de qualquer outro lugar. Deve-se dizer também que vários deles são clientes fiéis de Moscou, que lhes vende armas e equipa ou treina suas forças armadas em condições favoráveis.

Mas, de fato, estes países defendem sobretudo os seus interesses legítimos e preocupam-se sobretudo com a crise econômica planetária resultante deste conflito e com o bloqueio das exportações de cereais e fertilizantes químicos da Ucrânia e da Rússia que os ameaçam de fome, como alegado em nome da África a Putin pelo presidente senegalês Macky Sall durante sua recente visita a Sochi. Ele também deixou esse ponto de vista claro em uma entrevista ao jornal Le Monde, dizendo em essência que a África deve primeiro garantir que resolverá seus próprios problemas, em vez de tomar partido neste conflito.

Um modelo ocidental questionável ontem como hoje

Em uma perspectiva histórica mais longa, também não devemos subestimar o fato de que muitos países do Sul, principalmente na África, ainda não digeriram os desprezos da escravidão, da colonização e das políticas neocoloniais que o seguiram. Eles também lembram que na época da luta anticolonial e do início da independência, a URSS era praticamente o único país a apoiá-los.

As péssimas relações atuais da França com os países do norte da África devem, portanto, também ser analisadas lembrando a “amizade entre os povos” que ligava o Mali de Modibo Keïta a Moscou ou a Guiné-Conacri de Sékou Touré na década de 1960. Apesar de tudo o que pode fazer na Ucrânia, a Rússia de hoje ainda se beneficia dessa reputação passada de solidariedade com o que costumava ser chamado de Terceiro Mundo, como uma espécie de dívida histórica.

Selo comemorativo de Guiné pelo aniversário da Revolução de 1917

Por fim, para voltar a uma dimensão eminentemente contemporânea, muitos Estados do Sul permanecem céticos em relação ao desejo proclamado de Joe Biden de incorporar o campo da democracia no cenário internacional. Além de a credibilidade de Biden ser manchada pelo fato de ele ter votado a favor da invasão do Iraque, a democracia americana tem demonstrado regularmente todos os seus limites e excessos com Donald Trump, horrorizado o mundo durante a invasão do Congresso em 6 de janeiro de 2021 e desperta horror pelos assassinatos em massa perpetrados por lunáticos sanguinários que sangram suas cidades todas as semanas.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/a-russia-esta-realmente-perdendo-a-guerra-de-comunicacao-contra-a-ucrania/

Mais divididos do que nunca, os Estados Unidos dão a imagem de um país à beira da guerra civil e em declínio, ineficiente, violento, racista e injusto, especialmente em relação à sua minoria afro-americana.

Por outro lado, o grande inimigo atual de Washington, a República Popular da China sob Xi Jinping, representa o contra-modelo de um país em expansão que conseguiu em poucas décadas tirar centenas de milhões de pessoas da pobreza e implementar uma política de desenvolvimento econômica e social que lhe permite esperar voltar a ser, até ao centenário da sua revolução em 2049, a grande potência mundial que foi até ao século XIX.

Portanto, não é de surpreender que uma proporção significativa da população de muitos países do Sul e mesmo do Norte tenha chegado a acreditar que um regime autoritário é mais eficaz em governar do que um sistema “democrático” –um conceito que muitas vezes foi sequestrado pelas oligarquias locais para seu próprio benefício, é muitas vezes sinônimo de corrupção e não cumpriu suas promessas de justiça e liberdade. Isso explica em grande parte que a democracia é questionada em quase todos os lugares nos quatro cantos do planeta e que o autoritarismo está em ascensão.

Finalmente, não devemos ignorar o fato de que a maioria das populações de muitos países do Sul são resistentes ao liberalismo societário defendido pelo Ocidente, considerado decadente, sem religião e muito favorável aos direitos das mulheres e das minorias LGBT+, enquanto a Rússia forjou a imagem do modelo oposto que defende “valores tradicionais”. Mas Moscou joga muito com habilidade e sucesso em seu discurso para eles.

O G20 em perigo?

Por todas estas razões, muitos países do Sul mostram-se, no mínimo, cuidadosos face à invasão da Ucrânia pela Rússia, para cuja defesa o Ocidente se mobilizou de uma forma um pouco entusiasmada demais para não ser suspeito a seus olhos. Na época da Guerra Fria, muitos desses países já haviam tentado escapar da necessidade de escolher entre a “peste americana” e a “cólera soviética” criando o Movimento dos Não Alinhados na conferência de Bandung em 1955 presidido por Sukarno, com Nehru, Nasser, Nkrumah, Norodom Sihanouk e até Zhou Enlai.

Nasser, Sukarno et Nehru en train de trinquer
Nasser, Sukarno e Nehru comemoram o sucesso da Conferência de Bandung

O desastroso conflito armado que volta a sangrar uma Europa onde se pensava “nunca mais ver isto” favorece um certo ressurgimento deste espírito de não-alinhamento. Isso não tornará mais fácil administrar os assuntos de um mundo que agora enfrenta uma crise econômica devastadora, que pode ter consequências catastróficas para certos países muito dependentes das importações de gás ou trigo da Rússia ou da Ucrânia.

Em termos muito concretos, a clivagem mencionada acima, que se aprofunda no G20, ilustra particularmente bem esta nova divisão Norte-Sul da comunidade internacional. A próxima cúpula do clube das vinte maiores economias do planeta deve, de fato, realizar-se em Bali em meados de novembro, pois é a Indonésia que vai exercer a sua presidência em 2022. No entanto, uma pequena maioria dos países membros da aliança informal desses que apoiam ativamente a Ucrânia, todos do Norte no sentido económico da palavra, não querem sentar-se à mesma mesa que Putin e insistem que a Rússia não deve ser convidada. Os outros, sobretudo do Sul, liderados pela China, não partilham inteiramente desta posição de ruptura ou são mesmo de opinião resolutamente contrária.

Diante disso, o presidente indonésio Jokowi, anfitrião da cúpula e colocado em uma situação muito desconfortável, anunciou que não estava em seu poder excluir a Rússia, mas que, por outro lado, convidaria de bom grado Volodymyr Zelensky a participar também da reunião, o que este último já aceitou. É difícil dizer se sua proposta será aceita e superará o impasse, mas pode ser que, ao contrário, a guerra entre Rússia e Ucrânia destrua o G20. Esse certamente não seria seu aspecto mais dramático ou fundamental, mas essa instituição emblemática da fase de globalização que está chegando ao fim seria então uma das vítimas colaterais do impasse do conflito corrente para a qual caminha o concerto mais dissonante que nunca das nações.


*Jean-Luc Maurer é professor honorário de estudos do desenvolvimento, filiado ao Albert Hirschman Center on Democracy, Graduate Institute – Institut de hautes études internationales et du développement (IHEID)


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em francês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter