25 agosto 2022

O que é uma república das bananas? Um cientista político explica

Termo usado de forma inadequada para criticar opositores em nações como os EUA se refere a países pequenos, pobres e politicamente instáveis. Ele surgiu para descrever as experiências de muitos países da América Central, cujas economias e políticas eram dominadas por exportadores de banana baseados nos EUA na virada do século XX

Termo usado de forma inadequada para criticar opositores em nações como os EUA se refere a países pequenos, pobres e politicamente instáveis. Ele surgiu para descrever as experiências de muitos países da América Central, cujas economias e políticas eram dominadas por exportadores de banana baseados nos EUA na virada do século XX

Produção de bananas em Honduras nos anos 1920 (Harvard Business School)

Por Matthew Wilson*

Quando alguém menciona uma “república das bananas”, está se referindo a um país pequeno, pobre e politicamente instável, que é fraco devido à dependência excessiva de um produto agrícola e de financiamento externo.

O termo surgiu como uma forma de descrever as experiências de muitos países da América Central, cujas economias e políticas eram dominadas por exportadores de banana baseados nos EUA na virada do século XX.

Após a busca empreendida pelo FBI em agosto de 2022 na residência do ex-presidente Donald Trump, alguns republicanos compararam os EUA a uma república de bananas. E após o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio dos EUA, uma onda de tweets fez o mesmo.

A instabilidade política nos EUA tem pouco a ver com frutas. Então, por que o termo está sendo usado?

Subvertendo a democracia para manter o dinheiro fluindo

Na década de 1880, a Boston Fruit Company, que mais tarde se tornou a United Fruit Company e depois a Chiquita, começou a importar bananas da Jamaica e lançou uma campanha bem-sucedida para popularizá-las nos EUA.

À medida que a demanda por bananas crescia, grandes empresas fizeram acordos com governos da América Central para financiar projetos de infraestrutura em troca de terras e políticas que lhes permitissem expandir a produção.

Os produtores muitas vezes dependiam de governos autoritários para proteger as concessões de terras e reprimir a agitação trabalhista que poderia reduzir seus lucros. Às vezes, eles subvertiam ativamente a democracia para reafirmar sua influência. A Cuyamel Fruit Company, por exemplo, apoiou um golpe em Honduras em 1911 que substituiu seu presidente por alguém mais alinhado aos interesses dos EUA.

Outro exemplo bem conhecido é o complô orquestrado pela CIA em 1954 em nome da United Fruit Company contra o presidente guatemalteco Jacobo Árbenz. Esse golpe encerrou o primeiro período real de democracia que a Guatemala conheceu.

A estreita relação entre exportadores de banana e líderes repressivos e corruptos acabou por minar o desenvolvimento da região, exacerbar a desigualdade e deixar os países da América Central fracos e mal governados.

Retórica hiperbólica?

Respondendo aos eventos que se desenrolaram antes e durante o ataque de 6 de janeiro ao Capitólio, atuais e ex-funcionários do governo comentaram que eles se assemelhavam à instabilidade das repúblicas das bananas, que eram conhecidas por ignorar os resultados das eleições e anular esses resultados com golpes –isso é exatamente o que aconteceu na Costa Rica em 1917.

Quando políticos e comentaristas políticos americanos usam o termo, muitas vezes estão tentando evocar imagens de corrupção, repressão e fracassos para impedir o exagero do executivo. Eles estão equiparando os funcionários do governo com os ditadores insignificantes apoiados por interesses estrangeiros que agiram impunemente para governar pela força e perseguir seus oponentes.

Vários políticos republicanos invocaram o termo em resposta à ação do FBI na residência de Trump em Mar-a-Lago.

Mas a comparação não é adequada. É verdade que os líderes que deixam o poder são mais propensos a serem investigados e punidos por seus oponentes políticos em países com executivos fortes e judiciários fracos.

No entanto, responsabilizar os funcionários eleitos por suas ações e não permitir que ninguém esteja acima da lei é, na verdade, característica de uma democracia saudável.


*Matthew Wilson é professor de ciência política na University of South Carolina


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter