[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

Edição 63

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A edição 63 da Revista Interesse Nacional passeia por temas que fervem na pauta nacional e mundial pela relevância e impacto que provocam não só no curto prazo – caso do destino do financiamento da Saúde pública no Brasil, em crise de investimento e custos; ou das escolhas que pautam e pautarão o futuro da Educação pública das próximas gerações de estudantes –, assim como trata de avanços das discussões globais em torno da presença da Inteligência Artificia (IA) no cotidiano de todos no planeta e das inovações diante de um mundo que emerge da necessidade de cuidar do meio ambiente, com a entrada em cena do mercado de créditos de carbono.

Clique aqui para baixar a edição completa em pdf

A revisitação à Saúde Pública no Brasil reconhece os bem-sucedidos 35 anos de existência do SUS, sistema que trouxe enormes benefícios para a população. Entretanto, aponta urgência na reformulação do seu complexo modelo de governança e gestão.


Ao estudar e amenizar os efeitos dessas mudanças climáticas, a ONU criou o Intergovernmental Panel on Climate Chang (IPCC). A metodologia define diversos depósitos de carbono que devem ser avaliados em um sistema florestal. Baseadas nela, mas incorporando modificações que alteram a quantificação de carbono, pesquisas no Brasil conseguiram resultados mais precisos e abrangentes e que podem ser empregados tanto nos solos que ocorrem em regiões tropicais como em regiões temperadas. Toda essa compreensão na forma de adicionar os créditos de carbono em florestas nativas deve ser contabilizada aos serviços ambientais benéficos ao planeta.

Outra questão abordada na atual edição trata da origem da violência crescente nos centros urbanos do Brasil, graças ao fortalecimento de facções, milícias e quetais comprometendo até o futuro da democracia no país. No artigo publicado explica-se que o atual cenário desponta como ironia da história, provocado por sofrimento e mazelas acumuladas no sistema penitenciário, onde nasceu e prosperou a promoção de um modelo de governança criminal, profissional e articulado, que se aproveita das brechas e dos erros das políticas públicas.


Boa leitura!

Confira os artigos desta edição

Edição 63

O interesse em democratizar as relações entre Estado, sociedade e Forças Armadas reside num esforço dos civis em reduzir a autonomia das Forças Armadas e, por isso, a problemática é como fazer os militares aceitarem essa redução de poder sem que se rebelem ou conspirem contra um governo que foi eleito de forma democrática
Não restam dúvidas de que a orientação do governo Lula para o campo ambiental é diametralmente oposta à do governo anterior. Mas, para avançar de forma eficiente, há desafios consideráveis. Reconhecido como uma potência ambiental, o Brasil deve se voltar mais enfaticamente para o futuro e enfrentar pendências na inserção da agenda climática no G20, melhor coordenação da presença brasileira na COP 28, mais inserção nos acordos multilaterais, especialmente UE, com maior efetividade na articulação com o agronegócio
Como todo início de novo governo, o ano de 2023 foi marcado por novas políticas e debates diversos: margem equatorial; renovação de concessões; apagão; Programa Gás para Empregar; PL combustível do futuro; preço dos combustíveis; o papel das energias renováveis; geração térmica e outros
Balanço do que aconteceu neste 2023 em termos de ciência e tecnologia no país, focado especificamente nas ações no plano federal, revela que, todo o primeiro ano foi período de arrumação da casa. E que tremenda arrumação foi necessária
O setor agropecuário brasileiro apresentou um excelente desempenho no primeiro ano do governo, superando mais um ano de adversidades climáticas, instabilidade geopolítica e incertezas em relação às prioridades do novo presidente. O principal desafio para 2024 é manter a competitividade do setor
Balanço do primeiro ano do governo do presidente Lula não pode omitir a complexidade da cena política no Brasil e no mundo nem ignorar o enorme desafio de recompor a harmonia entre os poderes, reduzindo a pressão fisiológica, recolocando a agenda nas mãos da política
A grande safra agrícola e a diminuição da inflação internacional se traduziram em um crescimento do PIB brasileiro dobrado em relação ao previsto no final de 2022, um mercado de trabalho estável e a aceleração da convergência da inflação para a meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. Elas também deram tranquilidade aos mercados e fôlego ao governo em um ambiente político complexo
Em artigo exclusivo, chanceler explica que a ideia-força que orienta o governo desde o primeiro momento é a restauração do lugar do Brasil no cenário internacional após um interregno de isolamento internacional autoimposto e abandono de princípios históricos de atuação da diplomacia brasileira

newslatter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

últimas edições

Estamos nas Redes