26 fevereiro 2024

Sepulturas sem identificação, repressão violenta e apagamento cultural: o devastador custo humano da invasão russa na Ucrânia

No aniversário da invasão, é importante fazer um balanço dos danos causados à Ucrânia e ao seu povo nos últimos dois anos. Pesquisador usou relatórios abrangentes de agências das Nações Unidas, organizações não governamentais e da mídia internacional, ucraniana e russa para analisar o conflito

No aniversário da invasão, é importante fazer um balanço dos danos causados à Ucrânia e ao seu povo nos últimos dois anos. Pesquisador usou relatórios abrangentes de agências das Nações Unidas, organizações não governamentais e da mídia internacional, ucraniana e russa para analisar o conflito

Por Jon Richardson*

Com seu aniversário de dois anos, a invasão em grande escala da Rússia na Ucrânia foi colocada em segundo plano na atenção do público pela guerra em Gaza.

O foco intenso em Gaza levou a comparações entre os dois conflitos que tendem a obscurecer ou minimizar a escala de destruição na Ucrânia. A “fadiga da Ucrânia” também se aprofundou em todo o mundo, pois os combates se arrastam ao longo de linhas de frente relativamente estáticas.

É por isso que, no aniversário da invasão, é importante fazer um balanço dos danos causados à Ucrânia e ao seu povo nos últimos dois anos. Para isso, utilizei relatórios abrangentes de agências das Nações Unidas, organizações não governamentais e da mídia internacional, ucraniana e russa.

A escala geral da destruição, bem como a repressão ao povo ucraniano e o apagamento da identidade ucraniana nos territórios anexados pela Rússia, dão suporte às acusações de que a Rússia cometeu atos de genocídio. É fundamental que o mundo não se esqueça disso.

Mortes de civis na casa das dezenas de milhares

O número de mortes de palestinos em Gaza tem sido amplamente divulgado desde o início da guerra – atualmente, são mais de 28.000. O número de mortes de civis na Ucrânia é muito menos certo ou discutido.

Até o final de novembro, as Nações Unidas haviam verificado a morte de pelo menos 10.000 civis na Ucrânia.

No entanto, é provável que isso seja uma subestimação grosseira, “apenas a ponta do iceberg”, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Isso ocorre porque a Rússia bloqueou os esforços da ONU para investigar nas áreas controladas pelos russos no sul e no leste da Ucrânia, onde provavelmente ocorreu a maioria das mortes de civis.

O caso mais notório é o de Mariupol, que já foi uma cidade de 450.000 habitantes e que sofreu um bombardeio e um bloqueio devastadores por quase três meses em 2022. As estimativas de mortes de civis na cidade variam de 22.000 a 87.000.

Mystyslav Chernov, o cinegrafista da Associated Press cujo documentário sobre o cerco, “20 Days in Mariupol”, foi indicado ao Oscar, estima que entre 70.000 e 80.000 pessoas provavelmente morreram. Outro relatório da AP fornece uma estimativa semelhante, com base em entrevistas com trabalhadores que documentam a coleta de corpos nas ruas.

Ao contrário das autoridades de Gaza, o governo ucraniano tem relutado em fazer estimativas de mortes de civis, talvez por razões de moral. O promotor de crimes de guerra da Ucrânia disse em fevereiro de 2023 que o número total de civis ucranianos mortos poderia ser superior a 100.000. Considerando a destruição em Mariupol e em outras cidades, isso parece plausível.

Meio milhão de baixas militares

Além da perda de vidas civis, não se pode ignorar o desperdício desnecessário de vidas de soldados de ambos os lados.

Nem a Rússia nem a Ucrânia têm sido transparentes sobre suas perdas no campo de batalha. As estimativas dos EUA em agosto do ano passado apontam as mortes de soldados russos em cerca de 100.000 a 120.000 e as mortes de soldados ucranianos em 70.000. Os EUA estimaram em 500.000 o total de baixas no campo de batalha (mortos e feridos) em ambos os lados.

O Ministério da Defesa do Reino Unido forneceu números da mesma ordem. Isso também está de acordo com uma investigação conjunta do serviço russo da BBC e do site independente de notícias russo Mediazona, com base na mídia russa e nas mídias sociais. Ela estimou cerca de 107.000 mortes de soldados russos e 321.000 feridos até o final do ano passado.

A maioria das perdas ucranianas é de jovens que se alistaram para defender seu país de uma invasão não provocada. As histórias dos mortos foram contadas exaustivamente – médicos, poetas e artistas, metalúrgicos, gerentes de transporte, estudantes, apicultores, para citar alguns.

Cerca de 60,000 women também serviram nas forças armadas, sendo que mais de 100 foram mortas em combate.

Entre as vítimas estão os amputados – talvez até 50.000. Em comparação, estima-se que 41.000 britânicos tenham sido amputados durante a Primeira Guerra Mundial.

Organizações internacionais informam que mais de 6,5 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde o início da guerra, enquanto 3,5 milhões foram deslocadas dentro do país. Isso representa cerca de um quarto da população total pré-2022 de 41 milhões.

Além disso, cerca de 17,6 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária, sendo que mais de um quarto delas está em um nível considerado “catastrófico”.

Infraestrutura nacional devastada

A destruição da infraestrutura ucraniana causada por milhares de ataques de mísseis e drones foi igualmente terrível. De acordo com o Banco Mundial e as agências da ONU, isso inclui:

  • 10% do estoque de moradias da Ucrânia
  • 8.400 quilômetros de estradas
  • 13% da infraestrutura educacional da Ucrânia, incluindo quase 3.600 escolas, jardins de infância e universidades
  • mais de 1.500 ataques a instalações de saúde
  • quase 4.800 locais no setor cultural, de patrimônio e turismo
  • e extensa devastação ambiental, como a explosão da represa de Kakhovka, que inundou centenas de quilômetros quadrados de terra e fez com que cerca de 1 milhão de pessoas ficassem sem água potável.

A economia da Ucrânia sofreu uma redução de 30% no primeiro ano da guerra. O Banco Mundial estimou este mês o custo total da reconstrução do país em US$ 486 bilhões em dez anos, o que representa quase três vezes o PIB da Ucrânia em 2023.

Repressão violenta e integração coagida

A Rússia agora ocupa cerca de 18% do território da Ucrânia – uma área aproximadamente do tamanho da Coreia do Sul. Ela “anexou” oficialmente quatro regiões no final de 2022, após a anexação da Crimeia em 2014. Desde então, a Rússia embarcou em um ambicioso programa para mudar a composição étnica dessas regiões, apagar sua identidade ucraniana e sua possível resistência e integrá-las à Federação Russa.

Como explica David Lewis, da Universidade de Exeter, o Kremlin espera criar uma nova realidade no local que será difícil de desafiar no futuro. Ele relata que um exército de tecnocratas está supervisionando uma absorção abrangente dos territórios ocupados, alinhando suas leis, regulamentações e sistemas tributários e bancários com a Rússia.

Em outro estudo sobre a russificação da Ucrânia ocupada, Karolina Hird observa que os habitantes locais estão sendo coagidos a obter passaportes russos para obter serviços como assistência médica. Da mesma forma, as autoridades de ocupação usam a emissão de certidões de nascimento, pensões, folhas de pagamento do estado e pagamentos de maternidade para forçar os residentes a se tornarem dependentes das novas administrações governamentais.

Os ocupantes também usam a violência para consolidar seu controle. Uma comissão especial da ONU documentou assassinatos, tortura, violência sexual, prisões arbitrárias, deportações e estupros.

O Instituto Dinamarquês Contra a Tortura documentou pelo menos 100 centros de tortura em prisões e delegacias de polícia no sudeste da Ucrânia. Eles empregavam métodos como choques elétricos, espancamentos, sufocamento, privação do sono, execuções simuladas, ameaças e humilhações:

Nossas descobertas sugerem que estabelecer câmaras de tortura e torturar pessoas nelas era uma prática rotineira em todos os locais ocupados pelas forças russas.

O relator especial da ONU sobre tortura também descreve essas práticas de tortura russas na Ucrânia como “política de guerra do Estado”.

Em um caso recente, grupos de direitos humanos relataram a tortura e o assassinato do padre ucraniano Stepan Podolchak na região de Kherson em 13 de fevereiro. Podolchak realizava cultos em ucraniano e estava sob pressão da polícia de segurança russa para mudar sua fidelidade à Igreja Ortodoxa Russa.

De acordo com uma investigação da BBC, milhares de ucranianos estão sendo mantidos sob acusações, em sua maioria falsas, em colônias de prisioneiros e centros de detenção dentro da Rússia, sendo que alguns desaparecem ou morrem.

Deportações em massa de crianças e apagamento cultural

Há um ano, o Tribunal Penal Internacional emitiu mandados de prisão contra o presidente russo Vladimir Putin e a comissária russa para os direitos das crianças, Maria Lvova-Belova, em relação à deportação forçada de crianças da Ucrânia para a Rússia. As autoridades russas se vangloriaram abertamente de seu papel nas deportações, que, segundo elas, eram do interesse das crianças.

O governo da Ucrânia confirmou a deportação de mais de 19.500 crianças. Algumas das poucas crianças que retornaram da Rússia foram informadas na escola que nunca sairiam da Rússia, que a Ucrânia não existia e nunca tinha existido, e que todas elas eram realmente russas.

Como disse recentemente o presidente da Letônia, Edgars Rinkēvičs:

A Rússia está apagando ativamente sua identidade ucraniana e infligindo danos emocionais e psicológicos inacreditáveis.

Centenas de milhares de colonos russos se mudaram simultaneamente para as regiões ocupadas. Os líderes tártaros da Crimeia estimam que entre 850.000 e 1 milhão de russos tenham migrado para a Crimeia somente desde 2014.

Isso é uma violação direta da Quarta Convenção de Genebra, que obriga uma potência ocupante a não transferir partes de sua própria população para um território que ocupa.

O regime de ocupação também está apagando o idioma e a cultura ucranianos. Isso é coerente com a ideologia nacionalista russa que retrata o ucraniano como um mero dialeto do russo e a nação ucraniana como uma ficção. Putin e outros na televisão estatal russa expuseram constantemente esses mitos.

Um currículo russo foi introduzido em mais de 900 escolas nas regiões ocupadas, substituindo a instrução anterior em ucraniano em algumas delas. Acredita-se que centenas de professores tenham sido realocados da Rússia.

A Anistia Internacional relata que as pessoas correm o risco de sofrer represálias por tentarem continuar a estudar em ucraniano. Alguns pais optam por esconder seus filhos para evitar que eles sejam levados para instituições de “reeducação” ou para adoção na Rússia.

Em uma escola em Kherson, segundo a Anistia, as autoridades de segurança ordenaram que uma mãe enviasse seu filho de 15 anos de volta à escola ou “um ônibus virá na próxima semana e o levará para um orfanato na Rússia”. A bibliotecária de uma escola disse que organizou secretamente reuniões com os alunos para dar-lhes livros ucranianos a fim de evitar que as patrulhas russas realizassem buscas arbitrárias.

Além disso, muitas ruas e cidades ucranianas receberam novos nomes russos. Por exemplo, em Melitopol, uma rua com o nome de um teórico político ucraniano agora leva o nome de Pavel Sudoplatov, um infame agente secreto stalinista que mais tarde se gabou de ter organizado o assassinato de Leon Trotsky no México.

Para muitos observadores, o apagamento da nacionalidade ucraniana nos territórios ocupados e a frequente negação do direito da Ucrânia de existir são evidências de que a invasão russa é de natureza genocida. Cerca de 30 estudiosos de genocídio, a organização Genocide Watch e vários parlamentos nacionais apoiaram essa afirmação.

Independentemente de o limiar do genocídio ter sido atingido ou não, a invasão constitui a mais flagrante apropriação de terras do território de um Estado reconhecido desde a Segunda Guerra Mundial, conforme argumentei em outro artigo.

Continua sendo um mistério por que algumas pessoas acham que os ucranianos, ou a comunidade internacional, aceitariam ou deveriam aceitar que essa terra e seu povo fossem trocados em negociações sob a mira de uma arma.


*Jon Richardson é pesquisador visitante do Centre for European Studies, Australian National University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original em https://theconversation.com/br

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter