[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

in news

Rubens Barbosa: Ano começa sob tensão, ameaças à paz e risco de guerras

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Esforços diplomáticos estão fracassando, impotentes diante dos interesses políticos, econômicos e militares de um número crescente de países. Para embaixador, situação global de 2024 cria incertezas para a vida normal nos países afetados, desorganiza o tráfego marítimo e os mercados agrícolas e de energia 

Tropas de Israel durante conflito contra combatentes do Hamas na Faixa de Gaza (Foto: IDF)

Por Rubens Barbosa*

Em termos de guerra e paz, o ano de 2024 começa em uma situação global como não se via há muito tempo. Guerras na Europa, no Oriente Médio e na África criam incertezas para a vida normal nos países afetados, desorganizam o tráfego marítimo e os mercados agrícolas e de energia. 

Os esforços diplomáticos estão fracassando, impotentes diante dos interesses políticos, econômicos e militares de um número crescente de países. Na frente multilateral, cada vez mais, fica evidenciado o enfraquecimento da organização responsável pelo acompanhamento da paz e da segurança mundial. A ONU foi sendo gradualmente marginalizada e impotente desde as crises no Iraque, no Afeganistão e na Síria. Agora, nem sequer consegue aprovar decisões que contrariem os interesses dos membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, como estamos vendo nas guerras da Ucrânia e de Gaza.

‘As guerras que haviam quase desaparecido, ganharam impulso, e 2024 nasce com 55 conflitos localizados envolvendo 38 países’

As guerras que haviam quase desaparecido, ganharam impulso desde 2012, com os conflitos na Líbia, na Siria e no Iêmen. Segundo estudos do Instituto de Estudos para a Paz de Estocolmo, 2024 nasce com 55 conflitos localizados envolvendo 38 países. 

Desses conflitos, 11 devem ser acompanhados mais de perto pelo potencial de gerar crises adicionais e afetar grande número de pessoas: Gaza e guerra no Oriente Médio ampliada, Rússia-Ucrânia, Arábia Saudita e Iêmen, Mianmar, Etiópia, Sahel, Sudão, Haiti, Armênia Azerbaijão, EUA-China.

As guerras na Europa (ataque da Rússia) na Ucrânia e no Oriente Médio (Israel contra Hamas) se prolongam há mais de dois anos e mais de três meses, respectivamente, sem um fim à vista e com grande repercussão global.

‘A ameaça de o conflito em Gaza escalar e se tornar uma guerra regional mais ampla tem crescido’

A ameaça de o conflito em Gaza escalar e se tornar uma guerra regional mais ampla tem crescido com o ataque de Israel a Beirute para matar um líder do Hamas, com o ataque terrorista no Irã, e com os atos de pirataria no Mar Vermelho. O maior risco é o envolvimento do Líbano, com uma resposta mais violenta contra Israel por parte do Hezbollah.

A guerra entre a Armênia e o Azerbaijão pelo território de Nagorno Karabah, se estende por muitos anos e, depois de a Armênia ter desistido da região contestada, mais de 100 mil armênios deixaram a região. Desenvolvimentos recentes, inclusive novas disputas territoriais entre os dois países, voltam a preocupar.

No Iêmen, a guerra entre os imenitas, apoiados pela Arábia Saudita, e os houthis, apoiados pelo Irã, também se estende desde 2015, com uma crise humanitária prolongada. O conflito coloca em risco a navegabilidade no Mar Vermelho pelos ataques a navios de transporte de mercadorias.

Na Etiópia, em Mianmar e no Sudão o conflito é de natureza doméstica com grupos étnicos e religiosos em luta. O Sudão talvez seja o país com maior número de vítimas.

Na região de Sahel, faixa entre o deserto do Saara e as savanas ao sul, muito pobres, sucessivos golpes de Estado, na Guiné, no Mali, no Níger e no Chade colocam em choque grupos de militares. Todos contra a presença da França, potencial colonial.   

No Haiti, desde a morte do presidente Jovenel Moise, a dominação de gangues criminosas instaurou o pânico na população com a ausência do Estado. Tropas do Quênia foram autorizadas pela ONU para tentar controlar a situação a partir do início de 2024.

‘As tensões entre os EUA e a China, crescentes nos últimos anos, aparentemente ganharam uma contenção administrada, depois do encontro em novembro entre Biden e Xi Jinping’

Finalmente, as tensões entre os EUA e a China, crescentes nos últimos anos em virtude da disputa pela hegemonia comercial, econômica e tecnológica no século XXI e da questão de Taiwan, aparentemente ganharam uma contenção administrada, depois do encontro em novembro entre Biden e Xi Jinping. A nenhum dos dois países interessa agora uma escalada nas tensões em virtude das eleições presidenciais nos EUA e das questões econômicas internas na China.

É bom lembrar que há outros conflitos potenciais: Venezuela-Guiana, Coreia do Norte-Coreia do Sul, Mar do Sul da China, ataques a livre navegação no Mar Vermelho e a questão China-Taiwan.


*Rubens Barbosa foi embaixador do Brasil em Londres e em Washington, DC., é diplomata, presidente do Instituto Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice) e coordenador editorial da Interesse Nacional.

Leia mais editoriais do embaixador Rubens Barbosa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

newsletter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

Última edição

Categorias

Estamos nas Redes

Populares