23 novembro 2022

O declínio global da democracia está ligado às redes sociais? Avaliamos as evidências para descobrir

O uso das redes sociais está ligado a um aumento do engajamento político, mas também aumenta a polarização, o populismo e a desconfiança nas instituições, revela a análise de quase 500 estudos em diferentes plataformas em países ao redor do mundo

O uso das redes sociais está ligado a um aumento do engajamento político, mas também aumenta a polarização, o populismo e a desconfiança nas instituições, revela a análise de quase 500 estudos em diferentes plataformas em países ao redor do mundo

Manifestantes usam celular durante a insurreição que culminou na invasão do Capitólio, nos EUA (CC)

Por Stephan Lewandowsky, Lisa Oswald, Philipp Lorenz-Spreen, e Ralph Hertwig*

Aqui estão duas formas comuns de pensar sobre a democracia na era digital: Primeiro, a internet é uma tecnologia de libertação e dará início a uma era de democracia global. Em segundo lugar, você pode ter mídia social ou democracia, mas não ambos.

Qual é mais correto? Não há dúvida de que a democracia está em retrocesso em todo o mundo. Mesmo democracias supostamente estáveis ​​viram recentemente eventos incompatíveis com a democracia e o estado de direito, como o ataque violento ao Capitólio dos EUA em 2021.

Para entender o papel das redes sociais nesse processo, realizamos uma revisão sistemática das evidências que ligam as mídias sociais a dez indicadores de bem-estar democrático: participação política, conhecimento, confiança, exposição a notícias, expressão política, ódio, polarização, populismo, estrutura de redes e desinformação.

Analisamos quase 500 estudos em diferentes plataformas em países ao redor do mundo e vimos alguns padrões amplos emergirem. O uso das mídias sociais está ligado a um aumento do engajamento político, mas também aumenta a polarização, o populismo e a desconfiança nas instituições.

Em nossa revisão, damos mais peso à pesquisa que estabelece vínculos causais entre redes sociais e indicadores de bem-estar democrático, em vez de apenas correlações.

As correlações podem ser interessantes, mas não podem provar que algum resultado é causado pelo uso da rede social. Por exemplo, suponha que encontremos uma ligação entre o uso de rede social e o discurso de ódio. Pode surgir porque as pessoas que produzem discurso de ódio usam mais as mídias sociais, e não porque o uso das redes sociais desencadeia o discurso de ódio.

As ligações causais podem ser estabelecidas de várias maneiras, por exemplo, por meio de experimentos de campo em larga escala. Os participantes podem ser solicitados a reduzir o uso do Facebook a 20 minutos por dia ou desligar completamente o Facebook por um mês (Ambas as intervenções levaram a um aumento no bem-estar e a abstinência total do Facebook também reduziu significativamente a polarização política.)

Mais engajamento, mais polarização

Nos 496 artigos que consideramos, mais correlacionais do que causais, encontramos uma mistura de efeitos positivos e negativos. Como costuma acontecer na ciência, o padrão é complicado, mas ainda pode ser interpretado.

Do lado positivo, descobrimos que o uso de mídia digital está relacionado a maior engajamento político e maior diversidade de exposição de notícias. Por exemplo, um estudo em Taiwan descobriu que o uso de rede social orientada para a informação aumentou a participação política. No entanto, isso só era verdade se o usuário acreditasse que um indivíduo pode influenciar a política por meio de ações online.

Pelo lado negativo, encontramos evidências consideráveis ​​de efeitos como o fomento da polarização e do populismo e a redução da confiança nas instituições. Os efeitos sobre a confiança nas instituições e na mídia foram particularmente pronunciados. Durante a pandemia, o uso da mídia digital demonstrou estar associado à hesitação em relação à vacina contra Covid-19.

Outro resultado negativo do uso da rede social, em uma variedade de contextos políticos e em várias plataformas, parece ser o aumento da polarização política.

Descobrimos que o aumento da polarização também estava ligado à exposição a pontos de vista opostos nos feeds de rede social. Em outras palavras, ser exposto às palavras de oponentes políticos não superou a divisão política. Em vez disso, parecia amplificá-la.

Ligação com violência

Também encontramos uma associação forte e generalizada entre uso de rede social e populismo. Mais uso de mídia social se traduz em uma maior parcela de votos para partidos populistas.

Estudos na Áustria, Suécia e Austrália encontraram evidências de uma associação entre o aumento do uso de redes sociais e a radicalização de direita online. Estudos na Alemanha e na Rússia forneceram evidências causais de que a mídia digital pode aumentar a incidência de crimes de ódio étnico.

Por exemplo, o estudo alemão descobriu que interrupções locais do Facebook (devido a falhas técnicas ou interrupções na internet, por exemplo) diminuíram a violência nesses locais. Os autores do estudo estimaram que 50% menos sentimentos anti-refugiados nas redes sociais reduziriam os incidentes violentos em 12,6%.

A distribuição dos efeitos pelo mundo também foi marcante. Os efeitos positivos sobre a participação política e o consumo de informação foram mais pronunciados nas democracias emergentes da América do Sul, África e Ásia. Os efeitos negativos foram mais evidentes nas democracias estabelecidas na Europa e nos Estados Unidos.

Sem respostas simples

Então, voltando ao ponto de partida: a internet é uma tecnologia de libertação? Ou as redes sociais são incompatíveis com a democracia?

Não há respostas simples de sim ou não. Há, no entanto, evidências de que a mídia digital impacta o comportamento político globalmente. Essa evidência justifica a preocupação com os impactos adversos das redes sociais na democracia.

Facebook, Twitter e outras mídias sociais não são incompatíveis com a democracia. O bem-estar democrático, no entanto, exige que os cientistas estudem cuidadosamente os efeitos sociais das mídias sociais. Esses efeitos devem ser avaliados e regulados por eleitores e formuladores de políticas eleitos, não por um pequeno grupo de indivíduos super-ricos.

Vimos passos pequenos, mas importantes, nessa direção. A Lei de Serviços Digitais da União Europeia é uma delas. Outra é a Lei de Responsabilidade e Transparência da Plataforma (PATA) proposta nos EUA, embora seu destino seja incerto.


Stephan Lewandowsky é diretor de psicologia cognitiva na University of Bristol e professor honorário de psicologia na University of Western Australia;

Lisa Oswald é pesquisadora no doutorado em ciência social computacional na Hertie School;

Philipp Lorenz-Spreen é pesquisador do Center for Adaptive Rationality, Max Planck Institute for Human Development

Ralph Hertwig é diretor do centro para racionalidade adaptativa no Max Planck Institute for Human Development


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter