29 junho 2023

Como os antigos gregos impediram que narcisistas impiedosos capturassem sua democracia – e o que a política moderna poderia aprender com eles

Em uma democracia representativa moderna, personalidades problemáticas tendem a ascender aos cargos mais altos de governo. Para professor de psicologia, a democracia direta dos cidadãos da antiga Atenas era um sistema político mais genuinamente democrático do que o atual Reino Unido ou Estados Unidos

Em uma democracia representativa moderna, personalidades problemáticas tendem a ascender aos cargos mais altos de governo. Para professor de psicologia, a democracia direta dos cidadãos da antiga Atenas era um sistema político mais genuinamente democrático do que o atual Reino Unido ou Estados Unidos

Uma pintura de Philipp Foltz representando um discurso do estadista grego Péricles (CC)

Por Steve Taylor*

A Grécia Antiga era, em muitos aspectos, uma sociedade brutal. Estava quase perpetuamente em guerra, a escravidão era rotineira e as mulheres tinham um status inferior na sociedade.

‘Os gregos antigos eram mais avançados do que as sociedades europeias modernas por conta dos seus sistemas políticos sofisticados’

No entanto, há um sentido importante em que os gregos antigos eram mais avançados do que as sociedades européias modernas: seus sistemas políticos sofisticados. Os cidadãos da antiga Atenas desenvolveram um sistema político que era mais genuinamente democrático do que o atual Reino Unido ou Estados Unidos.

Nosso conceito moderno de democracia é, na verdade, uma degradação do conceito grego original e tem muito pouco em comum com ele. A democracia moderna é meramente representativa, o que significa que elegemos funcionários para tomar decisões em nosso nome, que se tornam membros de órgãos legislativos como o parlamento britânico ou o Congresso dos Estados Unidos.

Os antigos gregos praticavam a democracia direta. Literalmente era “poder do povo”. E eles tomaram medidas especificamente para garantir que pessoas narcisistas implacáveis fossem incapazes de dominar a política.

‘Um problema fundamental nos tempos modernos é que não somos rigorosos o suficiente sobre as pessoas que permitimos que se tornem políticos’

Acontecimentos políticos recentes mostram que temos muito a aprender com os atenienses. Indiscutivelmente, um problema fundamental nos tempos modernos é que não somos rigorosos o suficiente sobre as pessoas que permitimos que se tornem políticos.

Há muitas pesquisas mostrando que pessoas com traços negativos de personalidade, como narcisismo, crueldade, amoralidade ou falta de empatia e consciência, são atraídas por funções de alto status, incluindo a política.

Em uma democracia representativa, portanto, as pessoas que se apresentam como representantes incluem uma proporção considerável de pessoas com personalidades desordenadas – pessoas que almejam o poder por causa de seus traços malévolos.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/daniel-buarque-mesmo-sem-trump-e-bolsonaro-populismo-continua-ameacando-a-democracia/

E as personalidades mais desordenadas e malévolas – as mais cruéis e amorais – tendem a ascender aos cargos mais altos de qualquer partido político e de qualquer governo. Este é o fenômeno da “patocracia”, que discuto longamente em meu novo livro DisConnected.

Vários profissionais de saúde mental americanos argumentaram que Donald Trump tem um grave distúrbio de personalidade que o tornava inadequado para o cargo de presidente. Isso incluiu a sobrinha do presidente, Mary Trump – uma psicóloga qualificada.

Uma das principais preocupações era seu aparente fracasso em assumir a responsabilidade por suas ações ou erros. Sob Trump, o governo dos EUA efetivamente se tornou uma patocracia.

No Reino Unido, Boris Johnson mostrou traços de personalidade semelhantes. O exemplo mais recente foi sua reação petulante e narcisista ao relatório da Câmara dos Comuns, que descobriu que ele havia deliberadamente enganado o parlamento em várias ocasiões enquanto estava no cargo.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/felipe-tirado-estado-constituicao-e-defesa-da-democracia-pressupostos-para-o-brasil-que-podemos-vir-a-ser/

Repetidas vezes, Johnson demonstrou uma incapacidade autoiludida de admitir erros ou assumir a responsabilidade por suas ações – junto com traços de desonestidade e loquacidade –  que são característicos de uma personalidade da “tríade obscura”.

Antigas práticas democráticas

Os antigos atenienses estavam muito cientes do perigo de personalidades inadequadas atingirem o poder. Seu método padrão de seleção de funcionários políticos era a seleção – seleção aleatória por sorteio. Esta foi uma forma de garantir que as pessoas comuns estivessem representadas no governo e de se proteger contra a corrupção e o suborno.

‘Os atenienses estavam cientes do risco de entregar a responsabilidade a pessoas incompetentes, mas mitigavam o risco garantindo que as decisões fossem tomadas por grupos ou conselhos’

Os atenienses estavam cientes de que isso significava o risco de entregar a responsabilidade a pessoas incompetentes, mas mitigavam o risco garantindo que as decisões fossem tomadas por grupos ou conselhos. Diferentes membros do grupo assumiriam a responsabilidade por diferentes áreas e atuariam como verificadores do comportamento uns dos outros.

A democracia ateniense também era direta de outras maneiras. As decisões políticas, como ir à guerra, a eleição de líderes militares ou a nomeação de magistrados, eram tomadas em grandes assembleias, onde milhares de cidadãos se reuniam.

Um mínimo de 6.000 cidadãos era necessário para aprovar qualquer legislação. Os cidadãos geralmente votavam mostrando as mãos – às vezes também com pedras ou pedaços de cerâmica quebrada – e as decisões eram tomadas por maioria simples.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/o-ataque-golpista-no-brasil-e-um-reflexo-do-descredito-da-democracia-em-nivel-global/

Os antigos atenienses também praticavam um sistema de ostracismo, não muito diferente de alguns grupos igualitários de caçadores-coletores (que também estavam cientes do perigo de machos alfa dominarem o grupo). Ostracismos ocorriam anualmente, quando pessoas perturbadoras que ameaçavam a democracia eram nomeadas para expulsão.

Se um número suficiente de cidadãos votasse a favor, os disruptores seriam banidos da cidade por dez anos. De certa forma, a decisão de negar a Johnson o passe parlamentar de um ex-membro pode ser vista como uma forma de ostracismo para protegê-lo contra sua influência corruptora.

Um retorno à democracia direta

Eleição por sorteio ainda é usada em democracias modernas, principalmente no serviço de júri, mas esses antigos princípios democráticos poderiam ser usados muito mais amplamente e com efeito positivo.

‘Em 2014, Alexander Guerrero defendeu o que chamou de “lotocracia” como uma alternativa à democracia representativa’

De fato, nos últimos anos, muitos pensadores políticos recomendaram reviver a separação no governo. Em 2014, Alexander Guerrero, professor de filosofia na Rutgers University, publicou um artigo influente defendendo o que chamou de “lotocracia” como uma alternativa à democracia representativa.

Nesse sistema, o governo é realizado por assembléias de “legislaturas de tema único” que se concentram em questões específicas, como agricultura ou saúde. Os membros das legislaturas são escolhidos por sorteio e tomam decisões após consultar especialistas sobre o tema relevante.

A cientista política Hélène Landemore defendeu um modelo semelhante no qual assembleias de cidadãos selecionados aleatoriamente (variando em tamanho de 150 a 1.000) tomam decisões políticas.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/daniel-buarque-ataques-a-democracia-ameacam-construcao-do-prestigio-do-brasil/

O modelo de “democracia aberta” de Landemore também inclui referendos e “ciclos de feedback de públicos” (quando um grande número de pessoas discute políticas em fóruns da Internet e o feedback é passado aos legisladores).

Além disso, o filósofo político John Burnheim usou o termo demarquia para um sistema político feito de pequenos “júris de cidadãos” selecionados aleatoriamente que discutem e decidem políticas públicas.

Tais medidas seriam uma forma de reduzir a probabilidade de pessoas com transtornos de personalidade alcançarem o poder, pois tornariam os cargos de liderança menos atraentes para pessoas implacáveis e amorais.

‘Democracia direta significa menos poder individual e mais controles e limitações à autoridade individual’

Democracia direta significa menos poder individual e mais controles e limitações à autoridade individual. Governos e organizações tornam-se menos hierárquicos, mais cooperativos do que competitivos, baseados na parceria e não no poder.

Isso significa menos oportunidades para pessoas desordenadas satisfazerem seu desejo de domínio na esfera política. Ficaríamos então livres da patocracia e de todo o caos e sofrimento que ela causa.


*Steve Taylor é professor de psicologia na Leeds Beckett University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Tags:

Democracia 🞌 História 🞌

Cadastre-se para receber nossa Newsletter