19 fevereiro 2024

Navalny morre na prisão – mas seu projeto de ativismo anti-Putin deve continuar vivo

Por mais de uma década, Navalny lutou contra o autoritarismo russo nas urnas e nas ruas como o rosto mais conhecido do antiputinismo, filtrando o apoio a candidatos corajosos o suficiente para se posicionar contra os desejos do Kremlin.

Por mais de uma década, Navalny lutou contra o autoritarismo russo nas urnas e nas ruas como o rosto mais conhecido do antiputinismo, filtrando o apoio a candidatos corajosos o suficiente para se posicionar contra os desejos do Kremlin.

Por Regina Smyth*

Longas filas de russos suportaram temperaturas abaixo de zero em janeiro de 2024 para exigir que o candidato contra a guerra na Ucrânia, Boris Nadezhdin, pudesse concorrer na próxima eleição presidencial. Foi um protesto por meio de petição – uma tática que reflete o legado de Alexei Navalny, o antigo ativista russo pró-democracia. As autoridades dizem que Navalny, um obstáculo persistente para o presidente russo Vladimir Putin, morreu na prisão em 16 de fevereiro de 2024.

Por mais de uma década, Navalny lutou contra o autoritarismo russo nas urnas e nas ruas como o rosto mais conhecido do antiputinismo, filtrando o apoio a candidatos corajosos o suficiente para se posicionar contra os desejos do Kremlin.

Muitas vezes, a oposição não se traduz em sucesso eleitoral. Os partidários de Nadezhdin não esperavam que seu homem pudesse realmente derrotar Putin na votação marcada para 20 de março de 2024. Dada a rigidez com que o Kremlin controla a política na Rússia, o resultado da eleição presidencial é uma conclusão precipitada.

Mas, para muitos russos, a oportunidade de apoiar a candidatura de Nadezhdin foi o único meio legal que tiveram para comunicar sua oposição a Putin e à guerra. O fato de que as autoridades acabaram impedindo a participação de Nadezhdin sugere que o Kremlin continua cauteloso em relação a qualquer candidato que fure as narrativas oficiais de uma nação unida por trás da guerra de Putin na Ucrânia.

Esse esforço para protestar contra a eleição parece ainda mais pungente após a morte de Navalny. Ele refletia o cerne de uma estratégia que Navalny desenvolveu ao longo de mais de uma década e sobre a qual tenho escrito desde 2011.

O movimento permanece

Navalny entendeu que a oposição na Rússia tinha a ver com a exposição da corrupção no partido de Putin, o Rússia Unida; com o esclarecimento da manipulação eleitoral; e com o alerta ao mundo sobre a crescente violência política.

Navalny destacou a oposição muito real a Putin e ao governo autoritário que existe na Rússia, apesar das tentativas de escondê-la do mundo.

Para atingir esses objetivos, a equipe de Navalny – e é importante lembrar que, embora o homem Navalny tenha morrido, o movimento que ele desencadeou permanece – usou repetidamente as eleições para tornar a oposição visível e estimular o debate político.

Navalny emergiu como uma força política em 2011, quando deu início a um grande movimento nacional de protesto antes da eleição parlamentar de 2012, rotulando o Rússia Unida de Putin como o “Partido dos Vigaristas e Ladrões”. Ele realizou concursos para criar memes para ilustrar o slogan e mobilizou eleitores que não apoiavam o partido de Putin.

Putin inevitavelmente venceu a eleição, com o chefe da missão de observação da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa comentando que, devido a irregularidades e abusos, o vencedor “nunca esteve em dúvida”.

Mas, mesmo assim, os esforços de Navalny significaram que uma nova oposição estava em vigor e pronta para sair às ruas para combater a fraude eleitoral.

Saindo do “gueto” eleitoral

Apesar de sua prisão e condenação por acusações de fraude em 2013, Navalny concorreu à prefeitura de Moscou naquele ano. Na campanha, ele inovou a política eleitoral, recrutando jovens voluntários que se reuniam com os eleitores nas ruas e em seus blocos de apartamentos.

Navalny obteve quase 30% dos votos – o dobro do esperado – e alegou que o único motivo pelo qual o candidato escolhido a dedo por Putin, Sergei Sobyanin, ultrapassou os 50% necessários para garantir a vitória no primeiro turno foi devido a uma votação falsificada.

Mais tarde, Navalny articulou o verdadeiro sucesso, como ele o via, em uma entrevista com o colega da oposição Vladimir Kara-Murza: “Mostramos que as pessoas comuns – sem recursos administrativos, sem patrocinadores corporativos, sem gurus de relações públicas – podem se unir e obter resultados nas urnas”, disse ele. “Mostramos que não estamos mais confinados a um ‘gueto’ eleitoral de 3%.”

Navalny concluiu: “Para mim, o resultado mais importante dessa campanha é o retorno da política real à Rússia.”

Durante a campanha de 2013, minha equipe de pesquisa entrevistou ativistas de Navalny e observou o trabalho no comitê de campanha.

Essas entrevistas ressaltaram o relacionamento de Navalny com as pessoas. Muitos dos voluntários rejeitaram a ideia de que estavam trabalhando para ele. Em vez disso, eles estavam se voluntariando porque admiravam as táticas de Navalny. Gostavam de seu estilo político. Eles queriam mudanças na Rússia.

Navalny reuniu os russos alienados pela política russa e os capacitou. Como argumentou um voluntário da campanha entrevistado em nosso estudo, “Todos nós estávamos assustados antes do primeiro protesto e até deixamos um testamento antes de nos juntarmos ao movimento. Mas não era uma multidão. Havia pessoas como nós. A sensação que tivemos no comitê de Navalny foi a sensação de estar com pessoas como eu”.

Durante a década seguinte, Navalny e sua equipe continuaram a devolver a competição política à política russa. Eles criaram organizações locais que atraíram apoio e obtiveram algum sucesso nas cidades siberianas de Tomsk e Novosibirsk, apesar dos inúmeros obstáculos que o Kremlin colocou em seu caminho.

Retorno do exílio

O ponto culminante desses esforços é um sistema que Navalny desenvolveu em 2018 chamado Smart Voting. Por meio de uma ferramenta on-line, a equipe de Navalny incentiva os russos a apoiar qualquer candidato reformista nas eleições e, em particular, direciona os eleitores para o candidato com maior probabilidade de derrotar o partido Rússia Unida de Putin.

Uma pesquisa realizada pelos acadêmicos russos Mikhail Turchenko e Grigorii Golosov mostra que a ferramenta teve um efeito muito significativo sobre os eleitores e aumentou a participação, os votos da oposição e a atenção popular nas eleições.

Os esforços de Navalny aparentemente irritaram o Estado russo e podem ter sido o ímpeto de uma tentativa de assassinato contra ele pela agência de segurança interna da Rússia, conhecida como FSB, em 2020.

Navalny sobreviveu ao envenenamento por Novichok somente porque a pressão internacional forçou o regime a permitir que ele fosse transportado de avião para a Alemanha para tratamento. Durante sua recuperação, Navalny usou o ataque contra ele para promover seu ativismo político e transmitir a crescente brutalidade do regime. Ele ficou famoso por ter entrevistado seu suposto assassino para descobrir os detalhes da operação.

O retorno de Navalny à Rússia sob ameaça de prisão em fevereiro de 2021 deu início aos maiores protestos de rua – em apoio ao líder da oposição – desde o colapso da União Soviética.

Esses protestos inspiraram uma nova geração de ativistas. Eles também marcaram novos níveis de brutalidade policial contra manifestantes pró-democracia nas ruas e nos anos seguintes.

Passando o bastão

Desde 2022, lidero uma equipe de pesquisa que tem entrevistado russos que deixaram o país em oposição à guerra na Ucrânia. Muitos participaram dos protestos contra a guerra do final de fevereiro e início de março de 2022 e apontam o retorno de Navalny à Rússia como a origem de seu próprio engajamento político e ativismo.

Como argumentou um entrevistado: “Minha posição cívica começou a surgir. Tudo isso foi graças a Navalny, seu movimento e seu incentivo para perceber algo, prestar atenção… Comecei a ir a comícios e fiquei muito mais interessado e consciente da política”.

Enquanto Navalny definhava em campos de prisioneiros após sua prisão sob a acusação de violar a liberdade condicional durante sua recuperação na Alemanha, muitos desses ativistas no exílio continuaram a operar fora da Rússia, conforme descobriram nossos parceiros de pesquisa.

Eles apoiam os refugiados ucranianos e os esforços de guerra e participam da busca de crianças que foram levadas para a Rússia. Eles participam ativamente de manifestações contra a guerra e apoiam uns aos outros no exílio.

Essa nova geração de ativistas russos – sejam os que estão no exílio defendendo mudanças ou os que arriscam seu bem-estar na Rússia para apoiar candidatos contra a guerra – é o legado de Navalny, e acredito que ele seja poderoso.

Antes de sua morte, Navalny falou diretamente à geração de ativistas que ele inspirou: “Ouçam, tenho algo muito óbvio para lhes dizer. Vocês não podem desistir. Se eles decidirem me matar, isso significa que somos incrivelmente fortes.”


*Regina Smyth é professora de ciência política na Indiana University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original em https://theconversation.com/br

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter