12 novembro 2022

Do QAnon a Sandman, como os demônios encontraram um lugar na cultura popular

Demônios existem como um paradoxo na cultura ocidental, se transformando em personagem pop para muitos enquanto se consolidam como símbolo do mal na política dominada pela “guerra espiritual”

Demônios existem como um paradoxo na cultura ocidental, se transformando em personagem pop para muitos enquanto se consolidam como símbolo do mal na política dominada pela “guerra espiritual”

A cartoon depiction of the devil being beaten up by a young girl superhero.
Caricatura do demônio na cultura popular (Everett Collection Inc / Alamy)

Por Zohar Hadromi Allouche e S. Jonathon O’Donnell*

Na cultura ocidental de hoje, os demônios existem como um paradoxo. A crença religiosa neles é muitas vezes apresentada como marginal. Muitas denominações cristãs tradicionais estão em silêncio ou lhes dão pouco destaque.

Em 2014, por exemplo, a Igreja da Inglaterra removeu referências ao diabo de seus ritos batismais. Quando questionado, o bispo Robert Paterson afirmou que o diabo “se transformou em um personagem de desenho animado sem maldade particular”.

Ao mesmo tempo, a política americana está repleta de demônios. As ideias pentecostais de “guerra espiritual” – o uso da oração para combater forças demoníacas invisíveis – tornaram-se dominantes e ligadas a movimentos nacionalistas cristãos ascendentes.

A crença em forças satânicas por trás da política nacional e global são princípios centrais de movimentos de conspiração como o QAnon, que afirma (sem evidências) que atores e políticos liberais se envolvem em abuso ritual satânico de crianças para prolongar suas vidas.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/house-of-the-dragon-foi-inspirada-em-uma-luta-dinastica-medieval-verdadeira-por-uma-governante-mulher/

Os demônios ocidentais permanecem vivos e fortes na cultura popular e na política contemporânea. Um de nós (Jonathon) pesquisou a presença contínua de demônios na cultura contemporânea, dos jogos eletrônicos às eleições nos EUA.

O outro (Zohar) concluiu um estudo demonstrando a complexidade dos demônios nas tradições religiosas medievais e nos contos populares. Ele mostra a relevância duradoura dessas histórias para as sociedades contemporâneas, pois essas histórias continuam a ser contadas como uma tradição oral viva até hoje.

No entanto, é difícil refutar completamente a afirmação do bispo Paterson. A alternância do diabo entre personagem de desenho animado e ameaça ativa faz parte da complexa história da figura no mundo moderno. Embora antes vistos como ameaças às almas humanas, os demônios hoje são figuras muito mais ambíguas.

Malevolência, benevolência, ambivalência

Essa ambiguidade está de acordo com percepções não-cristãs e antigas de demônios. No antigo Oriente Próximo, os demônios eram percebidos como bons, maus ou moralmente neutros. Liminaridade (existindo em um limite ou limiar) e ambivalência são características essenciais dos demônios. O cristianismo reprimiu esses aspectos, identificando os demônios como inequivocamente malignos.

Tradições como o Islã mantêm uma representação ambivalente de longa data de demônios e satanás, que podem ser rebeldes e crentes, enganadores e professores, benevolentes e inimigos. Nas sociedades muçulmanas mediterrâneas e além, os jinn (espíritos que podem ser benevolentes ou malévolos) continuam sendo uma parte concreta da vida, devido à herança cultural e à tradição religiosa.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/dragoes-aterrorizantes-fazem-parte-de-muitas-religioes-ha-muito-tempo-e-ha-uma-razao-para-seu-apelo/

O Alcorão descreve os jinn como uma espécie inteligível, ao lado de humanos e anjos. Esse contexto religioso e cultural também exerce uma poderosa influência sobre as noções de saúde e doença. Por exemplo, a noção de possessão por jinn pode ser vista nas sociedades muçulmanas, mas também no Reino Unido, entre comunidades do Paquistão, Bangladesh, Oriente Médio ou norte da África. Às vezes, a medicina moderna e uma autoridade religiosa islâmica estão envolvidas nesses casos.

O diabo e a cultura popular

Para muitos ocidentais hoje, no entanto, os demônios são mais frequentemente figuras da cultura popular. No entanto, tais representações muitas vezes ecoam suas caracterizações antigas e não-cristãs ambivalentes. No programa de TV O Mundo Sombrio de Sabrina (2018-2020), o diabo é um objeto de devoção para vários personagens principais e um antagonista principal.

Em Lúcifer (2016–2021), ele abandona o governo do inferno para administrar uma boate em Los Angeles e ajudar a polícia local a resolver crimes. Essas obras muitas vezes tomam as origens teológicas do diabo mais como inspiração do que como evangelho.

O personagem-título de Lúcifer é extraído do universo da graphic novel de Neil Gaiman, The Sandman – sujeita a uma recente adaptação para a TV. E o Lúcifer de Sandman deve mais ao Satanás do poema épico de John Milton de 1667 Paradise Lost do que à Bíblia cristã.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/acreditar-em-teorias-da-conspiracao-pode-ser-emocionante-e-isso-que-as-torna-perigosas/

O retrato de Milton de Satanás lutando contra sua condenação inspirou outros a refletir sobre temas de liberdade, poder, justiça e ego que reformulam o diabo de maneiras moralmente ambivalentes e até heróicas. Além de simples figuras do mal, os demônios tornaram-se motivos artísticos para explorar as lutas do livre arbítrio, a oposição à tirania e o processamento do luto.

Essa ambivalência existe em outras tradições religiosas. O Islã sufi (místico) retrata Iblis (Satanás) como trágico. Ele foi desobediente à ordem de Deus para os anjos se curvarem diante do recém-criado Adão porque ele preferia o monoteísmo (apenas se prostrar a Deus) à obediência.

No entanto, como o personagem de Kevin Spacey, Robert “Verbal” Kint, diz em Os Suspeitos: “O maior truque do diabo foi convencer o mundo de que ele não existe.”

Esta frase ecoa um aviso sufi contra virar as costas para os demônios: assim que eles são considerados mortos, eles se levantam e apunhalam a pessoa pelas costas. Para os praticantes de “guerra espiritual”, foi exatamente isso que aconteceu. Para eles, o declínio na crença literal em demônios e a diversidade de representações da mídia são sinais não do declínio do mal – mas de sua ascensão.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/por-que-os-versos-satanicos-de-salman-rushdie-permanece-tao-controverso-decadas-apos-sua-publicacao/

A direita cristã e o diabo

O movimento nacionalista cristão na América hoje é exemplar aqui. Como Jonathon analisa em seu livro, Passing Orders (2021), os membros desse movimento veem a liberalização social e a mudança cultural como demoníacas.

Direitos reprodutivos e LGBTQIA+ e movimentos recentes por justiça racial, como Black Lives Matter, são exemplos-chave de tais mudanças. Muitas vezes, isso é enquadrado como uma luta contra um “humanismo secular” imaginado, a ideologia condutora e diabólica de um mundo secular que esqueceu que o diabo existe e que, portanto, age em seu nome.

Apesar das percepções comuns deles como inerentemente maus, o lugar dos demônios na sociedade moderna é muitas vezes ambíguo. Em consonância com suas representações em contextos não cristãos, como as tradições muçulmanas e gregas antigas, os demônios ultrapassam simples representações do mal, tornando-se simbólicos de conceitos como liberdade, obstinação, rebelião, paixão e áreas morais cinzentas. Essa ambiguidade torna-se especialmente gritante quando colocada contra diferenças em contextos culturais e épocas históricas.


*Zohar Hadromi Allouche é professora assistente de pensamento e diálogo religioso clássico no Trinity College Dublin

S. Jonathon O’Donnell faz pós-doutorado em estudos americanos na Queen’s University Belfast.


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/adoracao-satanica-sodomia-e-ate-assassinato-como-stranger-things-reviveu-o-panico-satanico-americano-dos-anos-80/

Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter