25 março 2022

Soluções para a crise alimentar do mundo e outras notas de interesse de 25 de março de 2022

Crise alimentar – A invasão da Ucrânia pela Rússia levou à interrupção, por sanções ou guerra, de dois dos maiores exportadores de grãos do mundo. Isso significa que 2022 está se tornando um ano muito difícil para o sistema alimentar global. O que pode ser feito para amortecer os piores impactos desta crise? Em primeiro […]

Crise alimentar – A invasão da Ucrânia pela Rússia levou à interrupção, por sanções ou guerra, de dois dos maiores exportadores de grãos do mundo. Isso significa que 2022 está se tornando um ano muito difícil para o sistema alimentar global. O que pode ser feito para amortecer os piores impactos desta crise? Em primeiro lugar, os grandes produtores de grãos devem fazer todo o possível para aumentar a oferta de alimentos. Em segundo lugar, no curto prazo, o mundo precisa de nações produtoras de petróleo. Terceiro, governos, instituições internacionais e até mesmo o setor privado devem oferecer proteção social por meio de alimentos ou ajuda financeira (The Conversation)

Tatiana Prazeres – Por que o Brasil vende apenas commodities para a China? É tentador olhar para Pequim na busca de respostas para diversificar a pauta exportadora, mas o problema é sobretudo doméstico (Folha)

Fuga – Itamaraty não orientou brasileiros a deixar Ucrânia antes da guerra a pedido de autoridades daquele país. Segundo chanceler, Kiev se preocupava que a retirada de estrangeiros espalhasse o pânico dentro e fora do país. No Senado, Carlos França chamou sanções contra a Rússia de ‘inapropriadas’ (O Globo).

‘Solidariedade’ – O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos França, defendeu o presidente Jair Bolsonaro (PL) por ter expressado solidariedade à Rússia dias antes do início da guerra na Ucrânia e criticou as sanções unilaterais impostas a Moscou após a deflagração do conflito. Questionado sobre a viagem de Bolsonaro, França disse que a prática da diplomacia brasileira é “promover a paz” (Folha)

Míssil – O governo brasileiro emitiu nota via Ministério das Relações Exteriores, para condenar o lançamento de um míssil balístico intercontinental pela Coreia do Norte. “Esse mais recente lançamento constitui novo ato preocupante de desestabilização da segurança regional e internacional e viola as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas”, afirma o comunicado oficial (OESP).

Guerra – Assembleia Geral da ONU pede ‘fim imediato das hostilidades’ e culpa Rússia por crise humanitária na Ucrânia; Brasil votou a favor. É a segunda resolução aprovada contra a Rússia na Assembleia da ONU. Mais uma vez, ela é não vinculante, ou seja, não tem cumprimento obrigatório (G1).

Rainha improvável – Empregada doméstica do interior do nordeste brasileiro se destaca como enxadrista, se torna vice-campeã brasileira e consegue apoio para disputar torneios internacionais (Wall Street Journal)


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter