[stock-market-ticker symbols="AAPL;MSFT;GOOG;HPQ;^SPX;^DJI;LSE:BAG" stockExchange="NYSENasdaq" width="100%" palette="financial-light"]

Edição 64

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Inauguramos 2024 juntamente com o segundo ano do terceiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Isso, após eleições disputadíssimas e, até mesmo, uma tensa ameaça à democracia brasileira, com violentos ataques e depredações em 8 de janeiro à beira de completar um ano. Assim, nada mais natural, diante da delicada cena política ainda vivida no País, que, nesta edição, a Revista Interesse Nacional dedique-se a apresentar um balanço do primeiro ano de governo do atual líder escolhido pela maioria dos brasileiros para quatro anos de gestão.

Clique aqui para baixar a versão completa em PDF

A seleção de artigos, que se desdobram por diferentes aspectos, procura compreender em que momento nos encontramos como nação e quais rotas o governo busca traçar. Nas relações exteriores, o movimento é pela diplomacia da reconstrução e a reconstrução da diplomacia já vivenciada. Na economia, registram-se surpresas em 2023 e avaliam-se as perspectivas que o país terá à frente. Há também análises sobre o desempenho de setores relevantes como o agropecuário, a área de energia e das relações civis-militares no 1o ano da nova gestão do presidente Lula. 

Na árdua tarefa de se recuperar o bom debate político, perdido nos últimos anos por extremismos improdutivos, destaca-se a constatação: o presidente pode muito, mas não pode tudo. Também na agenda científica a demanda segue gigante após arrumação do negacionismo da gestão anterior, assim como a volta com destaque da agenda ambiental onde o Brasil costumava ser celebrado.

Esperamos que apreciem a leitura e desejamos um democrático bom ano para todos nós!

Confira os artigos desta edição

Edição 64

O interesse em democratizar as relações entre Estado, sociedade e Forças Armadas reside num esforço dos civis em reduzir a autonomia das Forças Armadas e, por isso, a problemática é como fazer os militares aceitarem essa redução de poder sem que se rebelem ou conspirem contra um governo que foi eleito de forma democrática
Não restam dúvidas de que a orientação do governo Lula para o campo ambiental é diametralmente oposta à do governo anterior. Mas, para avançar de forma eficiente, há desafios consideráveis. Reconhecido como uma potência ambiental, o Brasil deve se voltar mais enfaticamente para o futuro e enfrentar pendências na inserção da agenda climática no G20, melhor coordenação da presença brasileira na COP 28, mais inserção nos acordos multilaterais, especialmente UE, com maior efetividade na articulação com o agronegócio
Como todo início de novo governo, o ano de 2023 foi marcado por novas políticas e debates diversos: margem equatorial; renovação de concessões; apagão; Programa Gás para Empregar; PL combustível do futuro; preço dos combustíveis; o papel das energias renováveis; geração térmica e outros
Balanço do que aconteceu neste 2023 em termos de ciência e tecnologia no país, focado especificamente nas ações no plano federal, revela que, todo o primeiro ano foi período de arrumação da casa. E que tremenda arrumação foi necessária
O setor agropecuário brasileiro apresentou um excelente desempenho no primeiro ano do governo, superando mais um ano de adversidades climáticas, instabilidade geopolítica e incertezas em relação às prioridades do novo presidente. O principal desafio para 2024 é manter a competitividade do setor
Balanço do primeiro ano do governo do presidente Lula não pode omitir a complexidade da cena política no Brasil e no mundo nem ignorar o enorme desafio de recompor a harmonia entre os poderes, reduzindo a pressão fisiológica, recolocando a agenda nas mãos da política
A grande safra agrícola e a diminuição da inflação internacional se traduziram em um crescimento do PIB brasileiro dobrado em relação ao previsto no final de 2022, um mercado de trabalho estável e a aceleração da convergência da inflação para a meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. Elas também deram tranquilidade aos mercados e fôlego ao governo em um ambiente político complexo
Em artigo exclusivo, chanceler explica que a ideia-força que orienta o governo desde o primeiro momento é a restauração do lugar do Brasil no cenário internacional após um interregno de isolamento internacional autoimposto e abandono de princípios históricos de atuação da diplomacia brasileira

newslatter

Receba as últimas atualizações

Inscreva-se em nossa newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novas atualizações.

últimas edições

Estamos nas Redes