29 junho 2023

Daniel Buarque: Brasil, Índia, democracia e status internacional

Tratada como fundamental para o aumento do status brasileiro aos olhos do Ocidente, a democracia é jogada para segundo plano quando EUA e Europa lidam com a Índia. Potencial econômico e militar indiano aparenta colocar o país em um patamar mais alto de prestígio, e seu papel como possível contraponto à China e à Rússia aumentam a tolerância ocidental com o risco de autocracia sob Narendra Modi

Tratada como fundamental para o aumento do status brasileiro aos olhos do Ocidente, a democracia é jogada para segundo plano quando EUA e Europa lidam com a Índia. Potencial econômico e militar indiano aparenta colocar o país em um patamar mais alto de prestígio, e seu papel como possível contraponto à China e à Rússia aumentam a tolerância ocidental com o risco de autocracia sob Narendra Modi

O presidente Joe Biden e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi durante uma cerimônia na Casa Branca (Foto: The Hill)

Por Daniel Buarque*

Quando Luiz Inácio Lula da Silva visitou os Estados Unidos em fevereiro, um mês após assumir a presidência, a situação da democracia brasileira foi um dos temas centrais da reunião bilateral. “Brasil e Estados Unidos estão juntos, rejeitam a violência política e dão grande valor às instituições democráticas”, disse Joe Biden. 

A democracia é um tema fundamental da construção do prestígio brasileiro no mundo. Para alguns membros da elite de política externa das grandes potências globais, o caminho democrático melhora a imagem internacional do Brasil e pode impulsionar seu status global. 

‘A percepção externa de uma ameaça autocrata durante os quatro anos de governo de extrema-direita ameaçou o já abalado status do Brasil’

Durante todo o ano anterior, o governo americano havia atuado nos bastidores da eleição presidencial para deixar claro para Jair Bolsonaro que não apoiaria um golpe de Estado. A percepção externa de uma ameaça autocrata durante os quatro anos de governo de extrema-direita ameaçou o já abalado status do Brasil. E a noção de que um golpe tornaria o país um pária com certeza ajudou a impedir os planos mais radicais de Bolsonaro e dos militares.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/daniel-buarque-ataques-a-democracia-ameacam-construcao-do-prestigio-do-brasil/

É inegável que a democracia é um tema caro a Biden, que assumiu a presidência dos EUA depois de uma tentativa de Donald Trump de reverter ilegalmente o resultado das urnas e de ter vistoa insurreição dos eleitores do republicano que invadiram o capitólio americano. Em meio a disputas geopolíticas com governos autocráticos da Rússia e da China, o americano já declarou até mesmo que a batalha entre a democracia e a autocracia é a luta que define os nossos tempos.

Mas quando a ameaça à democracia acontece em um país que é visto como mais importante no atual cenário global, e que pode favorecer os interesses ocidentais, o comportamento dos EUA e de outras grandes potências é diferente.

‘Ao receber o primeiro-ministro indiano Narendra Modi em Washington neste mês, o presidente americano silenciou sobre a situação da democracia na Índia’

Ao receber o primeiro-ministro indiano Narendra Modi em Washington neste mês, o presidente americano silenciou sobre a situação da democracia na Índia, apesar dos crescentes relatos de centralização de poder, perseguição a opositores e violações aos direitos humanos no país. De acordo com o New York Times, o contexto de disputas com a Rússia e a China leva os EUA a ignorarem os problemas políticos domésticos da Índia, assim como o fazem com países como Arábia Saudita e Filipinas, que também têm problemas de direitos humanos.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/felipe-tirado-estado-constituicao-e-defesa-da-democracia-pressupostos-para-o-brasil-que-podemos-vir-a-ser/

A democracia é vista pelas grandes potências ocidentais como fundamental para o Brasil, país que é percebido pelas grandes potências como uma nação emergente sem muito poder militar, em uma região pacífica e sem direito a uma voz ativa em questões de impacto global além do aquecimento global. Mas a ameaça autocrata é relativizada quando se observa a Índia, “a nação intermediária mais importante na política global. Influente o suficiente para mudar o equilíbrio de poder”, explicou o NYT. 

Além de ainda ser formalmente uma democracia, o país é visto como um verdadeiro candidato a ser uma potência global, com sua imensa população, economia ascendente e mesmo poder militar de peso. Como explicou o correspondente do jornal recentemente, “os EUA olham para a Índia como um possível substituto parcial para a China. Eles não querem pensar nessas questões relacionadas ao estado da democracia indiana ou à minoria indiana. Eles se contentam em se concentrar no progresso econômico, na reconstrução da infraestrutura, em superar muitos velhos obstáculos e deixar de lado as questões sobre liberdades políticas e a natureza da democracia.”

‘A Índia tornou-se estrategicamente importante para o Ocidente’

A Índia tornou-se estrategicamente importante para o Ocidente, explicou o analista político Pankaj Mishra ao jornal britânico The Guardian. “A Índia é vista como um importante contrapeso para a China e a Rússia, e é vista como o tipo de país que pode inclinar a balança para o outro lado”.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/o-ataque-golpista-no-brasil-e-um-reflexo-do-descredito-da-democracia-em-nivel-global/

Minha pesquisa de doutorado pelo King’s College London (em parceria com a USP) revelou que a percepção do status do Brasil é parecida. O país é visto como uma peça disputada no tabuleiro da geopolítica. Mas o Brasil é apenas um “peão”, uma peça de menor valor, enquanto a Índia se coloca como um ator cada vez mais relevante na política internacional. Relevante a ponto de a democracia não ser nem vista como tão fundamental, mesmo enquanto a maior potência do mundo diz que a grande disputa do mundo atual é pela sua defesa.

Uma hipótese que pode ser tirada da comparação entre os dois países é que, apesar de a ameaça à democracia estar presente tanto no Brasil (especialmente durante o governo Bolsonaro) quanto na Índia (sob Modi), ela afeta mais o status do Brasil. Isso se dá porque o Brasil não tem tanta força econômica e militar, então precisaria de outros fatores que ajudassem a melhorar seu prestígio, como a democracia. A Índia de Modi, por outro lado, mantém uma economia em ascensão, tem poder militar e armas nucleares — além de estar em uma região volátil e importante para o mundo. O status da Índia, portanto, depende menos da imagem da sua democracia, fundamental para o prestígio brasileiro. 


*Daniel Buarque é colunista e editor-executivo do portal Interesse Nacional, pesquisador do pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP e doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. É jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor dos livros “Brazil, um país do presente” (Alameda) e “O Brazil É um País Sério?” (Pioneira).


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional 


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter