04 janeiro 2024

O mundo verá novas guerras e conflitos em 2024? Conheça os riscos em cinco locais críticos

Após um ano violento no cenário global, o foco na Ucrânia e em Gaza deixaram outros países fora do radar de muitas pessoas. Porém, algumas nações estão lidando com uma agitação latente que pode entrar em erupção em 2024 e chamar a atenção do mundo

Após um ano violento no cenário global, o foco na Ucrânia e em Gaza deixaram outros países fora do radar de muitas pessoas. Porém, algumas nações estão lidando com uma agitação latente que pode entrar em erupção em 2024 e chamar a atenção do mundo

Conflito na Ucrânia se tornou um dos principais temas de segurança global em 2023 (Foto: Ministério da Defesa da Ucrânia)

Por Jessica Genauer*

Desafortunadamente, 2023 foi um ano violento no cenário global. A guerra estourou entre Israel e o Hamas em Gaza, causando a morte de milhares de palestinos e centenas de israelenses, incluindo muitas crianças de ambos os lados. E a amarga guerra entre a Rússia e a Ucrânia continuou sem fim à vista.

Como resultado do foco nesses dois conflitos, outros países ficaram fora do radar de muitas pessoas. Porém, algumas dessas nações estão lidando com uma agitação latente que pode entrar em erupção em 2024 e chamar a atenção do mundo.

Então, a quais locais devemos estar atentos no próximo ano? Aqui estão cinco lugares onde acredito que os conflitos civis ou a agitação podem se agravar e potencialmente levar à violência.

Mianmar

Myanmar mergulhou no caos em 2021, quando um golpe militar derrubou o governo democraticamente eleito liderado por Aung San Suu Kyi e provocou protestos civis generalizados que acabaram se transformando em uma resistência armada.

O país, que abriga 135 grupos étnicos, raramente conheceu a paz. Durante anos antes do golpe, manteve-se ali um conflito civil contínuo e de baixo intensidade entre os militares e vários grupos étnicos minoritários que há muito tempo buscavam o controle dos recursos naturais em suas regiões e a independência do Estado.

Esse conflito explodiu após o golpe, quando grupos de milícias étnicas uniram forças com combatentes pró-democracia da maioria Bamar que protestavam contra a junta militar que governa o país desde um golpe em 2021.

Sua resistência aumentou no final de 2023 com uma ofensiva coordenada no norte que causou aos militares as suas baixas mais significativas em muitos anos.

Os insurgentes ganharam o controle de cidades e vilarejos na fronteira nordeste com a China, incluindo o controle das principais rotas comerciais. Isso levou a novos combates no oeste do estado de Rakhine, assim como em outras áreas.

A tenacidade da resistência desses grupos minoritários, aliada à recusa dos militares em fazer concessões, sugere que a guerra civil do país pode se agravar consideravelmente em 2024 e ganhar novamente a atenção internacional.

https://interessenacional.com.br/edicoes-posts/o-mundo-em-2024-analises-e-predicoes-politicas-dos-cenarios-possiveis-para-o-ano-que-comeca/

Mali

No Mali, uma nação na turbulenta região de Sahel, na África, as tensões aumentaram ao longo de 2023 e agora ameaçam irromper em uma guerra civil em grande escala.

O Mali há muito tempo luta contra a atividade insurgente. Em 2012, o governo local sofreu um golpe e os rebeldes tuaregues, apoiados por militantes islâmicos, tomaram o poder no norte.

Uma missão de manutenção da paz da Organização das Nações Unidas foi estabelecida em 2013 para trazer estabilidade ao Mali. Em seguida, em 2015, os principais grupos rebeldes assinaram um acordo de paz com o governo do Mali.

Após mais dois golpes em 2020 e 2021, os oficiais militares consolidaram seu poder e disseram que restaurariam o controle territorial total do Estado sobre todo o Mali. O regime insistiu que a missão de manutenção da paz da ONU se retirasse do país, o que aconteceu em junho de 2023. Posteriormente, a violência explodiu entre os militares e as forças rebeldes sobre o uso futuro das bases da ONU.

Em novembro de 2023, os militares, supostamente apoiados pelo Grupo Wagner da Rússia, tomou o controle da cidade estratégica de Kidal, ao norte, que estava em poder das forças tuaregues desde 2012. Esse fato mina a frágil paz que se mantém desde 2015.

É improvável que os militares recuperem o controle total de todas as áreas em poder dos rebeldes no norte. Ao mesmo tempo, os insurgentes estão mais audaciosos. Com o acordo de paz de 2015 praticamente morto, podemos esperar uma maior volatilidade em 2024.

Líbano

Em 2019, um protesto civil generalizado eclodiu no Líbano contra líderes que, segundo a percepção, não estavam atendendo às necessidades cotidianas da população.

A situação continuou a se deteriorar com um governo reorganizado, uma crise econômica em escalada e uma enorme explosão na área portuária que expôs práticas corruptas.

O Fundo Monetário Internacional criticou o Líbano em setembro pela falta de uma reforma econômica. O governo libanês também falhou em chegar a um acordo sobre a nomeação de um presidente, cargo vago há mais de um ano .

Isso pode comprometer o frágil acordo de compartilhamento de poder no Líbano, no qual os principais cargos políticos de primeiro-ministro, presidente da Câmara e presidente são alocados para um sunita-muçulmano, um xiita-muçulmano e um cristão maronita, respectivamente.

Mais recentemente, a guerra entre Israel e o Hamas ameaçou se espalhar pelo Líbano, lar do grupo militante Hezbollah , que afirma ter um exército de 100.000 combatentes. É importante ressaltar que isso coloca em risco o turismo como uma esperança fundamental para a recuperação econômica do Líbano.

Esses fatores podem precipitar um colapso econômico e político mais grave em 2024.

Paquistão

Desde a independência do Paquistão em 1947, os militares têm desempenhado um papel intervencionista na política. Embora os líderes paquistaneses sejam eleitos pelo povo, os oficiais militares às vezes os tiram do poder.

Em 2022, o primeiro-ministro paquistanês Imran Khan caiu em desgraça com os líderes militantes do Paquistão. Posteriormente, ele foi destituído do poder em uma votação no parlamento e, mais tarde, preso sob acusações que seus partidários alegam ter motivação política.

Manifestações violentas eclodiram em todo o país após sua prisão – uma demonstração de raiva contra os militares que antes era impensável.

O Paquistão também enfrenta os efeitos colaterais da instabilidade no vizinho Afeganistão e um aumento nos ataques terroristas. Esses desafios de segurança foram agravados por uma economia em dificuldades e pelos custos contínuos decorrentes das inundações devastadoras de 2022.

Espera-se que o Paquistão realize eleições parlamentares em fevereiro de 2024, após o que o atual governo militar provisório deverá transferir o poder de volta ao governo civil. Muitos estão observando atentamente os militares. Se essa transferência de poder não ocorrer, ou se houver atrasos, pode haver distúrbios civis.

Sri Lanka

O Sri Lanka enfrentou uma crise econômica debilitante em 2022 que levou à escassez crítica de combustível, alimentos e medicamentos. Os protestos civis fizeram com que o então presidente Gotabaya Rajapaksa fugisse do país. Ele foi rapidamente substituído pelo atual presidente Ranil Wickremesingh.

A estabilidade voltou em 2023, quando o Sri Lanka começou a implementar reformas econômicas como parte de um acordo de resgate com o Fundo Monetário Internacional. No entanto, a insatisfação generalizada com as elites políticas e os fatores subjacentes às dificuldades econômicas do país não foram abordados.

As eleições no Sri Lanka também estão previstas para o final de 2024. Embora seja provável que Wickremesingh, o atual presidente, concorra a um segundo mandato, ele tem baixa confiança com o público. É visto como muito próximo das elites políticas corruptas.

Essa insatisfação pode levar a novos protestos – principalmente se a economia voltar a tropeçar – em uma repetição da situação que levou à destituição de Rajapaksa em 2022.


*Jessica Genauer é professora de relações internacionais na Flinders University


Este texto é uma republicação do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original


Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional


Daniel Buarque é editor-executivo do portal Interesse Nacional. Pesquisador no pós-doutorado do Instituto de Relações Internacionais da USP (IRI/USP), doutor em relações internacionais pelo programa de PhD conjunto do King’s College London (KCL) e do IRI/USP. Jornalista, tem mestrado em Brazil in Global Perspective pelo KCL e é autor de livros como "Brazil’s international status and recognition as an emerging power: inconsistencies and complexities" (Palgrave Macmillan), "Brazil, um país do presente" (Alameda Editorial), "O Brazil é um país sério?" (Pioneira) e "o Brasil voltou?" (Pioneira)

Artigos e comentários de autores convidados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Interesse Nacional

Cadastre-se para receber nossa Newsletter