17 outubro 2022

Biden diz que os EUA não querem uma nova Guerra Fria, mas alguns sinais indicam que o país pode querer isso

Observadores de política externa estão cada vez mais enquadrando a relação entre os EUA, de um lado, e Rússia e China, do outro, como uma “Guerra Fria” na qual os países devem escolher lados. Para o professor Gregory A. Daddis, o confronto apresentou vantagens e oportunidades para os EUA, e o país poderia admitir que realmente sente dele

Observadores de política externa estão cada vez mais enquadrando a relação entre os EUA, de um lado, e Rússia e China, do outro, como uma “Guerra Fria” na qual os países devem escolher lados. Para o professor Gregory A. Daddis, o confronto apresentou vantagens e oportunidades para os EUA, e o país poderia admitir que realmente sente dele

O presidente dos EUA, Joe Biden, durante discurso (Foto: CC)

Por Gregory A. Daddis*

“Não buscamos uma Guerra Fria”, declarou o presidente Joe Biden na frente de líderes mundiais reunidos nas Nações Unidas em 21 de setembro de 2022. Ele continuou para dizer que os EUA não estavam pedindo que “nenhuma nação escolhesse entre os Estados Unidos ou qualquer outro parceiro.”

Mas provavelmente não é assim que todos veem a perspectiva de uma nova Guerra Fria. Apesar dos protestos de Biden, os observadores de política externa estão cada vez mais enquadrando a relação entre os EUA, de um lado, e Rússia e China do outro como uma “Guerra Fria” na qual os países devem, de fato, escolher lados. Além disso, em uma pesquisa de março de 2022, mais de 6 em cada 10 adultos americanos disseram que a chance de uma Guerra Fria era maior do que cinco anos antes.

Para ser claro, não há razão para questionar a sinceridade pessoal de Biden. Mas, como historiador da Guerra Fria, acho legítimo perguntar se a posição de “não retorno à Guerra Fria” é totalmente representativa do establishment da política externa de Washington, dado que a Guerra Fria apresentou vantagens e oportunidades para os EUA. acredito que, se os americanos estivessem realmente sendo honestos sobre o assunto, alguns poderiam admitir que realmente sentem falta da Guerra Fria.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/da-logica-do-conflito-ao-paradigma-da-paz/

Identidade e intervenção

Do fim da Segunda Guerra Mundial em 1945 ao colapso do Muro de Berlim em 1989, a Guerra Fria aparentemente ofereceu vantagens a sucessivas administrações dos EUA e ao público americano em geral que desapareceram desde então.

Talvez o mais importante, os Estados Unidos podiam justificar políticas externas intervencionistas durante a era da Guerra Fria. Em lugares distantes, da Grécia ao Congo, os EUA se apresentavam como uma superpotência benevolente que ajudava democracias incipientes contra uma ameaça comunista expansionista, real ou percebida.

Apoiar os aliados, seja na Coreia do Sul ou no Vietnã do Sul, fazia sentido quando Moscou, nas palavras do presidente Truman, havia se movido “além do uso da subversão para conquistar nações independentes” e estava usando “invasão armada e guerra”.

As guerras por procuração, em que as superpotências lutavam entre si por meio de aliados locais, eram muito mais palatáveis ​​quando o inimigo podia ser considerado uma ameaça ideológica global.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/escalada-de-tensoes-na-asia-reflete-instabilidade-global-e-interesses-domesticos-de-eua-china-e-taiwan/

A Guerra Fria também ofereceu uma forma de capital cultural a seus defensores, permitindo que os americanos adotassem uma identidade nacional virtuosa, contrastando-a com os males do comunismo sem Deus. Nesse enquadramento, os americanos eram os defensores morais dos princípios democráticos universais. Os comunistas, por outro lado, eram a antítese dessas doutrinas éticas.

No popular quadrinho de 1947 Is this Tomorrow, por exemplo, as crianças foram ensinadas que a ascensão dos comunistas ao poder dependia das ferramentas de “fome, assassinato, escravidão [e] força”. Havia pouca ambiguidade ao pintar os capangas de Moscou em traços vermelhos sangrentos.

Diante de tais ameaças, aqueles que trabalham no complexo industrial-militar-congressista encontraram uma justificativa direta e popular para o aumento dos gastos com defesa. Em apenas um ano – de 1948 a 1949 – o Congresso aprovou um aumento de 20% nas dotações de defesa.

A crise de Berlim, a vitória comunista na guerra civil da China, o teste nuclear soviético bem-sucedido e a formação da Otan – todos ocorridos em 1949 – prenunciavam um futuro em que os americanos precisavam de uma máquina militar potente para proteger sua segurança e seus interesses. É claro que o crescimento das forças armadas dos EUA significou poder e influência no cenário global, um benefício adicional dos crescentes orçamentos de defesa.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/o-brasil-e-sua-circunstancia-geografica-e-diplomatica/

Ganho pessoal (e político)

Ao servir a propósitos de segurança nacional, a Guerra Fria também poderia promover certos grupos de interesse e indivíduos em todo o cenário político dos Estados Unidos.

Não é de surpreender que os políticos oportunistas pudessem lucrar com a retórica da guerra alegando que estavam sozinhos defendendo a segurança da nação.

O senador de Wisconsin Joseph McCarthy provou ser o mais infame, até mesmo colocando seus concidadãos uns contra os outros para ganhar índices de aprovação populistas. Em 1950, McCarthy descreveu o mundo como estando em dois “campos armados hostis” e exortou a nação a se tornar “um farol no deserto da destruição”.

Sua notoriedade pública – embora talvez não sua queda – mostrou como os medos da Guerra Fria poderiam ser explorados e depois traduzidos em recompensas políticas.

E, como sugeriu o “medo vermelho” de McCarthy, as ameaças percebidas do comunismo doméstico também poderiam ser usadas por críticos sociais conservadores para forçar o consenso sobre uma sociedade americana do pós-guerra em rápida mudança. Em apenas um exemplo, “red baiters” maliciosamente alegaram que o Congresso da Juventude Negra do Sul havia sido infiltrado por comunistas e que o maior movimento pelos direitos civis era uma fachada para marxistas anarquistas.

Poderiam os conservadores de hoje encontrar uso semelhante para a ameaça do “outro” para promover um americanismo que busca promover a unidade sobre o indi-

identidades individuais, direitos e imigração mais ampla? Aqueles que defendem um retorno ao “consenso da Guerra Fria” certamente acreditam que sim.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/guerra-mudou-o-mundo-e-o-brasil-tera-que-escolher-um-lado-na-nova-polarizacao-global/

Mito e realidade

A década de 1990, no entanto, deu a entender que os triunfos da Guerra Fria vieram com consequências não intencionais. Não apenas a estabilidade do sistema internacional foi aparentemente destruída no mundo pós-Guerra Fria, mas a falta de um inimigo unificador pareceu deixar os cidadãos dos EUA se voltando uns contra os outros.

Os americanos se envolveram em guerras culturais estridentes dentro de casa, com críticos reclamando de uma sufocante “correção política” que pisoteou sua liberdade de expressão. Enquanto isso, as forças armadas dos EUA foram lançadas à deriva no exterior em busca de uma grande estratégia viável depois que seu compromisso de décadas de conter o comunismo terminou.

O cientista político John J. Mearsheimer chegou a argumentar, no final da Guerra Fria, em 1990, que a Europa estava “revertendo a um sistema estatal que criava incentivos poderosos para a agressão no passado”. Não por coincidência, Mearsheimer também sugeriu recentemente que o avanço pós-Guerra Fria da Otan nos antigos países soviéticos é o culpado pela guerra atual. Talvez a Guerra Fria de fato tivesse oferecido uma sensação de estabilidade tanto quanto de medo.

Por um momento, a guerra global pós-11 de Setembro contra o terrorismo ofereceu a promessa de uma nova ameaça, existencial o suficiente para construir uma nova grande estratégia americana para o século XXI. Em seu discurso sobre o Estado da União de 2002, o presidente George W. Bush declarou que os Estados Unidos estavam enfrentando “um eixo do mal, armando-se para ameaçar a paz do mundo”.

No entanto, apesar de toda a sua ameaça, o eixo e seus “aliados terroristas” não conseguiam reunir medo suficiente para manter a atenção dos Estados Unidos quanto os comunistas da Guerra Fria. É verdade que os Estados Unidos permaneceram no Afeganistão por duas longas e violentas décadas, mas as ameaças pareciam mais locais do que existenciais.

A Rússia de Putin hoje prefigura um possível retorno a uma Guerra Fria global – uma nova luta colocando o “bem” contra o “mal”. Assim, dada a alegação do presidente Biden de que ele não está procurando uma, os americanos devem refletir profundamente sobre como uma Guerra Fria do século XXI pode realmente ser.

A Guerra Fria no mito e na memória pode ter parecido uma época mais idílica, quando os americanos unidos lideravam em um sistema internacional bastante estável. No entanto, essas décadas foram muito mais violentas, muito mais contenciosas tanto em casa quanto no exterior, do que os americanos gostariam de admitir.

Alguns em Washington podem realmente ficar felizes em retornar a uma nova Guerra Fria. Mas os formuladores de políticas devem pensar duas vezes antes de comprometer a nação com um conflito de décadas que se baseia mais em um passado imaginado do que em uma leitura crítica dessa história.


*Gregory A. Daddis é professor de história moderna e militar dos EUA na San Diego State University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter