15 agosto 2022

Mulheres afegãs se recusam a permanecer em silêncio um ano após a volta do Talibã

Ativistas pressionam comunidade internacional contra o retrocesso de direitos das mulheres no Afeganistão. A abertura da vida pública às mulheres como membros da sociedade civil, governo e parlamento mudou o país, e agora elas estão determinadas a não deixar essas conquistas escaparem

Ativistas pressionam comunidade internacional contra o retrocesso de direitos das mulheres no Afeganistão. A abertura da vida pública às mulheres como membros da sociedade civil, governo e parlamento mudou o país, e agora elas estão determinadas a não deixar essas conquistas escaparem

Mulheres afegãs vestem burcas para fazer compras no mercado (Foto: CC)

Por Homa Hoodfar e Mona Tajali*

Em 15 de agosto completa-se um ano desde a tomada forçada do Afeganistão pelo Talibã pela segunda vez.

No ano passado, testemunhamos um rápido retorno ao governo conservador religioso e à violação dos direitos das mulheres que muitos afegãos experimentaram durante o período entre 1996 e 2001. Como se temia, o Talibã reverteu várias conquistas passadas em termos de direitos de mulheres e meninas, incluindo a limitação do acesso das mulheres ao emprego, educação, representação política e até liberdade de movimento.

A violência contra mulheres e meninas também tem aumentado, enquanto o Talibã ignora todos os padrões internacionais de direitos humanos que muitos trabalharam arduamente para ratificar e fazer parte da lei nacional nas últimas duas décadas.

O que as mulheres exigem

Mas as mulheres afegãs, seja dentro do país ou aquelas que foram forçadas a fugir desde agosto de 2021, se recusaram a permanecer em silêncio diante desses ataques aos seus direitos.

Como membros da rede Women Living Under Muslim Laws, conversamos com mulheres ativistas, líderes e ex-políticas que agora estão exiladas em países que vão do Canadá à Alemanha e Grécia. Aprendemos sobre a luta contínua pelos direitos das mulheres no Afeganistão e suas diversas estratégias de resistência.

Apesar de suas diferenças políticas, muitas das mulheres estão empenhadas em construir uma frente unificada contra o Talibã e sua postura conservadora em relação aos direitos das mulheres, democracia e direitos humanos.

Uma ativista e ex-política afegã nos disse:

“Nesta fase infeliz de nossa história, temos dois objetivos principais: apoiar a oposição das mulheres no Afeganistão e desenvolver uma mensagem unificada para que a comunidade internacional não demonstre qualquer inclinação para aceitar o Talibã”.

Apesar de lidar com o trauma do retorno do Talibã e seu próprio deslocamento súbito, muitas dessas mulheres continuam a se ver como representantes das mulheres afegãs.

Elas têm trabalhado em rede com outras mulheres e grupos de mulheres e pressionado coletivamente a comunidade internacional para agir sobre os direitos das mulheres afegãs.

Esses esforços são uma continuação do trabalho das mulheres no Afeganistão, onde, graças a uma cota de gênero obrigatória constitucionalmente adotada em 2004, pelo menos 27% dos assentos parlamentares foram reservados para mulheres. Isso criou uma massa crítica de mulheres em cargos de alto nível.

Outra mulher ativista nos disse:

“As cotas parlamentares nos abriram as portas da política e nos deram a confiança para nos vermos como cidadãos iguais e com direitos, pelo menos legalmente. Esta foi uma mudança importante da era do Talibã, pois eles viam as mulheres mais como ameaças do que como pessoas.”

A abertura da vida pública às mulheres como membros da sociedade civil, governo e parlamento mudou o Afeganistão, e as mulheres estão determinadas a não deixar essas realizações escaparem.

Três áreas de foco

Os exilados estão concentrando seu ativismo em torno de três grandes preocupações:

  1. Apoiar as mulheres e as forças pró-democracia dentro do país.
  1. Garantir que a comunidade internacional e as principais potências ocidentais não reconheçam o antidemocrático e extremista Talibã como um governo legítimo e ignorem suas atrocidades contra mulheres, minorias e organizadores da sociedade civil.
  1. Continuar a responsabilizar a comunidade internacional por suas promessas de direitos humanos, paz e segurança, particularmente em um momento em que há menos atenção global sobre o Talibã no Afeganistão e suas violações de direitos humanos.

As mulheres no exílio se uniram e formaram grupos e criaram plataformas políticas e trabalham duro para aumentar a conscientização internacional sobre o governo do Talibã.

Como parte desses esforços, elas emitem declarações públicas, participam de entrevistas na mídia, escrevem artigos e organizam seminários e webinars para articular suas demandas e discutir desenvolvimentos políticos relevantes no Afeganistão.

Elas incansavelmente pressionam a comunidade internacional e as potências ocidentais, exortando-os a não negligenciar os direitos das mulheres no Afeganistão para sua própria conveniência política. Elas também formaram alianças com ativistas da paz e dos direitos humanos nos vários países onde residem.

Armando o Islã

Uma preocupação central que as mulheres compartilharam conosco é a possibilidade de que os governos ocidentais possam achar conveniente encobrir o duro governo do Talibã e conceder-lhes legitimidade.

As mulheres apontam que qualquer tolerância com a chamada lei islâmica do Talibã terá implicações negativas para outros grupos fundamentalistas religiosos na região e além.

Para mostrar como o Talibã armou o Islã para seu próprio ganho, muitas líderes afegãs estão trabalhando para lembrar à comunidade internacional que poucos países de maioria muçulmana, incluindo a altamente conservadora Arábia Saudita, têm políticas anti-mulheres tão draconianas.

Destacar a natureza não-islâmica do governo do Talibã tem sido uma tática-chave do ativismo das mulheres no exílio, muitas vezes em colaboração com outros grupos e movimentos de direitos das mulheres que aumentam a conscientização sobre os perigos do governo fundamentalista religioso sobre os direitos das mulheres. Isso inclui nossa rede, Women Living Under Muslim Laws.

Essas mulheres ativistas do Afeganistão sabem do importante impacto que as Nações Unidas, a União Europeia e outras organizações internacionais podem ter na atual turbulência política do Afeganistão. Consequentemente, eles estão pressionando esses órgãos, lembrando-os de respeitar seus próprios padrões de direitos humanos.

Expondo injustiças

As mulheres estão atualmente pedindo à ONU que não renove uma isenção de proibição de viagem para membros do Talibã que foi originalmente concedida à liderança do grupo para permitir negociações internacionais em apoio à reconciliação e paz afegãs.

As mulheres denunciam a grave injustiça que permite ao Talibã viajar internacionalmente em busca de seus objetivos políticos, enquanto as mulheres no Afeganistão foram privadas do direito de ir à escola, visitar centros de saúde ou simplesmente deixar suas casas.

Com a guerra na Ucrânia e a distração do público para longe do Afeganistão, os governos estão revertendo suas promessas ao povo afegão que vive sob o domínio do Talibã.

O governo canadense, apesar de seu compromisso declarado com os direitos humanos e políticas feministas e sua promessa pública de ajudar os afegãos que trabalharam com o governo canadense, está encerrando seu programa especial para o Afeganistão.

Muitos afegãos veem isso como uma traição, enquanto muitos canadenses consideram que está em desacordo com os valores humanitários do Canadá.

No aniversário da tomada do Afeganistão pelo Talibã, é hora de redirecionar nossa atenção para o país e ouvir aqueles que estão bem posicionados para nos aconselhar sobre estratégias para trazer paz, segurança, igualdade de gênero, direitos humanos e democracia ao Afeganistão: suas mulheres ativistas e líderes.


*Homa Hoodfar é professora de antropologia na Concordia University

Mona Tajali é professora de relações internacionais e estudos da mulher, de gênero e sexualidade no Agnes Scott College


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter