30 outubro 2023

Biden em Israel: Um retrato do fracasso da política externa americana no Oriente Médio

Após a reunião de Biden com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, uma retrospectiva da política externa americana e da profunda má administração dos EUA em relação às crises em curso no Oriente Médio ao longo de décadas ilustra o quanto a dominação americana prejudicou a paz e a estabilidade internacionais

Após a reunião de Biden com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, uma retrospectiva da política externa americana e da profunda má administração dos EUA em relação às crises em curso no Oriente Médio ao longo de décadas ilustra o quanto a dominação americana prejudicou a paz e a estabilidade internacionais

Por Shaun Narine*

O presidente dos EUA, Joe Biden, foi a Israel para dar apoio ao país em meio a uma guerra já sangrenta entre os israelenses e o Hamas, incluindo o bombardeio de um hospital da Faixa de Gaza que deixou centenas de mortos.

Após a reunião de Biden com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Tel Aviv, vale a pena fazer uma retrospectiva da política externa americana e da profunda má administração dos EUA em relação às crises em curso no Oriente Médio ao longo de décadas. Isso ilustra o quanto a dominação americana prejudicou a paz e a estabilidade internacionais.

‘O ataque do Hamas a Israel é um indício do caos e da desordem que se seguirão em um “mundo multipolar” emergente, em que os EUA não estão mais no controle dos assuntos internacionais’

Alguns argumentaram que o ataque do Hamas a Israel é um indício do caos e da desordem que se seguirão em um “mundo multipolar” emergente, ou seja, um mundo em que os EUA não estão mais no controle firme dos assuntos internacionais.

Mas vejamos como esse controle dos EUA funcionou para o Oriente Médio no passado. A atual guerra em Gaza é um produto direto do fracasso da política externa americana. É um argumento a favor de um mundo multipolar, no qual os EUA têm menos influência e outras potências podem atuar como forças de compensação.

Influência desestabilizadora

Os EUA têm um longo histórico de desestabilização do Oriente Médio, uma região extremamente importante do mundo. Em 1953, os EUA e o Reino Unido arquitetaram um golpe contra o primeiro-ministro iraniano democraticamente eleito, Mohammed Mossadegh, e fortaleceram o xá do Irã.

O odiado regime do xá caiu nas mãos da revolução iraniana em 1979. O resultado foi a República Islâmica do Irã, um estado que tem atormentado os EUA e seus aliados desde então.

Em 2003, os EUA invadiram ilegalmente o Iraque, matando mais de 300.000 pessoas e espalhando o caos pela região. A chamada Guerra ao Terror continuou, matando milhões de pessoas, direta e indiretamente, durante anos.

‘Devido à sua enorme influência sobre ambas as partes, os EUA poderiam ter tomado medidas mais neutras para chegar a um fim justo para o conflito há muito tempo’

A má administração americana do conflito israelense-palestino é outro fracasso substancial. Devido à sua enorme influência sobre ambas as partes, os EUA poderiam ter tomado medidas mais neutras para chegar a um fim justo para o conflito há muito tempo. Em vez disso, eles atenderam aos governos israelenses cada vez mais radicais, facilitando a subjugação brutal dos palestinos e criando a panela de pressão que agora explodiu.

A panela de pressão entra em erupção

As Nações Unidas chamaram a ocupação do território palestino por Israel de “ilegal sob a lei internacional”. Por muitas décadas, Israel construiu assentamentos na Cisjordânia que equivalem à anexação de fato da Palestina. Israel também anexou Jerusalém Oriental. Hoje, a população de colonos israelenses na Palestina ocupada é de 700.000 pessoas.

Os assentamentos violam o Artigo 49 da Quarta Convenção de Genebra. Eles são o maior obstáculo à “solução de dois Estados” para o conflito israelense-palestino.

Os EUA se opõem formalmente aos assentamentos israelenses, mas não fizeram nada para realmente impedi-los. Em vez disso, forneceram armas e apoio financeiro a Israel e o protegeram de enfrentar as consequências de suas violações da lei internacional nas Nações Unidas e em outras instituições internacionais.

‘Essa proteção dos EUA aparentemente incutiu em Israel uma atitude de impunidade’

Essa proteção aparentemente incutiu em Israel uma atitude de impunidade. Israel constrói assentamentos e oprime os palestinos; os EUA o ajudam a fazer isso ou defendem as ações israelenses.

Em 2021, a ONG internacional Human Rights Watch publicou um relatório que dizia que as “privações palestinas são tão severas que equivalem a crimes contra a humanidade de apartheid e perseguição”. Outros grupos, como a Anistia Internacional, dizem que os palestinos estão sujeitos a violência e humilhação regulares das Forças de Defesa de Israel (IDF) e dos colonos judeus.

O atual governo israelense incentiva e protege a violência dos colonos e expressou a intenção de anexar o que resta da Palestina. Na verdade, sua pressão por uma reforma judicial controversa está ligada aos seus projetos de terras palestinas.

‘Prisão a céu aberto’

Gaza tem sido descrita como uma prisão a céu aberto. Há 17 anos, ela está sob um bloqueio ilegal que viola o Artigo 33 da Quarta Convenção de Genebra, que proíbe o que é conhecido como punição coletiva.

O desemprego entre os jovens é de 60%; 97% da água não é potável; a desnutrição infantil é generalizada.

‘Se os EUA tivessem usado sua influência global para pressionar Israel a aderir à lei internacional, a situação poderia ter sido evitada’

Se os EUA tivessem usado sua influência global para pressionar Israel a aderir à lei internacional, a situação poderia ter sido evitada. Em vez disso, eles permitiram as ambições expansionistas de Israel e, ao mesmo tempo, minaram a lei internacional.

O antigo governo de Donald Trump abandonou qualquer pretensão americana de imparcialidade no conflito Israel-Palestina, implementando os Acordos de Abraão, que foram projetados para contornar completamente a questão palestina, criando laços econômicos entre Israel e os estados árabes vizinhos.

O governo de Biden dobrou os esforços de Trump ao promover a normalização das relações entre a Arábia Saudita e Israel, novamente ignorando os palestinos.

Região no limite

Não há como justificar as ações incrivelmente violentas do Hamas em 7 de outubro. Mas o ataque foi associado aos esforços israelenses para criar laços com nações árabes como a Arábia Saudita.

‘O fato de Biden passar um tempo em Israel é um lembrete claro de que os EUA não estão mais qualificados para mediar o conflito’

O fato de Biden passar um tempo em Israel é um lembrete claro de que os EUA não estão mais qualificados para mediar o conflito.

À medida que a guerra mata milhares de civis palestinos, a região corre o risco de explodir. Os árabes estão furiosos; o Hezbollah pode intervir. O custo do petróleo pode aumentar, prejudicando ainda mais a frágil economia mundial

A China ajudou a restabelecer as relações diplomáticas entre o Irã e a Arábia Saudita porque obtém mais de 50% de seu petróleo do Oriente Médio e tem um grande interesse na paz regional.

Mesmo assim, ela aparentemente não deseja se inserir em um atoleiro que os EUA ajudaram a criar. Outras potências que dependem do petróleo do Oriente Médio têm de suportar as consequências da política americana desequilibrada e inepta.

Os Estados Unidos causam e exacerbam muitos dos problemas e conflitos que mais tarde tentam administrar. A força americana fez com que o resto do mundo tivesse que aceitar essa realidade. Porém, quanto mais cedo surgir um verdadeiro mundo multipolar, melhor será para a estabilidade global – e talvez até para o Estado de Direito.


*Shaun Narine é professor de relações internacionais e ciência política na St. Thomas University (Canada)


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original em https://theconversation.com/br

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Tags:

Diplomacia 🞌 Direitos Humanos 🞌 EUA 🞌 Faixa de Gaza 🞌 Guerra 🞌

Cadastre-se para receber nossa Newsletter