[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Guerra de Gaza: qual é a representatividade do Hamas entre os palestinos comuns?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Pesquisa revela uma diminuição da confiança no Hamas. Questionados sobre o grau de confiança que tinham nas autoridades do Hamas, 44% disseram não ter qualquer confiança, enquanto 23% disseram ter pouca confiança. É significativo o fato de esta falta de confiança ser mais ou menos uniforme entre os grupos etários, com os que têm entre 18 e 29 anos e os que têm mais de 30 anos a darem respostas semelhantes

Palestinos caminham por escombros da guerra na Faixa de Gaza (Foto: Mohammad Ajjour/UNICEF)

Por Christoph Bluth*

Ao fim de mais de um mês, durante o qual Israel bombardeou implacavelmente e depois invadiu a Faixa de Gaza com o objetivo declarado de destruir o Hamas, as autoridades sanitárias de Gaza estimaram que mais de 13 mil pessoas – sobretudo civis e uma percentagem assustadoramente elevada de crianças – foram mortas.

No entanto, convém recordar que foi o ataque inicial a Israel pelos combatentes do Hamas, em 7 de outubro, que matou 1.200 pessoas – mais uma vez, sobretudo civis, muitos deles da forma mais brutal – que levou à invasão de Gaza por Israel.

Inicialmente, as Forças de Defesa de Israel emitiram avisos aos civis de Gaza para se deslocarem para sul. Mas os repetidos ataques aéreos a cidades no sul de Gaza deixaram a população com receio de que já não existam espaços seguros no enclave.

‘Israel continua a insistir, com o apoio dos seus aliados no Ocidente, que esta operação militar tem por objetivo erradicar o Hamas’

Israel continua a insistir, com o apoio dos seus aliados no Ocidente, que esta operação militar tem por objetivo erradicar o Hamas. Afirmam que é o fato de o Hamas se inserir nas populações civis que está causando tantas baixas.

Mas, recentemente, têm surgido sinais de que alguns civis palestinos estão desafiando abertamente a autoridade do Hamas. A Associated Press noticiou, em 10 de novembro, que multidões enfurecidas atiraram pedras na polícia do Hamas num local, enquanto noutro, pessoas amontoadas num abrigo da ONU lançaram insultos aos oficiais do Hamas.

Partido político ou grupo terrorista?

O Hamas foi fundado em Gaza em 1987 pelo xeque Ahmed Yassin, um imã, e pelo seu adjunto Abdel Aziz al-Rantisi. Isto aconteceu pouco depois do início da primeira Intifada – uma revolta contra a ocupação dos territórios palestinos por Israel.

Inicialmente surgido como uma ramificação da Irmandade Muçulmana no Egito, o Hamas criou mais tarde uma ala militar conhecida como Brigadas Izz al-Din al-Qassam. O seu principal objetivo era a resistência armada contra Israel, com o objetivo de libertar a Palestina histórica.

‘Embora exista apoio internacional à autodeterminação palestina, o objetivo do Hamas de destruir o Estado de Israel custou-lhe legitimidade’

Embora exista apoio internacional à autodeterminação palestina, o objetivo do Hamas – enunciado na sua carta fundadora – de destruir o Estado de Israel custou-lhe legitimidade junto de muitos que, de outra forma, apoiariam a causa palestina.

O grupo controla efetivamente Gaza desde pouco depois de o então primeiro-ministro israelense Ariel Sharon ter retirado as tropas e os colonos de Gaza em 2005. Nas eleições de 2006, o Hamas obteve a maioria dos assentos na legislatura da Autoridade Palestina e estabeleceu um governo. Isto deu ao Hamas alguma legitimidade no que diz respeito aos palestinos em Gaza – pelo menos temporariamente.

O sucesso inicial do Hamas foi atribuído à prestação de serviços sociais, como cuidados de saúde e assistência social. Inicialmente, também parecia ser um contraponto valioso ao que era visto como corrupção no seio do atual partido Fatah. Mas a Fatah e os seus apoiadores ocidentais consideraram o resultado das eleições inaceitável, o que levou à destituição do Hamas do poder na Cisjordânia. Este fato negou efetivamente ao Hamas o papel na AP que este considerava merecer.

As eleições presidenciais de 2008 confirmaram Mahmoud Abbas, da Fatah, como líder da AP. Mas, nesta altura, a divisão entre os dois partidos significava que, enquanto a AP, dominada pela Fatah, governava a Cisjordânia, o Hamas não era contestado em Gaza.

Voto de desconfiança

Mas uma pesquisa realizada pelo Barômetro Árabe, uma rede de pesquisa apartidária, entre 28 de setembro e 8 de outubro de 2023, revelou uma diminuição da confiança no Hamas (as pesquisas em Gaza foram concluídas a 6 de outubro). Solicitados a identificar o grau de confiança que tinham nas autoridades do Hamas, 44% disseram não ter qualquer confiança, enquanto 23% disseram ter pouca confiança. É significativo o fato de esta falta de confiança ser mais ou menos uniforme entre os grupos etários, com os que têm entre 18 e 29 anos e os que têm mais de 30 anos a darem respostas semelhantes.

‘50% dos entrevistados concordavam que: “O Hamas deveria deixar de apelar à destruição de Israel e, em vez disso, aceitar uma solução permanente de dois Estados baseada nas fronteiras de 1967”’

Além disso, uma sondagem anterior realizada pelo Washington Institute em julho de 2023 revelou que 62% das pessoas em Gaza apoiavam o Hamas a manter um cessar-fogo com Israel e 50% concordavam que: “O Hamas deveria deixar de apelar à destruição de Israel e, em vez disso, aceitar uma solução permanente de dois Estados baseada nas fronteiras de 1967”.

Assim, tendo em conta o fosso entre os objetivos e o estilo de governar do Hamas, como é que este manteve o controle do enclave de 2,2 milhões de pessoas durante tanto tempo? É importante lembrar que não há eleições desde 2006 e que a idade média dos habitantes de Gaza é de cerca de 18 anos, o que significa que a maioria das pessoas não teve a oportunidade de votar noutros líderes.

O Hamas também tem governado com mão de ferro. O Hamas tem utilizado métodos de controle rigorosos e autoritários, aplicando as suas próprias interpretações da sharia rigorosa, impondo a segregação dos sexos em público, controlando os meios de comunicação social, reprimindo qualquer oposição política e eliminando todos os mecanismos de transparência e responsabilização.

Numerosos relatórios detalharam as violações dos direitos humanos cometidas pelo Hamas contra civis palestinos, incluindo detenções arbitrárias, tortura, espancamentos e pena de morte. Para ser justo, um relatório de 2018 da Human Rights Watch descobriu que abusos semelhantes dos direitos humanos eram igualmente comuns na Cisjordânia sob a AP liderada pelo Fatah. O Hamas também é acusado de perseguir jornalistas que criticam o seu governo.

O catastrófico ataque do Hamas em 7 de outubro, que levou à morte de tantos civis palestinos em Gaza, eliminou qualquer pretensão de legitimidade que o Hamas possa ter tido aos olhos da maior parte do mundo. De fato, os dias do Hamas podem ter acabado. Mas isso só vai aumentar a urgência de encontrar uma solução a longo prazo para a Palestina, algo que parece mais distante do que nunca.


*Christoph Bluth é professor de relações internacionais e segurança na University of Bradford


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares