19 janeiro 2023

‘Os EUA estão de volta’: como Joe Biden corrigiu as relações dos EUA com o resto do mundo em 2022

Apoio americano à Ucrânia após invasão russa se consolidou como um símbolo da tentativa do governo democrata em reparar as relações dos Estados Unidos com o mundo. Para professor de segurança internacional, presidente foi capaz de dar uma guinada no isolacionismo trumpista

Apoio americano à Ucrânia após invasão russa se consolidou como um símbolo da tentativa do governo democrata em reparar as relações dos Estados Unidos com o mundo. Para professor de segurança internacional, presidente foi capaz de dar uma guinada no isolacionismo trumpista

Os presidentes Joe Biden, dos EUA, e Volodymyr Zelenskyy, da Ucrânia, durante encontro na Casa Branca (Foto: White House)

Por Dafydd Townley*

A reação dos EUA à invasão russa da Ucrânia marcou uma transformação significativa na política externa do país em 2022. O amplo apoio do presidente Joe Biden à Ucrânia encontrou o apoio de democratas e republicanos. Ao fazê-lo, acabou com qualquer questão de retorno ao isolacionismo de seu antecessor, Donald Trump.

Em seu discurso inaugural em janeiro de 2021, Biden anunciou que os EUA “reparariam nossas alianças e se envolveriam com o mundo mais uma vez”.

A liderança dos EUA em questões ambientais começou no primeiro dia de sua presidência, quando os EUA voltaram ao Acordo de Paris. A determinação contínua de Biden em liderar em questões internacionais também pode ser vista através do acordo dos EUA para a criação de um fundo de “perdas e danos” na COP27 do Egito, após uma longa objeção de 30 anos. O fundo destina-se a compensar os países mais pobres pelos danos climáticos.

Guinada da política de Trump

Durante a presidência de Trump, os EUA retiraram-se dos tratados internacionais e adotaram uma atitude de “América primeiro” em relação aos assuntos internacionais. Trump retirou os EUA do acordo nuclear com o Irã, que removeu as sanções contra o Irã em troca de um programa nuclear restrito.

Além disso, ele retirou os EUA do Acordo de Paris e coagiu o Canadá e o México a renegociarem o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) de uma forma que beneficiou desproporcionalmente os EUA.

O Nafta, que estabeleceu uma zona de livre comércio entre Estados Unidos, Canadá e México, estava em vigor desde 1994. Trump era um crítico de longa data, chamando-o de “o pior acordo comercial assinado em qualquer lugar”.

‘A determinação de Trump de colocar os EUA em primeiro lugar levou a um declínio na liderança global dos EUA’

A determinação de Trump de colocar os EUA em primeiro lugar levou a um declínio na liderança global dos EUA. Alguns comentaristas foram além e sugeriram que esse declínio minava a soberania da Ucrânia.

Não é surpresa que os EUA tenham assumido um papel mais central nos assuntos internacionais sob a liderança de Biden. Em sua campanha presidencial, ele prometeu restaurar a “liderança respeitada no cenário mundial” dos Estados Unidos. Especialistas identificaram a política externa de Biden como um repúdio explícito ao legado “America First” de Trump em favor da “restauração da ordem multilateral”.

Mas foi a invasão da Ucrânia pela Rússia que significou que os EUA tiveram que assumir a liderança na diplomacia internacional novamente. Ao longo do conflito, o país tem sido resoluto em seu apoio à Ucrânia – fornecendo mais de US$ 68 bilhões em ajuda militar e humanitária, enquanto incentiva seus parceiros globais a adicionar seu apoio.

Internamente, houve um apoio bipartidário considerável à política de Biden em relação à Ucrânia. A única oposição republicana sustentada veio da extrema-direita do partido, composta principalmente por partidários de Trump.

Esses oponentes, como Marjorie Taylor Greene, juraram que “nem outro centavo” seria enviado à Ucrânia. Mas essa oposição é uma pequena minoria e significativamente superada em número por aqueles, em ambos os lados da divisão política, que prometeram continuar apoiando a defesa da Ucrânia.

A opinião pública sobre a Ucrânia

Pesquisas mostraram que o público americano geralmente apóia a resposta de Biden à Ucrânia. As respostas mais positivas elogiaram seu esforço em evitar um conflito direto com a Rússia, enquanto as mais negativas sugeriram que armamento mais avançado tecnologicamente deveria ser fornecido.

No entanto, nem todas as decisões de política externa correram bem para Biden. Em agosto de 2021, as forças dos EUA se retiraram do Afeganistão de maneira caótica. Isso foi rapidamente seguido pelo colapso do governo afegão apoiado pelos EUA. A retirada dos EUA trouxe críticas internacionais e domésticas e minou as tentativas de Biden de restabelecer a liderança diplomática global americana.

Embora Biden tenha sido responsabilizado pela forma dessa retirada, o acordo de cessar-fogo de Trump com o Talibã em fevereiro de 2020 e a subsequente retirada sinalizada das forças americanas do Afeganistão foram identificados por especialistas como catalisadores para o colapso do governo afegão apoiado pelo Ocidente.

Depois das eleições de meio de mandato

Nas últimas eleições de meio de mandato nos EUA, pesquisas indicaram que o apoio de Biden à Ucrânia – e sua política externa em geral – não foi registrado como uma questão prioritária para os eleitores. O apoio dos EUA não é uma política populista, mas uma determinação de cumprir a promessa de Biden de “um parceiro forte e confiável para paz, progresso e segurança”.

Quase dois anos depois, fica claro que Biden não tem intenção de diminuir o papel dos EUA nas relações internacionais. Em sua última Estratégia de Segurança Nacional, ele declarou: “Em todo o mundo, a necessidade de liderança americana é maior do que nunca.”

É improvável que o novo Congresso, com maioria republicana na Câmara, impeça o ressurgimento dos Estados Unidos nas relações internacionais. Biden tem muita experiência em trabalhar com os republicanos no Congresso, e isso provavelmente continuará no futuro imediato.

E Biden tem participado ativamente na decisão da posição da Otan na Ucrânia. Quando questionado em uma cúpula da Otan em junho, ele disse em nome de todos os aliados que eles “ficariam com a Ucrânia o tempo que fosse necessário e, de fato, garantiriam que não fossem derrotados”.

Um movimento para se tornar mais ativo nos assuntos internacionais é bem-vindo pelos observadores, com um certo grau de cautela. O envolvimento dos EUA precisa ser suficiente para ser eficaz, mas não demais para ser dominante. E isso foi apoiado por recentes pesquisas de opinião sobre a política externa dos EUA.

Em vez de tentar construir nações democráticas no exterior, o governo Biden está adotando o que alguns chamam de “fortaleza de liberalismo” – a proteção da democracia onde ela já existe, como a Ucrânia.

Ciente das preocupações do público sobre a possibilidade deenviar tropas, a abordagem de Biden não chega a retomar as operações militares dos governos Bush e Obama.

Ainda não se sabe se o nível de apoio à Ucrânia é suficiente. Especialistas alertam que uma grave crise econômica nos EUA pode reduzir o apoio público ao montante autorizado. O que está claro, no entanto, é que o apoio à Ucrânia continuará de uma forma ou de outra, enquanto Biden continua a reparar as relações dos Estados Unidos com o resto do mundo.


*Dafydd Townley é professor de segurança internacional na University of Portsmouth


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original, em inglês.


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Tags:

Afeganistão 🞌 Aquecimento global 🞌 Diplomacia 🞌 EUA 🞌 Ucrânia 🞌

Cadastre-se para receber nossa Newsletter