08 outubro 2022

Por que é tão importante que Alla Pugacheva, a ‘czarina do pop russo’, tenha se manifestado contra a guerra na Ucrânia

Mulher mais famosa da Rússia, a cantora condenou a guerra e pediu liberdade de expressão, o fim das mortes dos jovens russos por objetivos ilusórios e disse que o conflito está tornando o país um pária e piorando a vida da população

Mulher mais famosa da Rússia, a cantora condenou a guerra e pediu liberdade de expressão, o fim das mortes dos jovens russos por objetivos ilusórios e disse que o conflito está tornando o país um pária e piorando a vida da população

A cantora russa Alla Pugacheva (CC)

Por Olga Partan*

Dias antes de o presidente russo, Vladimir Putin, anunciar referendos apressados ​​nas regiões ocupadas da Ucrânia e o recrutamento de homens russos, a cantora russa Alla Pugacheva postou uma mensagem condenando a guerra no Instagram, onde tem 3,5 milhões de seguidores.

Como alguém que acompanhou a carreira artística de Pugacheva e escreveu sobre suas personalidades dentro e fora do palco, eu sabia que essa não era uma declaração anti-guerra comum.

Apesar do fato de Pugacheva não ser muito conhecida fora da Rússia, ela é uma das artistas musicais mais vendidas do mundo e é sem dúvida a mulher mais famosa da Rússia. Nas pesquisas de opinião nas últimas duas décadas, ela é rotineiramente selecionada como uma das russas mais populares –às vezes aparecendo atrás apenas de Putin.

Sua base de fãs abrange todos os elementos da sociedade russa, incluindo milhões de russos comuns que, por dependerem da mídia estatal russa para obter informações, são particularmente suscetíveis à poderosa máquina de propaganda do Kremlin.

De certa forma, Pugacheva é uma ponte para o passado. Pertencente à mesma geração de Putin, ela representa a estabilidade e a previsibilidade da era soviética. No entanto, esta não é a primeira vez que ela aproveita sua fama para desafiar o status quo político.

Uma cantora com muitas máscaras

Pugacheva entrou na cena da cultura pop soviética em 1975 com Arlekino, uma música sobre um palhaço tragicômico. Com o drama de um bobo da corte, ela alternava entre risos e lágrimas, cantos exuberantes e pantomimas.

O primeiro hit de Pugacheva sinalizou coisas diferentes para públicos diferentes. O público ficou encantado com a melodia cativante e sua presença de palco. Enquanto isso, a intelectualidade dissidente interpretou isso como uma homenagem à situação dos artistas que vivem em um estado totalitário.

Sua versatilidade – e sua capacidade de mesclar alta cultura com baixa cultura – se tornaria marcas de sua arte. Embora seu estilo de apresentação pudesse ser palhaço – até grotesco – ela se tornou uma das primeiras cantoras pop russas a usar letras extraídas de textos de poetas clássicos como William Shakespeare e Boris Pasternak.

Suas músicas, que são uma mistura de pop, rock, folk e música cigana, desafiam a categorização, e suas performances quase parecem ser peças em miniatura nas quais Pugacheva – uma excelente atriz por si só – demonstra seu dom para assumir uma gama de personagens ao longo de uma única faixa.

Resistência sutil

Hoje, milhões de russos ainda ouvem e cantam as músicas de Pugacheva.

Uma de suas faixas mais populares, Milhões de rosas escarlates, conta a história de um pintor que se apaixona por uma atriz. Ele vende todas as suas telas e pertences para comprar rosas e transformar a praça em frente à janela dela em um mar de rosas.

“Aquele que está apaixonado, e sério / Vai transformar toda a sua vida para você em flores”, canta Pugacheva no final do refrão.

No entanto, se você ouvir atentamente algumas de suas músicas, ouvirá mensagens políticas habilmente camufladas. Seu hit Reis podem fazer qualquer coisa foi muitas vezes interpretado como uma piada política habilmente disfarçada com uma mensagem subjacente sobre o poder ilusório dos líderes políticos.

Ela ignorou o conselho de não cantar essa música em concertos dados para funcionários do governo e, em várias ocasiões memoráveis, ela até apontou os principais ministros do governo na platéia enquanto cantava o refrão provocativo: “Reis podem fazer qualquer coisa, reis podem fazer qualquer coisa! / Mas não importa o que você diga, nem um único rei pode se casar com alguém que ele ama!”

Como ícone cultural, ela também se rebelou contra os estereótipos de gênero patriarcais. Ela é uma mãe e avó amorosa que está casada com um homem 27 anos mais novo que ela. Ao continuar a se apresentar na velhice, ela derruba noções culturais de feminilidade e sexualidade, desafiando a imagem tradicional de uma “babushka” russa assexual dedicada à sua progênie.

Czarina pop contra o ‘novo czar’

Como “a czarina do pop russo”, Pugacheva ocasionalmente se sentiu encorajada o suficiente para expressar sua oposição a um líder que alguns chamam de “czar Vladimir”.

Em 2012, ela se tornou porta-voz do oligarca Mikhail Prokhorov em sua campanha presidencial mal sucedida contra Putin, e em uma entrevista na TV ela comparou Putin ao “chefe do submundo de um país criminoso”.

Apesar de seu histórico de se manifestar e manter uma distância firme da propaganda que imbuiu a cultura popular soviética e russa, sua popularidade duradoura obrigou o Kremlin a honrá-la repetidamente em público.

No entanto, quando a guerra eclodiu na Ucrânia, Pugacheva permaneceu em silêncio.

O marido de Pugacheva, o comediante Maxim Galkin, no entanto, foi uma das primeiras celebridades russas que se opuseram abertamente à invasão russa, e o casal deixou a Rússia com seus filhos pequenos logo após o início da guerra. À medida que a guerra se arrastava, Galkin continuou a ridicularizar a guerra e destacar a corrupção do regime de Putin nas mídias sociais. O Kremlin acabou por designá-lo como “agente estrangeiro”.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/como-solntsepyok-um-filme-de-propaganda-brutal-de-2021-preparou-os-russos-para-a-guerra-com-a-ucrania/

No final de agosto, Pugacheva voltou inesperadamente a Moscou com seus filhos, mas sem o marido. Quando um jornalista perguntou a ela sobre seus planos, ela respondeu em tom de brincadeira: “Vou colocar as coisas em ordem. Na minha cabeça e nas suas cabeças.”

Em 18 de setembro de 2022, ela publicou uma postagem no Instagram. Dirigindo-se ao Ministério da Justiça da Federação Russa, Pugacheva pediu que a designasse uma “agente estrangeira” em solidariedade ao marido. Ela acrescentou que seu marido é “um ser humano honesto e decente, um verdadeiro e incorruptível patriota russo que deseja à sua pátria uma vida próspera e pacífica, liberdade de expressão e o fim das mortes de nossos meninos por objetivos ilusórios que estão tornando nosso país um pária e piorando a vida de nossos cidadãos”.

As reações variaram de elogios por sua bravura patriótica a acusações de traição. Várias agências de notícias russas anunciaram que a declaração de Pugacheva desacreditava o exército russo e que ela deveria ser investigada. No final de setembro, provavelmente para evitar a perseguição, ela fugiu da Rússia para Israel.

O satirista Mikhail Zhvanetsky disse uma vez: “O país conhece Putin e Pugacheva, e esses dois são suficientes para o país. Alô querida! Ela cantava de tal maneira que todos a repetiam, ela vive de tal maneira que todos a repetem.”

O tempo dirá se a mensagem de Pugacheva contra a guerra ressoará com seus milhões de fãs dedicados.


*Olga Partan é professora de estudos russos no College of the Holy Cross


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Tags:

Rússia 🞌 Ucrânia 🞌

Cadastre-se para receber nossa Newsletter