18 junho 2022

Woodward e Bernstein não derrubaram um presidente em Watergate –mas o mito de que eles o fizeram continua vivo

Elevada por livro, filme e mistério, interpretação heróico-jornalística sobre escândalo que derrubou Nixon completa 50 anos e repousa sobre uma base simplista, encobrindo as complexidades do caso e desconsiderando o trabalho investigativo muito mais crucial de promotores especiais, juízes federais, FBI, painéis de ambas as casas do Congresso e da Suprema Corte

Elevada por livro, filme e mistério, interpretação heróico-jornalística sobre escândalo que derrubou Nixon completa 50 anos e repousa sobre uma base simplista, encobrindo as complexidades do caso e desconsiderando o trabalho investigativo muito mais crucial de promotores especiais, juízes federais, FBI, painéis de ambas as casas do Congresso e da Suprema Corte

Richard Nixon se prepara para o discurso em que renuncia à Presidência

Por W. Joseph Campbell*

Com sua obstinada reportagem sobre o escândalo de Watergate, os repórteres do Washington Post Bob Woodward e Carl Bernstein descobriram os crimes que forçaram Richard Nixon a renunciar à Presidência dos EUA em agosto de 1974.

Essa versão de Watergate há muito domina a compreensão popular sobre o escândalo, que se desenrolou ao longo de 26 meses a partir de junho de 1972.

É, no entanto, um tropo simplista que nem mesmo os diretores do Post da era Watergate adotaram.

Por exemplo, a editora do jornal durante o Watergate, Katharine Graham, rejeitou explicitamente essa interpretação durante um programa há 25 anos no agora extinto Newseum, no subúrbio da Virgínia.

“Às vezes, as pessoas nos acusam de ‘derrubar um presidente’, o que é claro que não fizemos e não deveríamos ter feito”, disse Graham. “Os processos que causaram a renúncia [de Nixon] foram constitucionais.”

As palavras de Graham, por mais precisas e incisivas, pouco alteraram a interpretação popular dominante de Watergate. Na verdade, os 25 anos seguintes solidificaram o mito “heróico-jornalístico” de Watergate, que abordo e desmantelo em meu livro Getting It Wrong: Debunking the Greatest Myths in American Journalism.

Impacto exagerado

Por mais popular que seja, o mito heróico-jornalístico é um grande exagero do efeito de seu trabalho.

Woodward e Bernstein divulgaram ligações financeiras entre a campanha de reeleição de Nixon e os invasores presos em 17 de junho de 1972, na sede do Comitê Nacional Democrata, no que foi o crime de Watergate.

Eles vincularam publicamente figuras proeminentes de Washington, como o ex-procurador-geral de Nixon, John Mitchell, ao escândalo.

Eles ganharam um Prêmio Pulitzer pelo Post.

Mas eles deixaram passar elementos decisivos de Watergate, notadamente o pagamento de suborno aos invasores e a existência das gravações de Nixon na Casa Branca.

No entanto, o mito heróico-jornalístico tornou-se tão arraigado que poderia resistir a rejeição dele por diretores da era Watergate no Post, como Graham. Até mesmo Woodward rejeitou a interpretação heróico-jornalística, uma vez dizendo a um entrevistador que “a mitificação de nosso papel em Watergate chegou ao ponto do absurdo, onde os jornalistas escrevem… que eu, sozinho, derrubei Richard Nixon.”

“Totalmente absurdo.”

Então, por que não aceitar a palavra de Woodward? Por que a interpretação heróico-jornalística de Watergate persistiu ao longo dos 50 anos desde que invasores ligados à campanha de Nixon foram presos no complexo Watergate, em Washington?

Passando por cima da complexidade

Como a maioria dos mitos da mídia, a interpretação heróico-jornalística de Watergate repousa sobre uma base de simplicidade. Ela encobre as complexidades do escândalo e desconsidera o trabalho investigativo muito mais crucial de promotores especiais, juízes federais, FBI, painéis de ambas as casas do Congresso e da Suprema Corte.

Afinal, foi a decisão unânime do tribunal em julho de 1974, ordenando que Nixon entregasse as gravações cobradas pelo promotor especial de Watergate, que selou o destino do presidente. As gravações capturaram Nixon, seis dias após a invasão, concordando com um plano para impedir o FBI de prosseguir com a investigação de Watergate.

As gravações foram cruciais para determinar que Nixon havia obstruído a Justiça. Sem elas, ele provavelmente teria completado seu mandato presidencial. Essa, pelo menos, foi a interpretação do falecido Stanley Kutler, um dos principais historiadores de Watergate, que observou: “Você precisava ter esse tipo de evidência corroborativa para condenar o presidente dos Estados Unidos”.

O mito heróico-jornalístico, que começou a se firmar antes mesmo de Nixon renunciar, foi sustentado por três influências relacionadas.

Um deles foi Todos os Homens do Presidente, de Woodward e Bernstein, o livro de memórias oportuna sobre suas reportagens. Todos os Homens do Presidente foi publicado em junho de 1974 e rapidamente alcançou o topo da lista de best-sellers do New York Times, permanecendo lá por 15 semanas, após a renúncia de Nixon e além. O livro inescapavelmente promoveu a impressão de que Woodward e Bernstein haviam sido vitais para o resultado de Watergate.

Mais do que o livro, a adaptação cinematográfica de Todos os Homens do Presidente colocou Woodward e Bernstein no centro decisivo do desenrolar de Watergate. O filme, lançado em abril de 1976 e estrelado por Robert Redford e Dustin Hoffman, foi implacavelmente centrado na mídia, ignorando o trabalho dos promotores e do FBI.

O livro e o filme apresentaram a fonte supersecreta de Woodward, “Garganta Profunda”. Por 31 anos após a renúncia de Nixon, Washington se envolvia publicamente em jogos de adivinhação sobre a identidade da fonte. Tal especulação às vezes apontava para W. Mark Felt, um ex-funcionário sênior do FBI.

Felt negou fortemente ter sido a fonte de Woodward. Se tivesse sido “Garganta Profunda”, disse certa vez a um jornal de Connecticut, “eu teria feito melhor. Eu teria sido mais eficaz.”

A conjectura do “quem-era-Garganta Profunda” manteve Woodward, Bernstein e o mito heróico-jornalístico no centro das conversas sobre Watergate. Felt tinha 91 anos quando, em 2005, reconheceu por meio do advogado de sua família que, afinal, ele era a fonte de Woodward.

Não é de admirar que o mito heróico-jornalístico ainda defina a compreensão popular de Watergate. Além de Woodward e Bernstein, nenhuma personalidade proeminente em Watergate foi tema de um livro de memórias que tenha estado entre os mais vendidos e inspirado um filme repleto de estrelas e os protetores de uma fonte mítica que iludiu uma identificação conclusiva por décadas.


* W. Joseph Campbell é professor de estudos de comunicação na American University School of Communication


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter