12 maio 2023

O Banco Mundial costumava causar danos incalculáveis – mas há 30 anos começou a ser reformado, o que deu certo

Tags:

África 🞌 Desigualdade 🞌 Economia 🞌 Meio ambiente 🞌 Política 🞌

Por décadas o banco apoiou projetos ambiental e socialmente prejudiciais, o que gerou protestos constantes por parte das comunidades afetadas durante a década de 1980. Em 1993, ele reconheceu que sua posição era insustentável e estabeleceu o primeiro mecanismo de responsabilidade independente, o que merece ser celebrado

Por décadas o banco apoiou projetos ambiental e socialmente prejudiciais, o que gerou protestos constantes por parte das comunidades afetadas durante a década de 1980. Em 1993, ele reconheceu que sua posição era insustentável e estabeleceu o primeiro mecanismo de responsabilidade independente, o que merece ser celebrado

Vista da vida em uma favela de Bangladesh, onde o Banco Mundial ajuda no desenvolvimento projetos (Foto: Banco Mundial)

Por Danny Bradlow*

Projetos de desenvolvimento podem ter impactos profundos em suas sociedades. Há muitos benefícios decorrentes da construção de novas estradas e usinas elétricas e da modernização das práticas agrícolas. Mas também podem ter consequências negativas permanentes.

Por exemplo, as comunidades podem ser realocadas involuntariamente para dar lugar a estradas ou usinas elétricas. Esses projetos podem mudar a maneira como os recursos naturais são usados em uma determinada área, dificultando ou impossibilitando as comunidades de continuar com suas práticas agrícolas tradicionais. As oportunidades de trabalho que eles criam podem desafiar os valores e modos de vida tradicionais.

Historicamente, muitos desses projetos foram de propriedade ou patrocinados por governos, ansiosos para trazer os benefícios da modernização para seus cidadãos. Frequentemente, eles foram financiados por instituições multilaterais como o Banco Mundial, criado em 1944 para financiar a reconstrução e o desenvolvimento de seus estados membros.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/cop27-tres-razoes-pelas-quais-os-paises-ricos-nao-podem-mais-ignorar-os-pedidos-para-pagar-ao-mundo-em-desenvolvimento-pelo-caos-climatico/

Essas instituições não desconheciam os impactos ambientais e sociais dos projetos que financiavam. No entanto, eles sustentaram que cada Estado deveria decidir por si mesmo como deseja gerenciar esses impactos. Eles argumentariam que eram apenas os financiadores e, portanto, deveriam se submeter ao governo sobre como gerenciá-los. Seria uma afronta à soberania do Estado eles interferirem nas decisões do governo sobre esses aspectos do projeto.

A confiança do Banco Mundial em sua capacidade de evitar a responsabilidade por suas decisões e ações relacionadas a projetos foi reforçada pelo fato de ser imune a processos em qualquer tribunal nacional.

O resultado foi que o banco apoiou alguns projetos ambiental e socialmente prejudiciais. Como resultado, durante a década de 1980, o Banco Mundial foi alvo de protestos constantes por parte das comunidades afetadas e seus aliados em todo o mundo.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/como-o-novo-banco-de-desenvolvimento-do-brics-pode-melhorar-a-transparencia-e-a-prestacao-de-contas/

Para seu crédito, há 30 anos o banco, após uma campanha internacional da qual este autor participou, reconheceu que sua posição era insustentável. Em 1993, estabeleceu o primeiro mecanismo de responsabilidade independente dirigido pelos cidadãos do mundo, o Painel de Inspeção do Banco Mundial.

Este artigo argumenta que o 30º aniversário do painel é um momento para celebrar suas realizações. O painel tem limitações significativas. No entanto, seu impacto no desenvolvimento e nas instituições internacionais de financiamento do desenvolvimento foi profundo.

Conquistas

O painel de três membros é independente da administração do Banco Mundial. Recebe e investiga denúncias de comunidades que alegam ter sido prejudicadas ou ameaçadas devido ao descumprimento do Banco Mundial com suas próprias políticas e procedimentos no financiamento de um determinado projeto. Ou seja, o foco do painel é exclusivamente a conduta e as decisões dos funcionários e da administração do banco.

Ele envia suas conclusões ao conselho do banco. Nos casos de descumprimento, espera-se que a administração do banco apresente à diretoria um plano de ação explicando como corrigirá o descumprimento e suas consequências. Tanto o relatório como o plano de ação são tornados públicos.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-da-onu-nao-tem-impacto-significativo-pesquisa-alerta/

Desde que foi estabelecido, as investigações do painel resultaram em algum alívio para as comunidades afetadas. Por exemplo, 70 mil pessoas, anteriormente ignoradas pelo Banco Mundial, receberam indenização por suas perdas em um projeto de ponte em Bangladesh. Na República Democrática do Congo, um projeto florestal foi revisado para dar maior proteção às comunidades indígenas que não haviam sido adequadamente consultadas sobre o projeto.

O painel também conseguiu estabelecer o princípio de que as organizações financeiras internacionais devem ser responsáveis por suas próprias ações perante as comunidades cujas vidas são afetadas pelos projetos e políticas que financiam.

Desde a sua criação, mais de 25 bancos e instituições multilaterais e nacionais de desenvolvimento estabeleceram seus próprios mecanismos independentes de prestação de contas. No total, estes mecanismos receberam 1.634 reclamações, das quais cerca de 330 foram provenientes de 27 países africanos. Quarenta e cinco dos casos africanos resultaram em conclusões sobre cumprimento ou não cumprimento.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/e-possivel-que-a-desigualdade-economica-no-brasil-caia/

Todas as constatações de não conformidade levaram a planos de ação da administração destinados a corrigir a não conformidade.

Os relatórios desses mecanismos são usados tanto pelas próprias instituições para melhorar seu desempenho em projetos de desenvolvimento quanto para reduzir o risco de repetir erros antigos. Eles também podem ajudar a garantir que sejam responsabilizados quando repetirem esses erros.

Muitos desses mecanismos agora oferecem serviços de resolução de disputas, além de revisões de conformidade. Muitos deles agora também publicam relatórios documentando as lições que aprenderam sobre aspectos específicos de projetos de desenvolvimento.

É importante observar que muitas das questões que surgem nesses casos também surgem em projetos do setor privado. Isso significa que os relatórios fornecem orientação e ajudam a desenvolver bons padrões de prática para todos os projetos de desenvolvimento. Eles também são usados para desenvolver as melhores práticas em relação aos direitos humanos e às responsabilidades ambientais dos negócios.

Desafios

Sem dúvida, os mecanismos independentes de responsabilização enfrentam desafios significativos.

O primeiro é que trazer casos para os mecanismos não é simples. Muitos dos casos de sucesso exigiram que as comunidades obtivessem a assistência de especialistas técnicos. Isso significa que os casos trazidos vêm de comunidades que têm acesso a ONGs e consultores sofisticados, e não porque são os casos mais urgentes.

Em segundo lugar, eles não podem tomar decisões obrigatórias ou determinar que as comunidades devem receber uma solução. Houve casos em que os prejudicados pela ação dos bancos foram indenizados. Mas esta não é a norma. Na verdade, há apenas um caso na África em que uma investigação de painel levou as vítimas a receber uma compensação monetária. O relatório do painel em um caso em Uganda resultou no Banco Mundial desenvolvendo uma nova política sobre violência de gênero e estabelecendo um fundo fiduciário para compensar e apoiar as meninas e mulheres vítimas dessa violência.

Desenhar e financiar remediação que possam ser usados em todos os casos em situações semelhantes é politicamente e tecnicamente complicado. Mas não é aceitável que aqueles que foram prejudicados pelas próprias falências do Banco não recebam uma remediação efetiva que os compense por sua perda.

Em terceiro lugar, deve-se notar a bravura necessária para apresentar denúncias a esses mecanismos. Eles exigem que os reclamantes vão a um fórum internacional contra seus próprios governos ou interesses poderosos em seus próprios países que apóiam os projetos que os bancos estão financiando. Portanto, é inevitável que, em alguns casos, os apoiadores do projeto retaliem os denunciantes. Isso sugere que os mecanismos e os bancos têm a responsabilidade de tomar medidas para proteger os reclamantes.

Para seu crédito, os bancos e os mecanismos previram esse problema e permitem reclamações confidenciais. Mas os procedimentos que visam proteger os denunciantes de represálias nem sempre foram totalmente eficazes.

Agora é prática padrão para instituições de financiamento multilaterais como o Banco Mundial ter um mecanismo independente de responsabilidade conduzido pelo cidadão que se concentre exclusivamente nas responsabilidades da instituição. A única exceção a esta regra geral é o Fundo Monetário Internacional.

Os mecanismos também demonstraram que podem evoluir e se adaptar a novos desafios. Embora suas limitações também tenham ficado claras, devemos comemorar os 30 anos do Painel de Inspeção.


*Danny Bradlow é professor de direito do desenvolvimento internacional e de relações econômicas africanas na University of Pretoria


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter