10 outubro 2023

Análise: Intenção do Hamas ao atacar Israel foi escalada de terror e perturbação da ordem internacional

Tags:

Geopolítica 🞌 Guerra 🞌 Hamas 🞌 Israel 🞌 Palestina 🞌

Israel corre o risco de ser arrastado para um conflito sangrento e prolongado, no qual suas tropas tenham que ir de porta em porta à procura de agentes do Hamas. Isso resultaria em centenas, se não milhares de mortes, e faria exatamente o que o Hamas e o Hezbollah querem, transformando-os nos únicos e verdadeiros defensores da Palestina aos olhos de seu povo.

Israel corre o risco de ser arrastado para um conflito sangrento e prolongado, no qual suas tropas tenham que ir de porta em porta à procura de agentes do Hamas. Isso resultaria em centenas, se não milhares de mortes, e faria exatamente o que o Hamas e o Hezbollah querem, transformando-os nos únicos e verdadeiros defensores da Palestina aos olhos de seu povo.

Por Michele Groppi*

De muitas maneiras, o ataque do Hamas a Israel resume a essência do terrorismo. Nas incursões em massa do grupo, seus agentes invadiram cidades israelenses, matando e sequestrando centenas de pessoas. Isso parece ter sido feito de acordo com as regras quando se trata de criar sentimentos de terror e agravar a situação.

No entanto, também é um lembrete, como ensina a acadêmica pioneira em terrorismo Martha Crenshaw, de que o terrorismo depende do contexto específico da situação da qual ele surge e, ao mesmo tempo, suas implicações geralmente vão muito além das fronteiras nacionais.

‘O terrorismo é, em sua natureza, uma forma altamente desenvolvida de guerra psicológica’

Entre as muitas observações que poderiam ser feitas, três merecem ser destacadas. Em primeiro lugar, o terrorismo é, em sua natureza, uma forma altamente desenvolvida de guerra psicológica. Em termos numéricos, o terrorismo mata muito menos pessoas do que a malária, os acidentes de carro e as doenças cardiovasculares, mas as pesquisas de opinião pública mostram constantemente que muitas pessoas continuam muito preocupadas com o terrorismo.

O terrorismo é construído com base no sigilo, no engano e na surpresa. Sempre que possível, ele deve ser espetacular, letal e indiscriminado, porque o terrorismo é como um palco para buscar a atenção da mídia.

Atacar em datas simbólicas e inundar a internet com vídeos de arrepiar os ossos (inclusive falsos) é vital para os terroristas. Isso permite que eles exagerem na proporção das coisas e deem vida aos piores pesadelos das pessoas. Nesse sentido, o Hamas fez tudo isso.

Motivação e capacidade

Em segundo lugar, como argumentou o proeminente pesquisador de contraterrorismo Boaz Ganor, a probabilidade de um ataque terrorista depende da motivação e da capacidade dos terroristas.

Apesar do cessar-fogo acordado no final da guerra de 2014 em Gaza, o Hamas claramente ainda tem uma motivação intransigente, em parte religiosa. Sua violência está de acordo com sua carta de fundação, que afirma: “Não há solução para a questão palestina a não ser por meio da jihad. Iniciativas, propostas e conferências internacionais são todas uma perda de tempo”.

‘O Hamas não só tem uma motivação muito forte que justifica a matança em massa, como também tem muita capacidade, incluindo armas, fundos, inteligência e cobertura diplomática’

Mas o Hamas não só tem uma motivação muito forte que justifica a matança em massa, como também tem muita capacidade, incluindo armas, fundos, inteligência e cobertura diplomática, grande parte da qual vem do Irã. O arsenal do grupo inclui foguetes, drones e armas de pequeno porte, mas também formas menos convencionais de maximizar o número de vítimas, como escavadeiras para derrubar cercas e parapentes para evitar sistemas de defesa tecnologicamente mais sofisticados.

Em conflitos anteriores, o Hamas supostamente usou túneis, armadilhas e centenas de pessoas não necessariamente afiliadas ao grupo, mas ainda assim dispostas a lutar até a morte para criar uma resistência fatal às tropas israelenses. Israel deve esperar algo semelhante se invadir Gaza novamente.

Nesse sentido, ele tem a motivação para matar o maior número possível de pessoas e a capacidade de travar uma guerra prolongada, portanto, é muito provável que seus ataques terroristas continuem ciclicamente.

Provocando uma reação

Em terceiro lugar, o ataque reitera a ânsia do terrorismo por reações exageradas e escalada, especialmente diante da diminuição do apoio nacional e internacional ao grupo que o comete.

De uma forma distorcida, o Hamas provavelmente precisa dessa escalada. Nas últimas semanas, um número crescente de moradores de Gaza tem protestado contra a liderança do grupo, acusando-o de corrupção e de não melhorar as condições de vida. Mas o mais importante é que a possibilidade crescente de um acordo entre Israel e a Arábia Saudita seria um golpe tremendo para a credibilidade do Hamas no mundo islâmico, pois contradiria diretamente sua posição anti-Israel.

Agora que conseguiu provocar Israel, com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu prometendo “vingança poderosa”, o Hamas pode desviar a atenção dos palestinos de seus problemas e marcar pontos em sua competição com a rival Autoridade Palestina (AP). Se Israel atacar, o Hamas silenciará as críticas da AP e de outras pessoas na Cisjordânia, que nunca ficarão do lado de Israel, reunindo a população palestina em torno de sua bandeira. É provável que o acordo israelense-saudita fracasse.

E tem mais. A guerra que parece estar próxima pode se espalhar para o sul do Líbano, pois o Hezbollah (o grupo terrorista que controla a região) também quer uma escalada. Assim como o Hamas, o Hezbollah vem perdendo o controle sobre vários segmentos da sociedade libanesa devido a alegações de corrupção, intervenção no conflito sírio e adulteração da investigação judicial sobre a explosão do porto de Beirute em 2020.

O Irã também pode ver a guerra como uma oportunidade de ouro para enfraquecer Israel e comprometer seriamente os acordos com a Arábia Saudita, o outro principal concorrente regional de Teerã.

‘Israel corre o risco de ser arrastado para um conflito sangrento e prolongado, que resultaria em centenas de mortes e faria exatamente o que o Hamas e o Hezbollah querem’

Israel corre o risco de ser arrastado para um conflito sangrento e prolongado, no qual suas tropas tenham que ir de porta em porta à procura de agentes do Hamas. Isso resultaria em centenas, se não milhares de mortes, e faria exatamente o que o Hamas e o Hezbollah querem, transformando-os nos únicos e verdadeiros defensores da Palestina aos olhos de seu povo.

Ataques terroristas em grande escala e sensacionalistas geralmente geram perguntas que levam ao exame de consciência. No caso de Israel e de seus aliados, isso significará reexaminar as capacidades de compartilhamento e análise de inteligência.

Mas também, quais são as contraestratégias realmente eficazes para esse tipo de terrorismo e o que realmente significa a vitória? Como a vitória se torna um conceito cada vez mais obscuro, eles podem concluir que uma resposta militar é fundamental. Mas ninguém vai policiar ou bombardear para sair dessa.


Michele Groppi é professor de estudos de defesa no Defence Studies Department, King’s College London


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original em https://theconversation.com/br

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter