01 novembro 2023

Como a islamofobia e o racismo antipalestino são fabricados por meio da desinformação

Por meio de veículos de mídia e redes coordenadas, circulam tropos e conspirações islamofóbicas e antipalestinas. Eventualmente, eles passam a ser vistos como fatos sociais, especialmente em tempos de guerra, conflito e tensões políticas elevadas.

Por meio de veículos de mídia e redes coordenadas, circulam tropos e conspirações islamofóbicas e antipalestinas. Eventualmente, eles passam a ser vistos como fatos sociais, especialmente em tempos de guerra, conflito e tensões políticas elevadas.

Por Jasmin Zine*

Na comunicação política, uma grande mentira – o que é conhecido como “efeito da verdade ilusória” – é quando a repetição constante da desinformação torna as pessoas mais propensas a aceitá-la como verdade.

É por meio da repetição que as mentiras ganham força. Quanto maior for a exposição a ideias e tropos específicos que possam ser afirmações falsas, maior será a probabilidade de essa desinformação ser entendida como real.

Uma infinidade de notícias falsas circula na Internet e nas mídias sociais. Diferentemente das informações erradas por equívoco ou imprecisão, as campanhas de desinformação disseminam deliberadamente propaganda para criar medo e suspeita.

Os setores de desinformação e os corretores que trocam essa moeda falsa têm uma imensa capacidade de fazer circular propaganda e teorias de conspiração para um público maior, fora de suas próprias câmaras de eco.

Produzindo ficções sociais

Por meio de veículos de mídia e redes coordenadas, circulam tropos e conspirações islamofóbicas e antipalestinas. Eventualmente, eles passam a ser vistos como fatos sociais, especialmente em tempos de guerra, conflito e tensões políticas elevadas.

Durante esses tempos difíceis, a capacidade de autorizar a violência em massa se baseia na circulação de tropos desumanizadores e “histórias assustadoras”. Essa propaganda direcionada enquadra populações inteiras como “demônios populares” desviantes, responsáveis por crimes e problemas sociais. Isso cria então pânicos morais, usados para justificar atos de opressão.

Uma ameaça violenta

Em meu livro, Under Siege: Islamophobia and the 9/11 Generation, documentei como, desde o 11 de setembro, dois bilhões de muçulmanos em todo o mundo enfrentaram punição coletiva. Construídos como demônios populares que põem em risco as sociedades ocidentais, os muçulmanos têm sido enquadrados como inextricavelmente ligados ao apoio e à promoção da violência.

Mais recentemente, esse tropo ficou evidente em declarações públicas feitas por políticos canadenses, incluindo o primeiro-ministro Justin Trudeau. A prefeita de Toronto, Olivia Chow, descreveu os recentes comícios e movimentos de solidariedade aos palestinos como “glorificando” a violência e caracterizou todos os participantes desses eventos como “apoiadores do Hamas”.

A onipresença da islamofobia levou a estereótipos generalizados de muçulmanos e palestinos (incluindo aqueles que não são muçulmanos) como propensos à violência e ao terrorismo. Quando essas narrativas racistas são adotadas por políticos, elas falsamente equiparam o apoio do povo palestino ao apoio ao terrorismo e instilam medo e pânico moral sobre a presença muçulmana neste país e em outros lugares.

Políticas antimuçulmanas

A crença pública nas narrativas difamatórias de muçulmanos violentos pode se tornar uma segunda natureza para as pessoas que assistem a reportagens tendenciosas na mídia convencional e em várias plataformas de mídia social que circulam narrativas antimuçulmanas.

Por exemplo, as atitudes negativas dos canadenses em relação aos muçulmanos ficaram evidentes em uma pesquisa da Radio Canada de 2017. Cinquenta e um por cento dos entrevistados no Canadá – e 57% em Quebec – achavam que a presença de muçulmanos no país os deixava “um pouco” ou “muito preocupados” com a segurança. Quase um em cada quatro canadenses – 23% – seria a favor da proibição da imigração muçulmana para o país, um nível de apoio que subiu para 32% em Quebec.

Os sentimentos islamofóbicos generalizados se traduzem em políticas e práticas antimuçulmanas. Recentemente, a Biblioteca Pública de Markham, em Ontário, removeu temporariamente as exibições do Mês da Herança Islâmica de suas filiais depois que um e-mail foi enviado aos funcionários dizendo que, “dada a situação atual no Oriente Médio, é melhor não promovermos ativamente o Mês da Herança Islâmica…”.

A islamofobia também tem consequências mortais, incluindo histórias de terror inventadas sobre gangues de aliciamento de muçulmanos na Europa.

Rumores e desinformação on-line

As alegações infundadas de que o Hamas decapitou e queimou 40 bebês israelenses foram repetidas por chefes de estado internacionais, celebridades e meios de comunicação, apesar de não haver nenhuma confirmação oficial pelas autoridades israelenses desse suposto ato horrível. https://www.youtube.com/embed/0el9wiOBmmM?wmode=transparent&start=0 A Al Jazeera verifica as alegações sobre o Hamas.

No entanto, a repetição dessa história falsa levou à caracterização desumanizadora dos palestinos como “monstros sanguinários” e “animais humanos”, fomentando o racismo antipalestino generalizado.

Essas campanhas de desinformação e demonização também resultaram tragicamente no assassinato de Wadea Al-Fayoume, um menino muçulmano palestino-americano de seis anos, em Plainfield, Illinois. Ele foi esfaqueado 26 vezes, supostamente pelo proprietário branco de sua família, que também é acusado de esfaquear repetidamente a mãe de Al-Fayoume, proclamando: “Vocês muçulmanos devem morrer!”

Casualidades da guerra

Essas trajetórias violentas trazem à mente a máxima militar atribuída ao dramaturgo grego antigo Ésquilo, que adverte que “Na guerra, a verdade é a primeira vítima”. Em tempos de guerra e conflito, a desinformação é a primeira arma a ser utilizada.

Consumir narrativas políticas ou da mídia de forma acrítica não é mais uma opção. Nestes tempos distópicos, o público precisa ser capaz de separar fato de ficção, pois as invenções se disfarçam de verdade. As consequências são terríveis.


*Jasmin Zine é professora de sociologia na Wilfrid Laurier University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original em https://theconversation.com/br

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Tags:

Fake News 🞌 Guerra 🞌 Palestina 🞌

Cadastre-se para receber nossa Newsletter