[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Por que as atuais medidas contra as mudanças climáticas não funcionam?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Apesar de a emergência climática ser reconhecida pelos principais atores do mundo, ações contra o aquecimento global não parecem ter efeito suficiente. Para professor de engenharia florestal, o planeta sofre de miopia climática severa e a indiferença deve ser a resposta mais provável que encontraremos em alguns anos

Ilustração dos efeitos do aquecimento global (Foto: Telos)

Por Víctor Resco de Dios*

A palavra do ano de 2019 segundo o dicionário Oxford foi emergência climática. Vários governos aprovaram declarações reconhecendo que a crise climática havia se tornado uma verdadeira emergência. Que consequências teve essa afirmação? As medidas que lideram o combate às alterações climáticas são eficazes?

Tratados internacionais sobre emissões

Em 2019, foram emitidas 41 gigatoneladas (Gt) de CO₂. No ano seguinte deparámo-nos com a Covid-19 e o abrandamento da atividade econômica teve como impacto uma queda das emissões para 38,5 Gt.

Passado o pior da pandemia, a atividade econômica se recuperou e em 2022 foram emitidos 40,5 Gt de CO₂, praticamente as mesmas emissões de antes das declarações de emergência climática em 2019. Em situações de emergência, como incêndios ou paradas cardiorrespiratórias, a ação deve ser tomada imediatamente, algo que não parece ter acontecido neste caso.

Em 2015 foi assinado o chamado Acordo de Paris, um pacto para limitar o aquecimento global a 2℃ e preferencialmente 1,5℃. Naquela época, as emissões eram de 39,5 Gt CO₂, 1 Gt abaixo das emissões atuais.

Podemos continuar voltando no tempo para estudar a eficácia de grandes declarações e acordos internacionais. Sob o Protocolo de Kyoto (1997) 37 países industrializados (principalmente europeus) concordaram em reduzir suas emissões em 5% durante o período 2008-2012 em comparação com os níveis de 1990.

A Europa reduziu suas emissões territoriais de CO₂, mas à custa do aumento das importações e da relocalização da indústria. Kyoto olhou para a produção de CO₂, não para o consumo. As emissões globais aumentaram de 27 Gt em 1990 para 39 Gt em 2012. No entanto, a Europa poderia gabar-se, ainda que falsamente, de ter conseguido reduzir as suas emissões. Na realidade, apenas reduziu a produção de carbono, mas não o seu consumo.

Em direção ao aquecimento de 2,5℃

A ideia de uma emergência climática ganhou força após a Assembleia Geral da ONU de 2019, onde se transmitiu a sensação de que o tempo para agir estava se esgotando e defendeu-se que 2030 era o último ano para prevenir os danos irreversíveis criados pelas alterações climáticas. Esta data tem origem no relatório especial que o painel da ONU sobre mudanças climáticas (IPCC) publicou em 2018. De acordo com este relatório, para limitar o aquecimento a 1,5 ℃ “seria necessário que as emissões globais líquidas de CO₂ de humanos origem diminuíssem em 2030 cerca de 45% em relação aos níveis de 2010”.

A partir de hoje, é improvável que as emissões de CO₂ sejam reduzidas abaixo do necessário para limitar o aquecimento a 1,5 ℃. Com os acordos atualmente assinados, o aquecimento seria de 2,5 ℃ em 2030 e 3,2 ℃ até o final do século.

Considera-se que, se a temperatura média global subir acima de 2℃, as consequências seriam devastadoras. O clima estabelece as bases sobre as quais qualquer sociedade é estabelecida. Qualquer choque climático se traduz em nossa economia instantaneamente. As colheitas, a disponibilidade de água e alimentos, a saúde, a indústria… Tudo o que fazemos e aquilo de que dependemos para viver está intimamente relacionado com o clima. Portanto, muitas pessoas vão sofrer e, principalmente, as mais vulneráveis.

Por que não seremos capazes de reduzir as emissões?

As medidas que estamos tomando para lidar com as mudanças climáticas são extremamente ineficientes. O principal programa de descarbonização da economia é o sistema de comércio de emissões (SCE), legado de Kyoto. Desde a sua primeira implementação em 2005, este sistema resultou numa diminuição anual das emissões territoriais europeias de 1,5%. Isso significa que a redução de emissões na União Européia, que hoje lidera essa redução, seria de 10% no ano de 2030. Muito longe da redução de 45% solicitada pelo relatório do IPCC. E isso sem contar os vazamentos derivados da realocação das emissões.

O SCE tornou-se um instrumento de distribuição de benefícios extraordinários entre diversos setores empresariais. Os lucros inesperados, como são chamados em inglês, surgem de falhas em seu projeto.

Nas fases iniciais da implementação na União Europeia, as licenças de emissão eram gratuitas para as empresas, mas repassavam o preço do carbono para o cliente, resultando em lucros entre 7 e 8 bilhões de euros por ano para concessionárias e outras empresas de energia.

A atual fase do SCE entrou em vigor em 2021, na sequência das declarações de emergência climática. Embora seja verdade que esse problema foi parcialmente corrigido nos últimos anos, o problema do benefício não diminuirá.

Uma das principais soluções na luta contra a mudança climática é a implementação em larga escala de parques eólicos e solares. As emissões dessas tecnologias são praticamente nulas. No entanto, outras tecnologias (como o carvão) que são grandes emissores também são usadas para gerar eletricidade. Isso permite que as concessionárias repassem ao consumidor um preço muito mais alto pelo CO₂ do que eles têm que pagar pelos direitos de emissão.

Pesquisadores da Universidade de Dresden calcularam que os benefícios continuarão fluindo para as concessionárias da União Europeia pelo menos durante a próxima década. Na Austrália, as usinas a carvão estão recebendo US$ 1,2 bilhão. Esses pesquisadores denunciam que o SCE transformou o princípio de “o poluidor paga” em “o poluidor recebe”. Com esses benefícios, o SCE não fornece praticamente nenhum incentivo para desenvolver tecnologias limpas.

Plantando árvores compensatórias

A outra medida estrela é o plantio compensatório. De acordo com o SCE, as empresas que consomem todas as suas licenças devem plantar árvores para absorver o CO₂ restante. Uma prática comum entre grandes multinacionais é pagar uma associação de conservação, ou uma empresa florestal, para plantar árvores em seu nome.

Muitas dessas plantações são realizadas em países do Sul Global e visam converter savanas em florestas. As savanas são ecossistemas muito antigos, originados há 8 milhões de anos. Portanto, abrigam em seus solos um grande estoque de carbono que seria liberado no plantio das árvores, pois antes do plantio o solo deve ser retirado e aerado.

Essa prática também é uma grande ameaça para as comunidades africanas que vivem na savana. E também pela biodiversidade que abrigam: leões, elefantes e rinocerontes são espécies da savana.

Na Espanha também encontramos empresas e associações que realizam plantações compensatórias. Muitas vezes, as plantações não são mantidas, o que aumenta o risco de incêndios futuros.

Miopia climática

Pode-se argumentar que o brilho da emergência climática está nos cegando. Com a desculpa das mudanças climáticas, está sendo implementado um sistema de troca de emissões pelo qual pagamos caro e que resulta em grandes benefícios para os negócios, enquanto as emissões são pouco reduzidas.

O que acontecerá quando chegarmos a 2030 e provavelmente descobrirmos novamente que as emissões de CO₂ estão longe do necessário para limitar o aquecimento com segurança? Como vamos nos comunicar sobre as mudanças climáticas nessa época?

A estratégia de comunicação por trás da emergência climática implica que em 2030 o mundo vai acabar, ou quase. Mas não é assim, só vai estar um pouco mais quente do que hoje. Os modelos prevêem aumentos de temperatura lineares e não abruptos. Teremos o problema depois de 2050 e, sobretudo, no final do século.

O assédio contínuo da mídia sobre um fim iminente do clima pode levar ao tédio da população. Talvez a indiferença seja a resposta mais provável que encontraremos em alguns anos.

As medidas atuais não são apenas inadequadas para enfrentar o problema climático, mas a população perceberá aos poucos que um paraíso de negócios está escondido sob a égide de uma ação climática que só resulta no aumento da injustiça social. Grandes multinacionais e entidades conservacionistas dedicadas ao plantio de árvores serão os grandes beneficiados.

Estamos transformando a mudança climática em uma história de horror, lucros de grandes empresas e greenwashing. Sofremos de miopia climática severa.


*Víctor Resco de Dios é professor de engenharia florestal e mudança global na Universitat de Lleida


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em espanhol.

Uma versão deste artigo foi publicada originalmente na revista Telos da Fundación Telefónica.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares