[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

Sergio Abreu e Lima Florêncio: A Guerra entre Israel e Irã

O conflito em Gaza tem resultado imponderável porque depende não só do combate no terreno, mas também da opinião pública norte-americana e do dilema iraniano. Para embaixador, assim como a Guerra do Vietnã, confronto atual pode ser decidido pela política em Washington e não pelas armas

As democracias mais poderosas do mundo foram construídas sobre o sofrimento de outros

Professor aborda a retórica de confronto entre “democracias e autocracias” proclamada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, defendendo que esta narrativa ignora o histórico de intervenções e apoio a regimes autoritários no exterior. Ao analisar as origens sombrias das democracias ocidentais e a ascensão da China, o autor critica a hipocrisia do Ocidente e enfatiza a importância da cooperação global diante das ameaças atuais, apontando a necessidade de uma abordagem mais humilde nas relações internacionais.

Os laços da China com Cuba e sua crescente presença na América Latina geram preocupações em Washington quanto à segurança, mesmo enquanto líderes tentam aliviar as tensões

Estados Unidos tentam reatar as relações com a China, mas, ao mesmo tempo, se preocupam com a influência chinesa em sua vizinhança. Para pesquisador e ex-funcionário do governo norte-americano, os laços com Cuba, a espionagem e as atividades militares chinesas são grandes preocupações para a segurança nacional do país

Daniel Buarque: Brasil, Índia, democracia e status internacional

Tratada como fundamental para o aumento do status brasileiro aos olhos do Ocidente, a democracia é jogada para segundo plano quando EUA e Europa lidam com a Índia. Potencial econômico e militar indiano aparenta colocar o país em um patamar mais alto de prestígio, e seu papel como possível contraponto à China e à Rússia aumentam a tolerância ocidental com o risco de autocracia sob Narendra Modi