02 setembro 2023

Rubens Barbosa: Conferência coloca a Amazônia no centro das agendas nacional e global

Encontro em Belém discutiu temas relevantes sobre o desenvolvimento na região da floresta. Para embaixador, ele marca um maior engajamento do setor de mineração no debate sobe a necessidade de preservação ambiental e a descarbonização

Encontro em Belém discutiu temas relevantes sobre o desenvolvimento na região da floresta. Para embaixador, ele marca um maior engajamento do setor de mineração no debate sobe a necessidade de preservação ambiental e a descarbonização

O ex-premiê britânico Tony Blair participa da Conferência Internacional Amazônia e Novas Economias, em Belém (Foto: Divulgação)

Por Rubens Barbosa*

Nesta semana, a Conferência Internacional Amazônia e Novas Economias, organizada pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), foi realizada em Belém do Para, junto com a Exposição da Indústria de Mineração.

A Conferência promovida pelo Ibram contou com 33 painéis e mais de 180 palestrantes nacionais e internacionais. Dentre as personalidades que apresentaram suas visões sobre a mineração, questões ambientais e climáticas e de geopolítica, estiveram presentes Tony Blair, ex-primeiro ministro do Reino Unido, Ivan Duque, ex-presidente da Colômbia, Ban Ki Moon, ex- secretário geral das Nações Unidas, o governador do Pará, Jader Barbalho Filho, a ex-ministra Isabel Teixeira, e o ex-governador Paulo Hartung.

Entre os temas relevantes para o setor de mineração e para a discussão de questões ambientais e sociais na Amazônia foram mencionados a nova relação com a natureza e com o mundo; povos indígenas; desafios nacionais e internacionais para o enfrentamento dos crimes ambientais na Amazônia; fronteira da inovação para as novas economias; o financiamento da mineração e das novas economias; segurança climática; circularidade, baixo carbono e uso eficiente de recursos naturais; a descarbonização da economia; cidades da Amazônia; transição industrial; a bioeconmia como indústria; inovação na cadeia da mineração; questões fundiárias e ordenamento territorial; minerais estratégicos e a Amazônia; a Amazônia e o fortalecimento da democracia no Brasil; integração sul americana; desafios da saúde pública, combate às desigualdades, segurança alimentar e erradicação da pobreza; e defesa e desenvolvimento da Amazônia.

‘O encontro apresentou aspectos positivos do setor de mineração em um momento em que as noticias e as discussões relacionadas com o setor de mineração são muito negativas’

O encontro apresentou aspectos positivos do setor de mineração em um momento em que as notícias e as discussões relacionadas com o setor de mineração são muito negativas em função dos ilícitos que ocorrem na Amazônia no tocante ao garimpo ilegal e sua associação com o narcogarimpo.

Algumas conclusões podem ser tiradas ao final de três dias de intensas discussões em cinco palcos que funcionavam em conjunto ao mesmo tempo, separados apenas pela tecnologia e por meio de fones de ouvidos, sintonizados em cada um dos painéis:

  • A Conferência marca um maior engajamento do setor de mineração no debate sobe a necessidade de preservação da floresta e a descarbonização;
  • as discussões foram densas e diversificadas sobre temas complexos e nem sempre consensuais;
  • as discussões se mantiveram em um patamar alto, com debates em bom nível entre técnicos nacionais e do exterior;
  • os debates sobre o lugar do Brasil no mundo, mostraram que o meio ambiente e a mudança do clima devem estar no centro da politica externa e na politica econômica.

A conferência ocorreu em um momento muito oportuno, coincidindo com o início da preparação das prioridade brasileiras para a presidência do G20, cuja Cúpula ocorrerá no Brasil em 2024, e da reunião da COP-30, que acontecerá em Belém em 2025.

‘O futuro do mundo, em larga medida, está ligado ao futuro da Amazônia’

O desenvolvimento social, a democracia, o lugar do Brasil no mundo, no atual momento, passam pela Amazônia. O futuro do mundo, em larga medida, está ligado ao futuro da Amazônia.

Com a Conferência Internacional, o Ibram deu importante contribuição para colocar com destaque a Amazônia na Agenda interna nacional.


*Rubens Barbosa foi embaixador do Brasil em Londres e em Washington, DC., é diplomata, presidente do Instituto Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e coordenador editorial da Interesse Nacional.


Rubens Barbosa escreve os editoriais do portal Interesse Nacional. Ele é diplomata, foi embaixador do Brasil em Londres e em Washington, DC, é presidente do Instituto Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e coordenador editorial da Interesse Nacional. Mestre pela London School of Economics and Political Science, escreve regularmente no Estado de São Paulo e é autor de livros como 'Panorama visto de Londres', 'Integração econômica da América Latina', 'O dissenso de Washington', 'Diplomacia ambiental' e organizador do livro 'O Brasil voltou?'.

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Tags:

Amazônia 🞌 Ambiente 🞌

Cadastre-se para receber nossa Newsletter